Mundo

O compromisso ecuménico do Papa Francisco

O Papa Francisco opta por uma cultura de encontro baseada em gestos de proximidade e amizade pessoal com os líderes de diferentes denominações cristãs. As suas viagens e o seu público confirmam isto.

Andrea Gagliarducci-18 de Janeiro de 2023-Tempo de leitura: 6 acta
papa do ecumenismo

Foto: O Papa Francisco saúda o Bispo Luterano Jukka Keskitalo de Oulu durante uma audiência com uma delegação ecuménica da Finlândia, a 17 de Janeiro de 2022. ©CNS foto/Vatican Media

No Angelus de 18 de DezembroO Papa Francisco apelou a uma solução para a situação no corredor de Lachin, o único ponto de contacto entre Nagorno-Karabakh (ou Artsakh, segundo o seu antigo nome arménio) e a Arménia.

O bloqueio do corredor por alguns activistas ameaça provocar uma tragédia humanitária, enquanto as manobras no corredor, e em Nagorno-Karabakh em geral, há muito que levantam questões sobre o futuro da herança cristã da região.

No entanto, essa chamada também tinha outro significado. Foi um apelo que veio em socorro de uma Igreja "irmã", a Igreja Arménia Apostólicae o Patriarca Karekin II, que se encontrou várias vezes com o Papa Francisco e o recebeu na Arménia em 2016.

O último encontro entre os dois Foi em Outubro de 2021 que Karekin II foi acompanhado pelo chefe dos direitos humanos para denunciar os crimes ocorridos na região. Os contactos, porém, são frequentes, e o apelo feito há cinco dias aos líderes de todas as Igrejas irmãs não passou certamente despercebido pelo Papa Francisco.

O episódio é digno de nota porque conta a história de como o Papa Francisco conduz o ecumenismo. Várias vezes ele recordou sorridentemente uma velha piada de que se todos os teólogos fossem colocados numa ilha, o ecumenismo seguiria imediatamente. Mas o Papa prosseguiu depois dizendo que a teologia é de facto útil para o diálogo ecuménico. Prefere, contudo, concentrar-se noutra coisa: em gestos de proximidade e de amizade pessoal.

Presentes ecuménicos

O que é certo é que todo o pontificado do Papa Francisco está cravejado de "dons ecuménicos". Na semana passada, três peças do Pártenon mantidas nos Museus do Vaticano foram devolvidas à Grécia, directamente ao arcebispo ortodoxo Ieronymos, que o Papa tinha conhecido há um ano durante a sua viagem ao país.

Anteriormente, a 29 de Junho de 2019, o Papa Francisco decidiu subitamente doar uma relíquia de São Pedro ao Patriarca Ecuménico de Constantinopla Bartolomeu.

E depois há o ecumenismo das relíquias. O maior exemplo é a relíquia de São Nicolau retirada do corpo do Santo em Bari e levada à veneração dos fiéis na Rússia em 2017. Também em 2017, foram as relíquias de São Filipe que foram enviadas para Esmirna, para o Patriarcado Ecuménico de Constantinopla. 

A túnica sangrenta de Thomas Beckett, o bispo inglês assassinado à espada na Catedral de Cantuária, foi emprestada à Igreja Anglicana e de Santa Maria Maior regressou à Cantuária em 2020, por ocasião das celebrações do 850º aniversário do martírio do mártir de Albion. Também em 2020, o Papa Francisco doou as relíquias de São Clemente e São Potitus ao Patriarca Neofit da Bulgária. 

Todos estes são gestos destinados a encorajar gestos de desanuviamento com Igrejas irmãs. O Papa Francisco, de facto, deixa a tarefa de definir as questões teológicas para o Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Em geral, depende de encontros, de relações pessoais, para levar a cabo um ecumenismo prático que mostre igrejas irmãs a trabalharem em conjunto.

As viagens ecuménicas do Papa Francisco

Parte desta estratégia é a longa "viagem ecuménica" planeada para Sul do Sudãoonde se juntará o Arcebispo de Canterbury Justin Welby, Primaz Anglicano, e Moderador da Igreja da Escócia Iain Greenshields. O Papa Francisco estará no Sul do Sudão de 4-5 de Fevereiro de 2023, no final de uma viagem que o levará à República Democrática do Congo de 31 de Janeiro a 3 de Fevereiro.

A viagem tinha sido planeada há já algum tempo, e as relações com o Primaz Anglicano Welby tinham-se aproximado no período que antecedeu a viagem. A 11 de Abril de 2019, o Arcebispo Welby esteve também presente na reunião de oração pelas autoridades civis e políticas do Sul do Sudão que o Papa Francisco tinha desejado no Vaticano.

Era a época anterior à pandemia, e o Papa Francisco tinha planeado nada menos do que duas viagens ecuménicas em 2020. Para além da viagem ao Sul do Sudão, estava também prevista uma viagem mais longa à Grécia, seguindo as pegadas de São Paulo, com o Patriarca Bartolomeuque sempre mostrou a sua proximidade ao Papa Francisco, ao seu lado.

Devido à pandemia, a viagem à Grécia não pôde ter lugar como planeado em 2020. Quando teve lugar em Dezembro de 2021, as condições eram diferentes, e foi decidido fazer uma viagem com uma paragem em Atenas e um rápido desvio para Lesbos, onde o Papa já tinha estado.

