Vaticano

Papa exalta Catarina Tekakwitha, primeira santa indígena americana

Esta manhã, o Santo Padre Francisco elogiou São Francisco de Assis, o Catalina Tekakwitha, primeira O Papa elogiou o seu "grande amor à Cruz perante as dificuldades e as incompreensões", "sinal definitivo do amor de Cristo por todos nós". O Papa encorajou "para que também nós saibamos viver o quotidiano de forma extraordinária".

Francisco Otamendi-30 de agosto de 2023-Tempo de leitura: 4 acta

Estátua de Santa Catarina Tekakwitha em Fonda, Nova Iorque ©OSV

Um dia antes de iniciar a sua viagem apostólica "ao continente asiático, para visitar os irmãos e irmãs de MongóliaO Romano Pontífice retomou esta manhã a série de catequeses sobre "A paixão pela evangelização: o zelo apostólico do crente", para as quais o Papa pediu que "me acompanhem com as vossas orações". O tema da sua reflexão foi a primeira santa nativa da América do Norte, Catarina Tekakwitha.

Nas suas primeiras palavras na Sala Paulo VI, repleta de fiéis de vários países, o Papa Francisco recordou no seu discurso ao Papa o Público em geral algumas características da biografia da santa americana. Como ela disse OmnesCatarina Tekakwitha nasceu em 1656 em Ossernenon, que fazia parte da região de Confederação Iroquesa. Esta união de nações tinha a sua capital no atual Estado de Nova Iorque. Catarina era filha de um chefe moicano e de um índio algonquino (do leste do Canadá). A sua mãe era cristã, mas o seu pai era pagão, pelo que a jovem índia só se converteu verdadeiramente à fé aos dezoito anos.

"Muitos de nós - sublinhou o Papa - também fomos apresentados ao Senhor pela primeira vez no ambiente familiar, especialmente pelas nossas mães e avós. A evangelização começa muitas vezes assim: com gestos simples e pequenos, como os pais que ajudam os filhos a aprender a falar com Deus na oração e lhes falam do seu amor grande e misericordioso. Os fundamentos da fé de Catarina, e muitas vezes também de nós, foram lançados desta forma. 

Quando Catherine tinha quatro anos de idade, uma grave epidemia de varíola atingiu a sua aldeia. Os pais e o irmão mais novo morreram, e Catarina ficou com cicatrizes no rosto e com problemas de visão. "A partir de então, Catarina teve de enfrentar muitas dificuldades: certamente as físicas, devido aos efeitos da varíola, mas também as incompreensões, as perseguições e até as ameaças de morte que sofreu depois do seu batismo no Domingo de Páscoa de 1676", recordou o Papa.

"Uma santidade que atrai".

"Tudo isto fez com que Catarina sentisse um grande amor pela cruz, sinal definitivo do amor de Cristo, que se entregou até ao fim por nós. De facto, testemunhar o Evangelho não é só agradar, é também saber carregar as cruzes de cada dia com paciência, confiança e esperança", disse o Papa Francisco. 

A sua decisão de ser baptizada "provocou mal-entendidos e ameaças entre o seu próprio povo, pelo que teve de se refugiar na região dos moicanos, numa missão dos padres jesuítas. Estes acontecimentos despertaram em Catarina "um grande amor pela cruz, que é, por sua vez, o sinal definitivo do amor de Cristo por todos nós". Na comunidade, distinguiu-se pela sua vida de oração e pelo seu serviço humilde e constante" às crianças da missão, a quem ensinou a rezar, aos doentes e aos idosos.

Na missão jesuíta, perto de Montreal, Catarina "assistia à missa todas as manhãs, fazia adoração diante do Santíssimo Sacramento, rezava o terço e levava uma vida de penitência", "práticas espirituais que impressionavam todos na Missão; reconheciam em Catarina uma santidade que atraía porque nascia do seu profundo amor a Deus", disse o Santo Padre.

"Viver o quotidiano de forma extraordinária".

Apesar de ter sido encorajada a casar-se, continua o Papa, "Catarina, pelo contrário, queria dedicar a sua vida inteiramente a Cristo. Impossibilitada de entrar na vida consagrada, fez voto de virgindade perpétua a 25 de março de 1679, solenidade da Anunciação. A sua escolha revela um outro aspeto do zelo apostólico: a dedicação total ao Senhor. É claro que nem todos são chamados a fazer o mesmo voto que Catarina; no entanto, cada cristão é chamado a empenhar-se diariamente, com um coração indiviso, na vocação e na missão que Deus lhe confiou, servindo-O e ao próximo em espírito de caridade", disse.

Francisco sublinhou que "em Catarina Tekakwitha, portanto, encontramos uma mulher que deu testemunho do Evangelho, não tanto com grandes obras, porque nunca fundou uma comunidade religiosa ou qualquer instituição educativa ou caritativa, mas com a alegria silenciosa e a liberdade de uma vida aberta ao Senhor e aos outros. Mesmo nos dias que antecederam a sua morte, ocorrida aos 24 anos de idade, a 17 de abril de 1680, Catarina cumpriu a sua vocação com simplicidade, amando e louvando a Deus e ensinando a fazer o mesmo àqueles com quem convivia. De facto, as suas últimas palavras foram: "Jesus, eu amo-te.

"Em suma - concluiu o Papa - ela soube dar testemunho do Evangelho vivendo o quotidiano com fidelidade e simplicidade. Que também nós saibamos viver o quotidiano de forma extraordinária, pedindo a graça de sermos - como esta jovem santa - autênticos seguidores de Jesus". 

Canonizações em França e na Polónia

Na sua saudação aos peregrinos de língua francesa, o Papa fez uma referência especial "às Irmãs da Apresentação de Maria, que celebram o seu Capítulo Geral, à luz da recente canonização da fundadora Marie Rivier". E entre os peregrinos de língua inglesa, 

saudou "os ciclistas que vieram de Inglaterra, com a garantia das minhas orações pelo seu empenhamento na luta contra o cancro", e em particular os de Malta e vários grupos dos Estados Unidos.

Na Polónia "aguarda-se com impaciência a iminente beatificação da família Ulma. Em muitas paróquias, a novena, que começará depois de amanhã, será uma preparação espiritual para o acontecimento. Que o exemplo desta família heróica", acrescentou o Santo Padre, "que sacrificou a sua vida para salvar os judeus perseguidos, vos ajude a compreender que a santidade e os actos heróicos se alcançam através da fidelidade nas pequenas coisas".

Ucrânia e segunda Laudato si' 

Ao saudar os peregrinos de língua italiana, entre outros, o Papa renovou "a nossa proximidade e as nossas orações pela amada e atormentada Ucrânia, tão duramente provada por grandes sofrimentos".

O Papa recordou o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, que se celebra esta sexta-feira, 1 de setembro. Reiterou a sua intenção de publicar uma segunda edição do Laudato si' 4 de outubro, festa de São Francisco de Assis. Numa audiência com juristas, a 21 de agosto, Francisco revelou esta próxima exortação.

O autorFrancisco Otamendi

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.