Mundo

Mais de 5.000 cristãos marroquinos vivem a sua fé na clandestinidade das suas casas.

Os marroquinos gozam de liberdade de consciência ao abrigo da Constituição de 2011, mas aqueles que abraçam publicamente o cristianismo são unanimemente rejeitados pela sociedade e pelas suas famílias. O proselitismo de qualquer outra fé que não o islão sunita é punível com uma pena de prisão até três anos. 

José Ángel Cadelo-12 de Maio de 2023-Tempo de leitura: 4 acta
Cristãos marroquinos

Cristãos marroquinos

Em Marrocos, o abandono da religião oficial do Estado é considerado popularmente como uma traição à pátria e ao povo. No entanto, no Corão, o nome de Jesus aparece vinte e cinco vezes, contra apenas quatro vezes em que Maomé é mencionado. Não existe outra forma de casamento que não seja o rito muçulmano e com as cláusulas tradicionais de origem corânica. Os marroquinos cristãos que vivem no seu país devem necessariamente assumir, quando se casam, as particularidades do casamento islâmico no que respeita ao dote, ao repúdio, à poligamia, à herança...

Também não podem escolher nomes cristãos para os seus filhos e nenhuma família pode evitar a educação islâmica oficial, obrigatória em todas as escolas e a todos os níveis. É Said, baptizado secretamente David, que se refere a estas circunstâncias: "O pior de tudo é a rejeição e o estigma social a que estamos expostos; muitos de nós perdemos mesmo o emprego".

O número de cristãos marroquinos (católicos, ortodoxos e evangélicos) no país é de Marrocos De acordo com um relatório recente do Departamento de Estado dos EUA, o número destas pessoas ascende a 8.000. Todas elas rezam ou celebram os sacramentos secretamente nas suas casas, naquilo a que chamam "igrejas domésticas".

A Igreja em Marrocos

A Igreja Católica tem uma presença notável em Marrocos desde o tempo do protectorado, mas o seu campo de acção pastoral é limitado pela lei local aos estrangeiros. Duas dioceses marroquinas são actualmente presididas por arcebispos espanhóis: o Cardeal Cristóbal López Romero, salesiano, que dirige o arcebispado de Rabat, e Emilio Rocha Grande, franciscano, recentemente consagrado arcebispo de Tânger.

Existe uma Nunciatura e numerosas ordens religiosas que gerem dispensários, refeitórios, orfanatos, lares para crianças de rua, lares para deficientes e centros para mulheres em todo o país. Franciscanos de diferentes ordens, vicentinos, trinitários, salesianos, clarissas contemplativas e freiras de Santa Teresa de Calcutá, entre outros institutos religiosos, dirigem estes centros onde, por lei, não se realiza qualquer acção apostólica ou proselitista dirigida aos marroquinos. "Estamos aqui para mostrar a beleza do cristianismo através da caridade", diz um franciscano do Cruz Brancade Tânger.

É proibido anunciar o Evangelho aos marroquinos ou distribuir qualquer tipo de material bibliográfico. O artigo 220 do Código Penal marroquino é muito claro a este respeito: quem "utilizar qualquer meio de sedução para quebrar a fé de um muçulmano ou tentar convertê-lo a outra religião" é condenado a uma pena de seis meses a três anos (em Marrocos, estes números referem-se a anos efectivos de privação de liberdade).

Liberdade religiosa

Rabat assinou vários tratados internacionais em matéria de direitos humanos que a obrigam a respeitar a liberdade de religião e de consciência para todos, mas ainda não estão reunidas as condições para que estes direitos sejam plenamente garantidos.

Apesar de o Papa Francisco, durante a sua visita a Rabat em 2019, ter apelado, num discurso perante milhares de pessoas e o próprio Mohammed VI, à liberdade de consciência ("a liberdade de religião e de consciência estão inseparavelmente ligadas à dignidade humana", disse), o Rei de Marrocos apenas especificou na sua resposta: "Foi-me confiada a protecção dos judeus marroquinos e dos cristãos estrangeiros que vivem em Marrocos".

