América Latina

Koki Ruiz, autor do retrato de Chiquitunga

Omnes-15 de Junho de 2018-Tempo de leitura: 3 acta

A artista Koki Ruiz trabalha no retrato de Chiquitunga que será exposto na sua beatificação. Um retrato feito com rosários. O Papa Francisco doou o terço que usou no Paraguai.

Texto - Federico Mernes, Asunción (Paraguai)

O nome de Koki Ruiz e o seu trabalho estão ligados ao resgate cultural da bela tradição religiosa da Semana Santa na aldeia de Tañarandy, em San Ignacio Misiones, Paraguai. Uma terra evangelizada desde os tempos antigos pelos missionários jesuítas na sua extraordinária experiência da era colonial na América do Sul.

A criatividade de Koki Ruiz e o trabalho árduo com a comunidade onde vive, no interior da nação Guarani, transformou aquela região numa atracção turística, onde todos os anos milhares de pessoas vêm em peregrinação para ver as representações da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Ele está agora a trabalhar num retrato dedicado a ChiquitungaMaría Felicia de Jesús Sacramentado, a futura primeira beata paraguaia, que será exibida junto ao altar na cerimónia de beatificação, que terá lugar a 23 de Junho no estádio do Cerro Porteño.

Koki Ruiz foi o autor do famoso retábulo que despertou a admiração dos peregrinos durante a visita do Papa Francisco ao Paraguai em Julho de 2015. O retábulo preparado por Koki para a missa desse domingo 12 de Julho em Ñu Guasu (Campo Grande, em Guarani) tinha uma base de 40 metros por cerca de 20 metros de altura e foi decorado com produtos agrícolas do país. Foram utilizadas 32.000 espigas de milho, 200.000 cocos e 1.000 abóboras.

Mensagens nos cocos

Além disso, todas as pessoas que vieram dias antes da missa tiveram a oportunidade de escrever mensagens sobre os cocos no altar. Muitos destes pedidos foram para a beatificação de Chiquitunga, a amada irmã Carmelita, cujo cérebro está incorrupto e a quem muitos paraguaios têm grande devoção. O artista começa por salientar que "Tañarandy começou como arte criativa em 1992 e agora o que ela procura é alcançar a piedade popular... Anteriormente, temas ideológicos eram discutidos e o marxismo, a teologia da libertação eram misturados com a religião... O padre diria: se isso faz de si uma pessoa melhor, é bom para si. Mas hoje, o que eles querem expressar é religiosidade, que é acreditar por acreditar sem qualquer necessidade de reflexão. Preocupa-me que Tañarandy seja vivida espiritualmente e que não seja apenas uma questão de turismo... A piedade popular é transmitida de pais para filhos e netos, e é disso que temos de nos ocupar.".

Foi assim que ele conheceu a freira carmelita

Está agora a trabalhar no retrato de Chiquitunga, que é feito a partir de rosários. "O meu primeiro contacto com Chiquitunga foi uma senhora muito dedicada a ela. Quando eu estava a fazer o retábulo do Papa, ela veio para pôr nomes nos cocos de 20.000 pessoas, escreveu e tivemos de fechar e continuou a escrever e a pedir a beatificação de Chiquitunga; no final, deu-me dois livros de Chiquitunga que eu guardei.

Depois chamaram-me dos Carmelitas pedindo-me para fazer algo pela beatificação, lembrei-me desses dois momentos: a senhora que estava a escrever e a freira que queria beijar-me a mão. Li os livros e isso causou-me impacto, apaixonei-me por Chiquitunga, a sublimidade desse amor, ela tornou-se muito próxima de mim. Li os seus diários íntimos e essa dedicação a rezar sempre pelos outros e por vezes esse diálogo com Deus de "ainda o amo, mas dou tudo a Deus", é a dedicação, é passar por esse amor humano e torná-lo mais sublime para Ele, para Deus, e foi assim que me apaixonei por Chiquitunga.".

Atrás de cada rosário, uma história

"Por detrás de cada rosário há muita história."acrescenta o artista.Lembro-me de alguém que, quando trouxe o seu terço, disse que este rosário salvou duas vidas: a da minha mulher que tinha cancro e a minha, que se a minha mulher morresse, eu morreria. A minha filha morreu há 20 anos e eu pedi Chiquitunga, mas ela não se foi embora, abraça-me sempre, e ela veio com vários amigos para fazer 700 rosários.".

"Em Tañarandy, a celebração da Semana Santa deste ano em torno de Chiquitunga foi mais espiritual.", comenta Koki Ruiz. "As pessoas vieram à procura de algo e pedem algo. Chiquitunga era um instrumento de Deus para aproximar as pessoas de Deus. Lembro-me de a minha mãe me dizer uma vez quando era o segundo ano de TañarandyTem muito talento, que é um dom de Deus e o perigo é a vaidade. A sua oração diária deve ser uma oração de humildade.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.