Mundo

"Não é preciso ser rico ou poderoso, basta amar", diz o Papa na Mongólia

"Para sermos felizes, não precisamos de ser grandes, ricos ou poderosos. Só o amor sacia a sede do nosso coração, só o amor cura as nossas feridas, só o amor nos dá a verdadeira alegria". Foi isto que o Papa Francisco disse aos católicos da Mongólia e a dezenas de pessoas de países vizinhos, incluindo a China, na homilia da Missa de domingo no pavilhão de hóquei no gelo Steppe Arena.

Francisco Otamendi-3 de setembro de 2023-Tempo de leitura: 4 acta
mongólia

Foto: O Papa Francisco saúda os peregrinos da China durante a missa na Arena das Estepes ©CNS photo/Vatican Media

O Papa Francisco celebrou a Eucaristia no Pavilhão Steppe Arena em Ulaanbaatar, capital da Mongólia, na tarde de segundo dia Acompanhavam-no o jovem missionário italiano da Consolata, o Cardeal Giorgio Marengo, e outros sacerdotes e religiosos. 

Na homilia da cerimónia de MissaO Presidente do Parlamento Europeu sublinhou que "esta é a verdade que Jesus nos convida a descobrir, que Jesus quer revelar a todos, a esta terra da Mongólia: para sermos felizes, não precisamos de ser grandes, ricos ou poderosos. Basta amar.

O Santo Padre reflectiu sobre as palavras do Salmo 63: "Ó Deus, [...] a minha alma tem sede de Vós, a minha carne anseia por Vós, como uma terra sedenta, ressequida e sem água", e depois sobre as palavras de São Mateus, quando "Jesus - ouvimo-lo há pouco no Evangelho - nos indica o caminho para saciar a nossa sede: é o caminho do amor, que Ele percorreu até ao fim, até à cruz, a partir da qual nos chama a segui-lo "perdendo a vida para a reencontrar" (cf. Mt 16, 24-25)".

"Não estamos sozinhos

"Esta estupenda invocação acompanha o caminho da nossa vida, no meio dos desertos que somos chamados a atravessar", continuou o Papa. "E é precisamente nesta terra árida que a boa nova chega até nós. No nosso caminho não estamos sozinhos; a nossa aridez não tem o poder de tornar a nossa vida estéril para sempre; o grito da nossa sede não fica sem resposta". 

"Deus Pai enviou o seu Filho para nos dar a água viva do Espírito Santo, para saciar a sede da nossa alma (cf. Jo 4, 10). E Jesus - como ouvimos há pouco no Evangelho - mostra-nos o caminho para saciar a nossa sede: é o caminho do amor, que Ele percorreu até ao fim, até à cruz, a partir da qual nos chama a segui-lo 'perdendo a vida para a reencontrar'", acrescentou o Papa, numa reflexão que tem vindo a abordar com alguma frequência nos últimos tempos. A proximidade do Senhor.

Por isso, escutemos também a palavra que o Senhor diz a Pedro: "Segue-me", isto é, sê meu discípulo, caminha como eu, e não penses mais como o mundo. Assim, com a graça de Cristo e do Espírito Santo, seremos capazes de percorrer o caminho do amor. Mesmo quando amar implica negar-se a si próprioslutar contra o egoísmo pessoal e mundano, ousar viver fraternalmente". 

Paradoxo cristão: perder a vida, ganhar a vida

"Porque se é verdade que tudo isto custa esforço e sacrifício, e por vezes implica ter de subir à cruz", disse o Papa aos católicos mongóis, "não é menos verdade que quando perdemos a nossa vida pelo Evangelho, o Senhor no-la dá em abundância, cheia de amor e de alegria, para toda a eternidade".

As palavras do salmista, que grita a Deus sobre a sua própria aridez, porque a sua vida se assemelha a um deserto, "têm uma ressonância particular numa terra como a Mongólia, um território imenso, rico em história e cultura, mas também marcado pela aridez da estepe e do deserto", sublinhou o Papa.