Para compreender a ligação especial do regime marroquino ao Islão, é preciso ter em conta que os monarcas sempre tiveram um carácter sagrado, embora a nova Constituição de 2011 já não o proclame explicitamente. O rei é considerado um descendente dos primeiros califas e é um "comandante dos crentes", ou seja, um líder religioso para os muçulmanos em Marrocos e para muitos outros povos da África subsariana que o reconhecem como tal.

Minorias religiosas

"Os muçulmanos em geral são muito respeitosos para com os cristãos estrangeiros, mas ao mesmo tempo são muito duros para com aqueles que abandonam o Islão, chamando-nos traidores", diz Hicham, cristão e presidente de uma associação para a defesa dos direitos e liberdades. Hicham explica que "os cristãos têm de rezar em segredo, com receio de serem acusados de proselitismo, de quebrar a fé dos muçulmanos".

A sua associação, que não foi registada nem legalizada, dirigida por cristãos de várias denominações, trabalha para o reconhecimento dos direitos de todas as minorias religiosas, incluindo os muçulmanos xiitas, ahmadi e ibadi. Apenas os judeus, para além dos marroquinos muçulmanos sunitas, gozam de uma verdadeira protecção jurídica e têm o seu estatuto de comunidade religiosa reconhecido. Por conseguinte, um marroquino só pode ser muçulmano sunita ou judeu.

Conversões no estrangeiro

Dado que os marroquinos não entram nos templos cristãos (há igrejas católicas abertas e que oferecem serviços religiosos a estrangeiros em todas as grandes cidades marroquinas) para não se comprometerem a si próprios ou aos seus líderes, uma percentagem significativa de conversões teve lugar na diáspora, especialmente em Espanha e França. Nem sempre, como diz Fátima, uma católica de origem marroquina que vive em Valência, estes novos cristãos continuam a praticar a sua fé quando regressam ao seu país de origem: "As enormes dificuldades legais e sociais ultrapassam muitos destes recém-baptizados".

Em Larache (Marrocos) existe um centro sociocultural Lerchundi, ligado à paróquia de Nuestra Señora del Pilar. Muitos jovens marroquinos vão lá para ter aulas de espanhol ou para assistir ao fórum semanal de cinema. Mas estes jovens nunca põem os pés na igreja adjacente. Os franciscanos, que chegaram a Marrocos quando Francisco de Assis ainda era vivo (século XIII), atendem também os católicos estrangeiros (maioritariamente espanhóis e franceses) que cumprem penas numa das duas prisões locais por tráfico de haxixe.

O trabalho das ordens religiosas

Os religiosos e religiosas católicos aceitam as limitações impostas ao seu trabalho em Marrocos e compreendem que, só através de obras de caridade dirigidas aos marroquinos mais vulneráveis e de um diálogo frutuoso com os muçulmanos, já estão a realizar uma missão importante "cujos frutos tangíveis serão vistos por outros", como afirmou recentemente a irmã franciscana Isabel da Imaculada.

Entre outros objectivos, os cristãos marroquinos aspiram a poder oferecer funerais cristãos aos membros falecidos da sua comunidade. Entretanto, terão de observar publicamente o jejum do Ramadão (o artigo 222º do Código Penal prevê penas de prisão de 6 meses para quem beber ou comer em público) e ter cuidado para não serem apanhados a encorajar outros a conhecer Jesus como Deus e como homem (o Islão venera Jesus apenas como "profeta maior"). Entretanto, camaroneses, nigerianos e costa-marfinenses que viajam para a Europa em busca de uma vida melhor começam a encher as igrejas de Marrocos, até agora território exclusivo dos europeus. Não é pouco.

O autorJosé Ángel Cadelo

José Ángel Cadelo

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.