Cultura

Arquitectura sagrada no século XXI, o núcleo do Fórum Omnes

Na terça-feira, 16 de Maio de 2023, teve lugar na ESIC o Fórum Omnes sobre "Arquitectura Sagrada no Século XXI".

Loreto Rios-17 de Maio de 2023-Tempo de leitura: 3 acta
fórum de arquitectura

Da esquerda para a direita, Alfonso Riobó, Felipe Samarán, Ignacio Vicens, Jesús Higueras e Emilio Delgado.

A sede da universidade privada ESIC acolheu o Fórum Omnes na terça-feira, 16 de Maio de 2023, sobre o tema "Arquitectura sagrada no século XXI". A mesa redonda, moderada pelo Sr. Alfonso Riobó, director da Omnes, foi composta pelos arquitectos Felipe Samarán, Ignacio Vicens e Emilio Delgado, e pelo padre Jesús Higueras, pároco de Santa María de Caná.

A reunião, patrocinada pela empresa de construção CabbsaO banco Sabadell e a fundação CARF também colaboraram no projecto.

O evento contou com a presença de Jorge Beltrán, presidente da Cabbsa, Paloma Tejero, vice-consejera da Consejería de Medio Ambiente de la Comunidad de Madrid, e Luis Alberto Rosales, director da fundação CARF, entre outros.

Recuperar a beleza

Jesús Higueras, pároco de Santa María de Caná, iniciou os discursos salientando que, ao construir uma igreja, é preciso ter em conta a importância de este espaço se ligar à transcendência.

Ao mesmo tempo, salientou que a igreja não se limita apenas ao templo, mas tem de cobrir outras necessidades relacionadas com a sua função evangelizadora, não apenas celebrativa, como, por exemplo, ter salas para a catequese. Don Jesús sublinhou também que as razões económicas não devem levar-nos a renunciar à beleza e convidou-nos a recuperar a beleza na construção das igrejas.

A evolução da arquitectura sagrada

Seguiu-se Felipe Samarán, que contextualizou o facto de a igreja ser um lugar onde as pessoas se interrogam sobre o sentido da vida e uma série de questões transcendentais, que devem ser tidas em conta na sua concepção. "Como fazer com que a mensagem eterna daquilo que nos foi dado coexista com uma embalagem necessariamente desactualizada?

Explicou também que Cristo nunca falou de liturgia ou de arquitectura, e que esta evoluiu ao longo dos séculos, mas sem perder de vista os seus fundamentos.

fórum de arquitectura

No que nos afecta mais de perto, deu o exemplo do Concílio Vaticano II: "O altar passou a ser uma relação dialógica entre o oficiante da Eucaristia e o povo de Deus que o frequentava, ao contrário do que acontecia antes, que era uma relação entre todos olhando na mesma direcção (...) Esta relação que se estabelece, agora nova, é diferente da que existia na Igreja que nos precedeu". Sobre a dificuldade de projectar arquitectonicamente uma igreja, disse que "a única solução é ter uma perspectiva cristocêntrica e objectiva do que estamos a fazer".

Os templos de hoje representam os nossos tempos

Em terceiro lugar, Emilio Delgado fez a sua apresentação, sublinhando a importância da responsabilidade profissional, uma vez que, quando é encarregado de construir uma igreja, "o arquitecto tem de fazer um lugar para adorar Deus". Explicou que "o templo remete para uma origem", "reúne toda a história", desde o Antigo Testamento até ao Novo, e, além disso, "é o lugar onde nos perguntamos de onde vimos e para onde vamos". Por último, explicou que os santuários representam a humanidade ao longo da história e que "os templos de hoje representam-nos a nós".

Conhecer a liturgia

O último orador, Ignacio Vicens, iniciou o debate respondendo a uma das questões colocadas por Jesús Higueras no início do evento: deve o arquitecto atender à sensibilidade dos fiéis ou à beleza e à excelência? "A excelência é a única coisa que pode ser oferecida a Deus. A sensibilidade dos fiéis é perfeitamente irrelevante quando se fala de arte sacra ou de arquitectura sacra", respondeu.

Salientou também que a questão económica nunca é um problema para a arquitectura, indicando que a melhor arquitectura em Espanha no século XX foi nos anos 50, quando havia poucos meios económicos e materiais disponíveis. Por outro lado, afirmou que, para poder conceber correctamente uma igreja, é essencial estudar o que a Igreja quer, ou seja, dominar a liturgia. "Ou se domina a liturgia na perfeição, ou então vai-se enganar", disse.

No final do colóquio, o público teve a oportunidade de colocar questões ao painel. No número de Junho da revista, teremos uma extensa secção dedicada a este evento.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.