"Muitos de vós estais habituados à beleza e ao cansaço de ter de caminhar, um ato que evoca um aspeto essencial da espiritualidade bíblica, representado pela figura de Abraão e, de um modo mais geral, algo caraterístico do povo de Israel e de cada discípulo do Senhor. Todos nós somos, de facto, "nómadas de Deus", peregrinos em busca de felicidade, errantes sedentos de amor.

"Mas não devemos esquecer isto", recordou o Santo Padre, seguindo Santo Agostinho: "no deserto da vida, no trabalho de ser uma pequena comunidade, o Senhor não nos faz faltar a água da sua Palavra, especialmente através dos pregadores e missionários que, ungidos pelo Espírito Santo, semeiam a sua beleza. E a Palavra conduz-nos sempre à essência da fé: deixarmo-nos amar por Deus para fazer da nossa vida uma oferta de amor. Porque só o amor sacia verdadeiramente a nossa sede.

"Abraçar a cruz de Cristo

"É o que Jesus diz, em tom forte, ao apóstolo Pedro no Evangelho de hoje. Ele não aceita o facto de Jesus ter de sofrer, ser acusado pelos chefes do povo, sofrer a paixão e depois morrer na cruz. Pedro reage, protesta, quer convencer Jesus de que está errado, porque segundo ele - e muitas vezes nós também pensamos assim - o Messias não pode ser derrotado, e de modo algum pode morrer crucificado, como um criminoso abandonado por Deus. Mas o Senhor repreende Pedro, porque a sua maneira de pensar é "a dos homens" e não a de Deus", disse o Papa Francisco.

"Irmãos e irmãs, este é o melhor caminho de todos: abraçar a cruz de Cristo", concluiu o Romano Pontífice. "No coração do cristianismo está esta notícia desconcertante e extraordinária: quando perdes a tua vida, quando a ofereces generosamente, quando a arriscas entregando-a ao amor, quando a fazes dom gratuito aos outros, então ela volta para ti abundantemente, derrama em ti uma alegria que não passa, uma paz no teu coração, uma força interior que te sustenta".

Cartão. Marengo: "ser testemunhas alegres e corajosas do Evangelho".

O Cardeal Giorgio Marengo, I.M.C., sublinhou no final da celebração eucarística que a presença do Papa aqui "é para nós uma fonte de profunda emoção, difícil de exprimir em palavras. Desejastes fortemente estar entre nós, peregrino da paz e portador do fogo do Espírito. Sentimo-nos como se estivéssemos com os apóstolos nas margens do lago, como naquele dia em que o Ressuscitado os esperava com uma brasa acesa".

"Ele recordou-nos isso no ano passado, no Consistório, falando do fogo que deve arder em nós. O fogo das brasas ilumina, aquece e conforta, mesmo que não o vejamos.

chamas brilhantes", continuou o cardeal. "Agora que tocámos com as nossas próprias mãos o querido povo de Deus na Mongólia, queremos aceitar o vosso convite para sermos testemunhas alegres e corajosas do Evangelho nesta terra abençoada. Continuem a apoiar-nos com palavras e exemplos; nós, agora, só podemos recordar e pôr em prática o que vimos e ouvimos nestes dias." "Por isso, por favor, aceitem este presente simbólico: é a palavra bayarlalaaque significa "obrigado", escrito em mongol antigo", concluiu o Cardeal Marengo.

Na segunda-feira, dia 4, último dia da viagem apostólica do Papa, terá lugar um dos momentos mais aguardados da visita: a inauguração do Casa da Misericórdia. Um projeto iniciado há quatro anos, que se destina especialmente a mulheres e menores vítimas de violência doméstica. Dispõe igualmente de um espaço destinado a acolher os sem-abrigo e servirá também de abrigo temporário para os imigrantes. 

O autorFrancisco Otamendi

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.