Mundo

"O que mudou a minha vida na JMJ foi o encontro com Cristo".

As Jornadas Mundiais da Juventude, o encontro do Papa com milhares de jovens de todo o mundo, estão a aproximar-se e este ano terão lugar em Lisboa, de 1 a 6 de agosto. A Omnes entrevistou alguns dos jovens participantes para saber quais as suas expectativas e experiências em JMJ anteriores.

Loreto Rios-30 de julho de 2023-Tempo de leitura: 4 acta

JMJ Lisboa ©️ Duarte de Mourão : JMJ Lisboa 2023

Luis vive em Madrid e faz parte da equipa que organiza a peregrinação dos Cursilhos de Cristandade. Nesta entrevista ao Omnes, fala-nos da sua experiência nas anteriores JMJ e de como se está a preparar para Lisboa 2023.

Já participou numa JMJ e qual foi a sua experiência?

Já participei em 3 JMJ. A primeira e a que mais me marcou foi a de Colónia 2005, na Alemanha. Eu tinha 16 anos e tinha acabado de fazer 16 anos. Fui às JMJ porque era cristão e achei que era uma coisa boa poder ir a um encontro da Igreja e ouvir o Papa.

O nosso entrevistado, Luis

Além disso, nessa altura, quando era adolescente, tinha muitas dúvidas sobre a minha fé. Acreditava e queria continuar a acreditar, mas era afetado pelo ambiente, na escola e na minha equipa de futebol, de crítica contínua à Igreja. Há outras realidades em que nem se pode tocar, mas parece que é bem visto que toda a gente critica a Igreja. Tudo isso me afectou e me fez ter dúvidas.

Queria continuar a acreditar porque precisava que o amor de Deus fosse real, mas não podia acreditar só por acreditar, tinha de ser verdade. Surgiu a possibilidade de ir às JMJ e eu fui. O primeiro ponto alto das JMJ foi a catequese dos bispos. Fiquei muito impressionada porque os bispos, que são tão criticados, falaram-nos do amor de Deus, mas também do que é ser homem e mulher, da vida, da alegria... e descobri que ninguém o tinha feito até agora com tanta beleza e profundidade como eles.

Mas isso não foi o mais importante. O que mudou a minha vida nessa JMJ foi ter tido um encontro pessoal com Cristo. Eu não sabia que isso estava a acontecer, se me tivessem contado não sei que cara teria, mas a verdade é que aconteceu. Não foi num momento de oração, foi no final. Há sempre uma grande concentração numa grande esplanada com todos os peregrinos juntos, onde à noite há uma vigília de oração com catequese e exposição do Santíssimo Sacramento, e no dia seguinte é a missa final de envio. Durante o dia, os peregrinos chegam ao ponto de encontro da vigília.

Estávamos a caminhar de manhã pelo campo, conversávamos e, nesse momento, experimentei um amor imenso que me atravessou o coração e me encheu de uma alegria que eu nem sabia que existia e, ao mesmo tempo, de uma grande paz. Não sei explicar de outra forma, mas no meu coração tive a certeza de dizer: "É Jesus". Não sei como explicar melhor. Desde criança que me ensinaram a fé e que o mais importante é que Cristo está vivo e ressuscitou, e de repente não era algo que eu soubesse, mas estava a sentir o seu amor, sentia-me conhecida até ao fundo e profundamente amada.

Muitos anos se passaram desde então e tenho a certeza de que não há amor, nem eu o conheço, nem nunca o conhecerei, tão profundo e belo como aquele. Ninguém acaricia o coração como Jesus. Foi isso que mudou a minha vida para sempre, e foi na Igreja que encontrei Jesus vivo. Foi isso que eu levei da minha primeira JMJ.

Depois estive mais tarde em Madrid em 2011 e no Rio de Janeiro em 2013, e em todos eles foi importante ter encontros significativos de Igreja e de oração com o Senhor, mas para mim o mais importante foi o primeiro, o de Colónia.

Quais são as suas expectativas para a JMJ Lisboa 2023?

Não quero ter quaisquer expectativas. Depois desse primeiro encontro, fui a dois, como já disse, e ambos foram muito bons, mas fui sempre sem expectativas. Fui para desfrutar desses dias e para ajudar o grupo que me acompanhava a criar um bom ambiente. Sei que me encontrei com o Senhor e, na medida do possível, quero ajudar outros a encontrá-lo, embora isso seja tarefa d'Ele.

Até agora fui sempre com paróquias, mas desta vez faço parte da equipa que ajuda a coordenar o grupo de Cursilhos de Cristandade em Madrid. Temos mais de 150 pessoas e também nos juntámos a uma paróquia, no total vamos ser quase 200. Por isso, por um lado, vou ajudar na coordenação, mas também vou acompanhar as pessoas que se inscreveram. Estou ansioso e sereno. A palavra não é "expetativa", mas estar aberto ao que Deus quer para mim e para os outros que vão.

Como está a preparar-se para esta peregrinação?

A nível logístico, dependemos dos Deleju (Delegação da Juventude), que actua como intermediário entre todos os grupos que acompanham a Deleju e a própria organização da JMJ.

Na equipa do Cursilho preparámos a catequese em equipa, embora uma pessoa seja designada para dar a catequese. Para além da oração e da catequese, haverá também tempo para relaxar e divertir-se.

É claro que, para além da logística e da catequese, há também o trabalho de rezar pela peregrinação. Há já algum tempo que o fazemos. Concretamente, os membros da equipa organizadora têm a lista das pessoas que se inscreveram e rezam individualmente por todas as pessoas que vão e também pela equipa, para que sejamos facilitadores do encontro com Deus e não obstáculos.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.