Cultura

Os "cantores infantis das estrelas", um costume muito difundido na Europa Central

Por altura da festa da Epifania, as crianças vestidas de Reis Magos levam uma bênção às casas e fazem uma recolha para apoiar o desenvolvimento das crianças necessitadas em todo o mundo. São os Crianças cantoras da Estrela o Sternsinger.

José M. García Pelegrín-20 de janeiro de 2024-Tempo de leitura: 4 acta
Sternsinger

Um grupo de crianças cantando com o Bispo de Münster, Dom Felix Genn. ©Rebecca Broich

Nos últimos anos, temo-las visto em vários meios de comunicação social. Entre as tradições natalícias mais difundidas na Alemanha, bem como na Áustria e nas regiões germanófonas de Itália, conta-se a dos "Dreikönigssingen" (Cantores dos Reis Magos) ou "Sternsinger" (Cantores das Estrelas): por altura da festa da Epifania ou dos Três Reis Magos, crianças vestidas a preceito e com a Estrela de Belém vão de casa em casa levando a bênção, tradicionalmente escrita a giz branco na porta. A inscrição "Christus mansionem benedicat" ("Cristo abençoe esta casa") tem também a conotação de se referir às iniciais dos nomes dos reis em alemão: Caspar, Melchior e Balthasar.

Autocolante com a bênção 20*C+M+B+24 na porta de um apartamento ©José M. García Pelegrín

Segundo a tradição, a bênção é escrita de uma forma pré-estabelecida: "20*C+M+B+24"; o asterisco simboliza a estrela. Faz parte da tradição que, numa cerimónia de bênção, o bispo ou o pároco envie as crianças, uma vez que cada paróquia, para além do nível diocesano, envia os seus próprios "esternáculos". Ultimamente, os "esterninhos" levam a "bênção" preparada em adesivo. De seguida, a inscrição ou o cartão é incensado e os "Populares" cantam canções de Natal.

Origens da tradição

Esta tradição remonta a meados do século XVI: o registo mais antigo deste costume é um registo da Abadia de São Pedro em Salzburgo, de 1541. Deve ter-se difundido rapidamente: em Wasserburg am Inn, o costume é registado em 1550, em Laufen e Eggenburg em 1552, na abadia beneditina de Ettal em 1569 e em Burghausen em 1577. 

Desde meados do século XX, esta tradição tem sido associada a campanhas da Igreja Católica para angariar fundos para projectos de ajuda ao desenvolvimento de crianças necessitadas em todo o mundo. Na Alemanha, desde 1958, as campanhas são coordenadas pela organização missionária infantil "Die Sternsinger", com sede em Aachen, juntamente com a Associação da Juventude Católica Alemã (BDKJ).

Todos os anos, cerca de 300.000 crianças na Alemanha participam e, em 2023, recolheram exatamente 45.454.900,71 euros. Desde a sua criação em 1958, estima-se que tenham sido recolhidos 396 milhões de euros, com os quais foram financiados cerca de 40.000 projectos.

Com o Presidente da República Federal da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier e a sua esposa Elke Büdenbender ©Verena Roth / Kindermissionswerk

Um objetivo por ano

A fim de familiarizar os participantes nestas campanhas com as condições de vida das crianças carenciadas, a campanha da Epifania centra-se todos os anos num tema diferente e num país diferente.

O slogan da campanha de 2024 é: "Juntos pela nossa Terra, na Amazónia e em todo o mundo". No entanto, os donativos não se destinam apenas a esta região, mas a 1.179 projectos para crianças em todo o mundo, abrangendo mais de 90 países, da América Latina à Oceânia, da Europa Oriental ao Médio Oriente e à Ásia.

Tradicionalmente, os "Sternsingers" são recebidos pelo Presidente da República Federal, pelo Chanceler, por outros membros do Governo Federal nos seus ministérios e por alguns Ministros-Presidentes dos Estados Federais. Länder e pelos presidentes de câmara. 

Os Três Reis Magos

O número três dos Reis Magos refere-se ao presente de ouro, incenso e mirra que os Reis Magos ofereceram ao Menino Jesus em Belém.

Por volta do século VI, aparecem, por exemplo, na basílica de Sant' Apollinare Nuovo, em Ravena, com os três nomes clássicos: Balthasar, Melchior, Gaspar; têm traços orientais, acentuados pelo barrete frígio.

Já aqui existe uma certa diferenciação de idades. No entanto, desde Bede Venerável (séc. VIII), considera-se que simbolizam as três idades do homem, bem como os três continentes conhecidos até então: o mais velho, a Ásia; o de meia-idade, a Europa; o mais novo, a África, embora este último, na história da Arte, só seja representado como negro por volta do séc. XVI.

Embora até há pouco tempo, um dos "sábios" pintasse a cara de preto, como consequência da cultura acordouEsta prática praticamente desapareceu. No entanto, este ano, as declarações da teóloga protestante Sarah Vecera causaram grande agitação na Alemanha: "Para os negros, é doloroso que a negritude seja vista como um disfarce e que os brancos pintem a cara de preto", afirmou numa entrevista ao "Evangelischer Pressedienst (epd)".

Sebastian Ostritsch respondeu a isto no "Die Tagespost": "Descrever a representação de um rei negro a prestar homenagem a Cristo e a distribuir bênçãos às famílias como 'blackfacing' não faz sentido por razões históricas e culturais, bem como teológicas. Histórica e culturalmente falando, 'blackfacing' refere-se aos 'minstrel shows' do século XIX nos Estados Unidos. Nesta forma de teatro, popular na época, os negros eram retratados pelos brancos de uma forma que não era propriamente lisonjeira e carregada de estereótipos negativos. No entanto, o negro entre os Magos é colocado num contexto completamente diferente: não se trata de ridicularizar os negros, mas antes pelo contrário (...) A diversidade dos Magos, que se manifesta também na cor da sua pele, torna claro que todos os povos, sem exceção, são convidados a aproximar-se do Salvador. Enquanto a cultura acordou prega a "diversidade", na realidade só promove um igualitarismo destrutivo. Pelo contrário, os Sternsingers revelam a gloriosa unidade na diversidade que podemos encontrar em Cristo".

Em 2015, os Sternsingers foram incluídos na lista do património cultural imaterial da Alemanha.

Leia mais
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.