Estados Unidos da América

Mês do Respeito pela Vida: viver a solidariedade radical

O presidente do Comité de Actividades Pró-Vida da USCCB emitiu uma declaração sobre o Mês do Respeito pela Vida. Apela à "solidariedade radical" com as mães e os bebés necessitados.

Jennifer Elizabeth Terranova-27 de setembro de 2023-Tempo de leitura: 4 acta
Mês do respeito pela vida

Cartaz com slogan do Mês do Respeito à Vida 2022 (Foto CNS / Conferência dos Bispos Católicos dos EUA)

Em 18 de setembro de 2023, o Bispo Michael B. Burbidge de Arlington, presidente do Comité de Actividades Pró-Vida da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB), emitiu uma declaração sobre o Mês do Respeito pela Vida: "Viver a Solidariedade Radical". Nela, convida todos os católicos a comemorar o 50º aniversário do "Mês do Respeito pela Vida" e apela a uma "solidariedade radical" com as mães e os bebés necessitados.

Em 1973, o Supremo Tribunal legalizou o aborto em todo o país no caso Roe v. Wade e, desde então, o mês de outubro tem sido reservado pelos bispos dos EUA como "um tempo para nos concentrarmos na proteção do precioso dom de Deus da vida humana". O Bispo Burbidge recordou aos fiéis que, apesar de Roe v. Wade ter terminado, os católicos estão demasiado conscientes de que o aborto continua na maioria dos estados e "é agressivamente promovido a nível federal". Mas continuamos a precisar desesperadamente de "...muitas orações, sacrifícios e boas obras para transformar uma cultura de morte numa cultura de vida". O Presidente do Parlamento Europeu encorajou-nos a continuar a defender e a marchar, mas disse que é preciso mais, uma vez que "só as leis" não acabarão com os horrores do aborto.

Acabar com o aborto legalizado é primordial e uma prioridade máxima; no entanto, a coisa mais imediata que os católicos podem fazer é "rodear completamente as mães em necessidade com apoio vital e acompanhamento pessoal", escreveu o Bispo Burbidge. Esse acompanhamento e apoio podem salvar os bebés e as suas mães do aborto.

No documento, cita São João Paulo II e como o nosso Santo Padre definiu pela primeira vez a "solidariedade radical": "Rejeitando firmemente a 'pro-choice', é necessário tornar-se corajosamente 'pro-woman', promovendo uma escolha verdadeiramente a favor das mulheres... A única posição honesta, nestes casos, é a da solidariedade radical com as mulheres. Não é correto deixá-la sozinha.

O Papa Francisco também nos lembra que a solidariedade não é "alguns actos esporádicos de generosidade. Implica a criação de uma nova mentalidade". Temos de pôr as necessidades das mães vulneráveis e dos bebés por nascer à frente das nossas, e é isso que significa ser "radicalmente solidário" com as mulheres que estão grávidas ou a criar filhos com poucos ou nenhuns recursos. E temos de transformar os nossos próprios corações e pôr o amor em ação. O Santo Padre disse que esta nova mentalidade significa "enfrentar os desafios fundamentais que levam uma mãe expetante a acreditar que é incapaz de acolher a criança que Deus lhe confiou".

A declaração sugere também que nos unamos no seio das nossas comunidades locais, dioceses, paróquias e escolas em esforços mútuos para prosseguir políticas que respondam às necessidades emocionais, espirituais e outras destas mulheres e crianças. Para além disso, o Bispo Burbidge encoraja os católicos a ultrapassarem "o status quo e a saírem das nossas zonas de conforto. Sabemos que somos sempre melhores juntos do que sozinhos.

Como ajudar?

"Caminhar com as mães necessitadasA "iniciativa paroquial é uma excelente forma de ajudar a "transformar as paróquias em locais de acolhimento, apoio e assistência a mães grávidas e mães que enfrentam dificuldades". E as recompensas são divinais!

Embora muitos tenham sentido o "chamamento" para servir as suas comunidades locais, sentem-se sobrecarregados por empregos exigentes, responsabilidades familiares e desafios de arranque. Felizmente, Deus Todo-Poderoso encontra sempre uma forma de os seus discípulos executarem o seu plano.

Depois de assistir a uma sessão de informação na sua igreja, Melissa, uma mãe trabalhadora com três filhos pequenos, sentiu "o chamamento do Senhor" quando se ofereceu para ser a coordenadora do ministério Walking with Moms in Need. Atualmente, a sua paróquia organiza uma vez por mês os "Hands Up Days", que permitem às famílias carenciadas "fazer compras grátis" de bens de primeira necessidade doados pelos paroquianos.

Melissa é uma inspiração para todos os que querem ajudar. Ela diz: "Penso que, durante demasiado tempo, nos sentimos à vontade para deixar o trabalho de acompanhamento de mulheres em situações de crise - grávidas ou com filhos - a outros nos sectores não lucrativos e governamentais. O Evangelho é muito claro quando diz que este é o nosso trabalho - de todos nós!

Sensibilização e oração

Há muitos recursos e informações sobre como se envolver. No sítio Web das Actividades Pró-Vida da USCCB, pode escolher como quer ajudar. Dois dos quatro pilares que mencionam são a consciencialização e a oração. Sabemos que quando batemos, Ele abre as portas, por isso inscreva-se na "Novena dos 9 Dias pela Vida". Trata-se de uma oração anual pela proteção da vida humana. A intenção de cada dia é acompanhada por uma breve reflexão, conselhos e uma ação recomendada para "ajudar a construir uma cultura da vida".

As mulheres grávidas enfrentam uma série de desafios, mas muitas das que estão a pensar em abortar têm problemas financeiros que podem parecer insuperáveis e que, muitas vezes, influenciam as suas decisões. Mas "Deus deu a cada um de nós dons particulares e, com esses dons, confia-nos um papel e um dever no Corpo de Cristo. .... Se pudermos aliviar um pouco a carga, que diferença pode fazer: é literalmente a vida ou a morte", escreveu o Bispo Burbidge.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.