Cultura

A Obra Piedosa. Presença espanhola em Roma

A Espanha está institucionalmente presente em Roma desde o século XI, e esta presença não tem faltado desde então; hoje é representada pela chamada Obra Pia.

Stefano Grossi Gondi-30 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
trabalho piedoso

Foto: Edifício Obra Pia em Roma.

A cidade de Roma tem uma longa tradição de acolhimento de instituições representativas dos países europeus. Ao longo dos séculos, a cidade do Papa tem sido uma capital mundial entre o político e o religioso, um verdadeiro ponto de referência para uma longa série de gerações; assim, instituições que constituíram uma presença nacional, expressa pelos governos da época, na sua maioria de natureza monárquica, vieram para cá.

A Espanha está institucionalmente presente em Roma desde o século XI, e esta presença não tem faltado desde então; hoje é representada pelos chamados Obra Pia Stabilimenti Spagnoli em Itália. Assim, temos uma organização privada sem fins lucrativos com sede em Roma, que desenvolve iniciativas sociais, culturais, artísticas e de protecção e conservação do património. É confiada à Embaixada de Espanha junto da Santa Sé e funciona sob "protecção diplomática".

História da Obra Piedosa

Começou no século XI na época da Ópera Pia de Castela; fundou uma igreja de Santiago junto ao Coliseu, que no início do século XIV (a direcção tinha passado para a Ópera Pia de Aragão) foi incorporada em São João de Latrão. Esta igreja sobreviveu até 1815, quando foi demolida. Esta presença em Roma teve origem numa série de disposições testamentárias e contribuições fundadoras de cidadãos e entidades espanholas que, por razões religiosas, caritativas e de bem-estar, assistiram a estas Tartes Opere. 

No século XV, a igreja de Nossa Senhora do Sagrado Coração foi construída no centro da cidade, na Piazza Navona, por iniciativa de Don Alfonso de Paradinas, cônego da Catedral de Sevilha, que mandou reconstruir completamente o edifício às suas próprias custas. Durante séculos foi a vitrina da presença espanhola na cidade papal, até que em 1818 esta igreja foi abandonada pelos espanhóis, que se estabeleceram em Santa Maria de Monserrat, hoje Igreja Nacional de Espanha.

Estrutura da instituição

A presidência, representação legal e gestão da Ópera Pia Stabilimenti Spagnoli In Italia são da responsabilidade do Embaixador de Espanha junto da Santa Sé, que actua sob o título de Governador da Ópera Pia. 

Como órgão colegial de governo e administração, existe um Conselho, composto pelo Governador como Presidente, o Ministro Conselheiro como Vice-Presidente e cinco membros: o Reitor da Igreja Nacional de Santiago e Montserrat, o Reitor de San Pietro em Montorio, dois espanhóis residentes em Roma, nomeados pelo Conselho sob proposta do Governador, e um diplomata da Embaixada de Espanha junto da Santa Sé, que actua como Secretário. Todos os membros devem ser espanhóis e ocupar o seu cargo de forma honorária e gratuita.

As actividades de hoje

Actualmente, a Obra Pía é responsável pelo apoio da Igreja Nacional de Santiago e Montserrat, as tarefas eclesiásticas inerentes à mesma e as actividades culturais do seu Centro de Estudos Eclesiásticos anexo. É também responsável pelo Panteão dos espanhóis no cemitério de Roma e assegura o cumprimento dos diferentes objectivos fundamentais, religiosos, caritativos ou de bem-estar das obras piedosas que o geraram.

Ao mesmo tempo, é responsável pelo estudo da possível ajuda à actividade religiosa de San Pietro em Montorio. Esta igreja situa-se no que no século XV era um grupo de terras e pomares comprados pelo rei Fernando o católico e sobre os quais foi construído um pequeno convento, tradicionalmente confiado à ordem franciscana, e a igreja, que ainda está aberta ao culto. Num dos seus claustros encontra-se o famoso templete de Bramante, considerado o manifesto arquitectónico do classicismo renascentista.

Cuidados de saúde

Durante vários séculos, as actividades religiosas foram acompanhadas por iniciativas sanitárias, inicialmente destinadas a pessoas de nacionalidade espanhola, depois a Ópera Pia desenvolveu as suas iniciativas noutros locais em Roma, Palermo, Nápoles, Assis, Turim e Loreto. Hoje, graças ao apoio de um património histórico, é capaz de satisfazer as necessidades de muitos idosos e famílias em emergência social através do trabalho das Irmãs da Cruz de Roma, uma instituição fundada por Santa Ângela da Cruz em 1875.

Também apoia ordens religiosas que promovem o trabalho das mulheres na sociedade, como as Irmãs Teresianas de Palermo, uma instituição fundada por San Antonio Poveda em 1911, bem como promove várias iniciativas culturais (concertos, exposições, publicação de revistas, etc.). .) e a conservação do património histórico, através do desenvolvimento de projectos de restauro. A Ópera Pia colabora com as Irmãzinhas dos Idosos Sem-Abrigo na construção de um edifício que albergará uma residência para 50 mulheres idosas e o principal centro da Ordem na Santa Sé.

Ajuda às famílias em situações de emergência social

Também através do apoio directo das Irmãs da Companhia da Cruz, a Opera Pia apoia as necessidades de 150 famílias em Roma, famílias em situações de emergência social, pobreza extrema ou doença, apoiando várias causas sociais para os idosos e os jovens.

O autorStefano Grossi Gondi

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.