No entanto, o facto de que estava para ser feito diz muito sobre a direcção que o Papa Francisco quer tomar para o diálogo ecuménico. Basta dizer que a maioria das nações que o Papa Francisco visitou na Europa são de maioria ortodoxa: em 2019 foi a Bulgária, Macedónia do Norte e Roménia. Em 2021, Chipre e Grécia.

Está agora prevista uma visita à Sérvia, que também foi oferecida para um encontro entre o Papa Francisco e o Patriarca Kirill de Moscovo. Terreno difícil devido à oposição do Patriarcado Ortodoxo local à canonização do Cardeal Aloizije Stepniac, Arcebispo de Zagreb durante os anos da Segunda Guerra Mundial, considerado pelos ortodoxos como um colaborador nazi - para isso o Papa também criou uma comissão católica ortodoxa que não levou a quaisquer conclusões definitivas.

Além disso, foram feitas viagens a países com uma maioria protestante. Na Suécia, em 2016, o Papa Francisco foi assinalar o 500º aniversário da Reforma Protestante, lançando uma declaração conjunta entre a Caritas Internationalis e o Serviço Mundial Luterano.

E não devemos esquecer a visita do Papa Francisco à Suíça, primeiro ao Conselho Mundial de Igrejas e depois à Bossey em 2018, sublinhando mais uma vez o desejo de estar presente.

A relação com o Patriarcado de Moscovo

Não é surpreendente, portanto, que o Papa procure encontros pessoais em vez de grandes discursos. Ele manteve conversações com o seu "querido irmão" Bartolomeu, tanto na sua última viagem ao Bahrein em Novembro de 2022 como na sua viagem ao Cazaquistão em Setembro de 2022. E não é surpreendente que os países que mais se esforçam por mostrar o seu empenho no diálogo e sacudir uma imagem difícil (Cazaquistão e Bahrain, mas também os Emiratos Árabes Unidos e o Iraque) tenham sempre convidado o Papa para reuniões inter-religiosas onde ele também pode ter "bilaterais ecuménicos".

Desde a sua viagem ao Cazaquistão Em Setembro de 2022, o Papa Francisco encontrou-se também com o Metropolita Antonij, que dirige o Departamento de Relações Externas do Patriarcado. O Patriarca Kirill, que tinha confirmado a sua participação e depois cancelada no último minuto, estava agendada para lá estar. Com Antonij falou-se de uma possível segunda reunião entre o Patriarca e o Papa, marcada para Junho na Terra Santa, que foi depois cancelada e dificultada também por declarações do Papa Francisco, que - falando da videoconferência que realizou com Kirill em Março deste ano - tinha dado a entender que tinha instruído o Patriarca: "Não somos clérigos do Estado".

E assim a possibilidade de um encontro efervesceu, tendo como pano de fundo uma guerra na Ucrânia que viu o Patriarca tomar posições muito claras a favor da guerra, enquanto o Cardeal Koch, Prefeito do Dicastério para a Promoção da Unidade Cristã, não hesitou em definir algumas destas posições como "heréticas".

Para o Papa, contudo, a reunião deve ter lugar, na linha da reunião de Fevereiro de 2016 em Havana. Os antecedentes da guerra na Ucrânia tornam tudo mais difícil, incluindo a aferição da eventual declaração final. O termómetro do relações entre a Igreja Ortodoxa Russa e a Igreja Católica poderá avaliar a situação em Fevereiro: realizar-se-á a habitual reunião anual comemorativa em Havana? E de que forma? Isso ainda está para ser visto.

Reconciliação ecuménica na Ucrânia

Entretanto, outra possibilidade poderia também existir na frente ucraniana, onde nos últimos 25 anos tem existido um Conselho de Igrejas e Organizações Religiosas de toda a Ucrânia, representando o 95% do mosaico religioso da Ucrânia.

O conselho, que também é muito activo no apoio à população local, escreveu uma carta ao Papa, solicitando a possibilidade de uma reunião, e a sua visita a Roma deverá ter lugar em Janeiro, durante a Semana para a Promoção da Unidade dos Cristãos.

Seria uma visita importante, uma forma de procurar a paz também através do diálogo ecuménico. Mas seria também uma visita que teria de ser bem calibrada, em reuniões, formas e termos, tendo em conta que a Ucrânia é também um campo de batalha ecuménico. Ali, de facto, a declaração de autocefalia (autonomia) da Igreja Ortodoxa Ucraniana em 2019 tinha desencadeado o chamado "cisma ortodoxo".

A autocefalia tinha sido concedida por Bartolomeu, o primeiro da Synaxis das Igrejas Ortodoxas, mas tinha provocado o forte protesto do Patriarcado de Moscovo, que também se tinha retirado de todos os corpos co-presididos pelo Patriarcado de Constantinopla, incluindo a Comissão Teológica Ortodoxo-Católica.

Moscovo considerou a Ucrânia o seu território canónico e, entre outras coisas, a autocefalia tinha sido vista precisamente como um distanciamento adicional da Ucrânia da Rússia, o que também influenciou a narrativa russa sobre a guerra actual.

Em última análise, tudo dependerá da forma como as coisas se moldarem. O Papa Francisco continua com a sua ideia da cultura do encontro, deixando o debate para os teólogos. Será suficiente?

O autorAndrea Gagliarducci

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.