Vaticano

Francisco reza pelo "silêncio feito oração" na vigília ecuménica pré-sinodal

Na véspera da Assembleia Sinodal que se inicia a 4 de outubro, o Santo Padre apelou ontem a um "silêncio feito oração" num encontro ecuménico na Praça de São Pedro, no qual participaram, entre outros líderes religiosos, Bartolomeu I, Patriarca Ecuménico de Constantinopla, e o Arcebispo Justin Welby, Primaz da Igreja Anglicana.

Francisco Otamendi-1 de outubro de 2023-Tempo de leitura: 5 acta
vigília sinodal

Foto: Papa Francisco, o Patriarca Ecuménico Ortodoxo Bartolomeu de Constantinopla, o Arcebispo Anglicano de Cantuária, o Secretário-Geral da Federação Luterana Mundial e outros representantes religiosos. ©CNS photo/Lola Gomez

O líder da Igreja Católica, o Papa Francisco, presidiu ao encontro ecuménico "Juntos", ontem à noite, em Roma, na véspera da 16ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que se realizará de 4 a 29 de outubro de 2023, com o tema "Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Partilha e Missão".

A reflexão do Papa incidiu sobre "a importância do silêncio na vida do crente, na vida da Igreja e no caminho da unidade dos cristãos", horas antes de os participantes no Sínodo iniciarem um retiro espiritual de três dias, até 3 de outubro.

Foi assim que o Papa começou a sua homilia. "Juntos. "Juntos". Como a comunidade cristã primitiva no dia de Pentecostes. Como um só rebanho, amado e reunido por um só Pastor, Jesus. Como a grande multidão do Apocalipse, aqui estamos nós, irmãos e irmãs "de todas as nações, tribos, povos e línguas" (Ap 7,9), vindos de diferentes comunidades e países, filhas e filhos do mesmo Pai, animados pelo Espírito recebido no Batismo, chamados à mesma esperança (Ef 4,4-5)".

"Num mundo cheio de barulho", sublinhou o Santo Padre, "já não estamos habituados ao silêncio, aliás, por vezes é-nos difícil de suportar, porque nos confronta com Deus e connosco próprios. Mas ele é o fundamento da palavra e da vida. 

"O silêncio é importante".

De facto, "como a grande multidão do Apocalipse, rezamos em silêncio, escutando um "grande silêncio" (cf. Ap 8, 1). E o silêncio é importante, é poderosa: pode exprimir uma dor indizível perante a desgraça, mas também, nos momentos de alegria, uma alegria que transcende as palavras".

O Sucessor de Pedro agradeceu a presença de todos, "obrigado à Comunidade de Taizé por esta iniciativa. Saúdo com grande afeto os chefes das Igrejas, os responsáveis e as delegações das diferentes tradições cristãs, e saúdo todos vós, especialmente os jovens: obrigado! 

"Obrigado por terdes vindo rezar por nós e connosco em Roma, antes da Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, na véspera dos Exercícios Espirituais que a precedem. "Syn-odos": caminhemos juntos, não só os católicos, mas todos os cristãos, todo o povo dos baptizados, todo o povo de Deus, porque "só o todo pode ser a unidade de todos" (J.A. Möhler).

Deus fala no "sussurro

Sobre o silêncio na vida do crente, o Papa assinalou, entre outras coisas, que "está no início e no fim da existência terrena de Cristo. O Verbo, a Palavra do Pai, fez-se "silêncio" na manjedoura e na cruz, na noite da Natividade e na noite da Páscoa. Esta noite nós, cristãos, permanecemos em silêncio diante do crucifixo de São Damião, como discípulos que escutam diante da cruz, que é a sede do Mestre. O nosso silêncio não foi um silêncio vazio, mas um momento cheio de expetativa e de disponibilidade".

"A verdade", acrescentou o Santo Padre, "não precisa de gritos violentos para chegar ao coração dos homens. Deus não gosta de proclamações e de clamores, de tagarelice e de barulho: Deus prefere antes, como preferiu com Elias, falar no "sussurro de uma brisa suave" (1Rs 19,12), num "sonoro fio de silêncio". E assim também nós, como Abraão, como Elias, como Maria, precisamos de nos libertar de tanto ruído para ouvir a sua voz. Porque só no nosso silêncio é que ressoa a sua Palavra".

Na vida da Igreja, "escutar o Espírito".

Em segundo lugar, o silêncio é essencial na vida da Igreja, continuou o Romano Pontífice. "Os Actos dos Apóstolos dizem que, depois do discurso de Pedro no Concílio de Jerusalém, "toda a assembleia se calou" (Act 15, 12), preparando-se para aceitar o testemunho de Paulo e Barnabé sobre os sinais e as maravilhas que Deus tinha feito entre as nações.

"E isto recorda-nos que o silêncio, na comunidade eclesial, torna possível a comunicação fraterna, na qual o Espírito Santo harmoniza os pontos de vista, porque Ele é harmonia", continuou o Papa. "Ser sinodal significa acolhermo-nos assim, sabendo que todos temos algo a testemunhar e a aprender, escutando juntos o 'Espírito da verdade' (Jo 14,17) para saber o que Ele 'diz às Igrejas' (Ap 2,7)."

Por fim, "é precisamente o silêncio que permite o discernimento, através da escuta atenta dos "gemidos inefáveis" (Rm 8, 26) do Espírito que ressoam, muitas vezes escondidos, no Povo de Deus. Peçamos, pois, ao Espírito o dom da escuta para os participantes no Sínodo" (Discurso por ocasião da Vigília de Oração em preparação do Sínodo sobre a Família, 4 de outubro de 2014).

Pela unidade dos cristãos

Em terceiro lugar, Francisco sublinhou que "o silêncio é essencial no caminho da unidade dos cristãos. De facto, é fundamental para a oração, da qual o ecumenismo parte e sem a qual é estéril.

"Jesus rezou para que os seus discípulos "sejam um" (Jo 17,21). O silêncio feito oração permite-nos acolher o dom da unidade "como Cristo quer", "pelos meios que Ele quer" (P. Couturier), não como fruto autónomo dos nossos esforços e segundo critérios puramente humanos".

A unidade dos cristãos "cresce no silêncio diante da cruz, tal como a cruz, tal como as sementes que receberemos e que representam os diversos dons concedidos pelo Espírito Santo às várias tradições: cabe-nos a nós semeá-las, na certeza de que só Deus as faz crescer (cf. 1 Cor 3, 6)", acrescentou o Santo Padre.

"Adorar juntos em silêncio".

Por esta razão, encorajou Francisco no final do seu discurso, "pedimos, no oração Pedimos que o Sínodo seja um "kairós" de fraternidade, um lugar onde o Espírito Santo purifique a Igreja de falatórios, ideologias e polarizações. Pedimos que o Sínodo seja um "kairós" de fraternidade, um lugar onde o Espírito Santo purifique a Igreja de falatórios, ideologias e polarizações". 

"Enquanto nos aproximamos do importante aniversário do grande Concílio de Niceia", concluiu o Papa, "rezemos para que saibamos adorar unidos e em silêncio, como os Magos, o mistério de Deus feito homem, certos de que quanto mais próximos estivermos de Cristo, mais unidos estaremos uns com os outros. E como os Magos do Oriente foram conduzidos a Belém por uma estrela, que a luz celeste nos guie até ao único Senhor e à unidade pela qual Ele rezou. Irmãos e irmãs, ponhamo-nos a caminho juntos, desejosos de O encontrar, de O adorar e de O anunciar "para que o mundo creia" (Jo 17,21).

Oração de encerramento pelos líderes da igreja presentes

(Vigília Ecuménica "Juntos")

"Deus, nosso Pai, agradecemos-Te por todos os teus dons, especialmente pelo dom da

Admiremos a vossa criação, cuidemos dela e caminhemos juntos

como irmãos e irmãs em paz!

Jesus, o Cristo, nós vos agradecemos por terdes dado a vossa vida até à cruz. Pela vossa

Ressurreição, tu és a fonte da vida em abundância. Que possamos acolher-te e seguir-te em

serviço aos outros!

Espírito Santo, sopro do Pentecostes, tu nos envias a anunciar Cristo e a

acolher nas nossas comunidades aqueles que ainda não o conhecem. Desce, desce

Rezamos pelos participantes no Sínodo e por todos os presentes,

enchendo-os com a vossa sabedoria e coragem para serem servidores da comunhão e

Testemunhas corajosas do teu perdão no mundo de hoje.

Assembleia: Ámen!

Antes das palavras do Papa, vários jovens de diferentes continentes falaram da sua experiência do caminho sinodal: Emile do Líbano, Agata da Indonésia e Tilen da Eslovénia, entre outros.

O autorFrancisco Otamendi

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.