Vaticano

"Fidelidade criativa", o apelo do Papa Francisco aos novos cardeais

O Papa Francisco disse hoje em São Pedro, no consistório para a criação de 21 novos cardeais da Igreja Católica, que "o Pentecostes - como o batismo de cada um de nós - não é um acontecimento do passado" e que "a Igreja - e cada um dos seus membros - vive deste mistério sempre presente". Comparou também o Colégio dos Cardeais a uma "orquestra sinfónica e sinodal".

Francisco Otamendi-30 de setembro de 2023-Tempo de leitura: 4 acta
cardeais

Os novos cardeais recitam a profissão de fé e prometem obediência ao Papa antes de receberem o cardinalato. ©CNS photo/Vatican Media

No nono consistório público do Papa Francisco, realizado num dia ensolarado no átrio da Basílica de São Pedro, em Roma, elevando o número de cardeais para 242, dos quais 137 serão eleitores num futuro conclave, o Santo Padre reflectiu sobre a situação atual do Pentecostes na Igreja, no contexto do próximo Sínodo que terá início a 4 de outubro. 

A cerimónia de entrega do biretta do cardeal ao 21 novos cardeaisA cerimónia, da qual 18 têm menos de 80 anos e, portanto, já são eleitores, começou às 10 horas e contou com a presença de autoridades, diplomatas, cardeais, arcebispos, bispos, padres e religiosos de todo o mundo, bem como de numerosos fiéis dos países de origem dos novos cardeais. 

Após a leitura do trecho dos Actos dos Apóstolos (12,1-11), escolhido pelo Papa, o Romano Pontífice declarou que "o Pentecostes - como o batismo de cada um de nós - não é um acontecimento do passado, é um ato criativo que Deus renova continuamente. A Igreja - e cada um dos seus membros - vive deste mistério sempre atual. Não vive "de rendas", não, nem vive de um património arqueológico, por mais valioso e nobre que seja. A Igreja - e cada batizado - vive do presente de Deus, pela ação do Espírito Santo. O ato que estamos a realizar aqui agora também tem sentido se o vivermos nesta perspetiva de fé".

Vocação e missão

"E hoje, à luz da Palavra, podemos compreender esta realidade: vós, novos Cardeais, viestes de diferentes partes do mundo e o mesmo Espírito Santo que tornou fecunda a evangelização dos vossos povos renova agora em vós a vossa vocação e missão na Igreja e para a Igreja", sublinhou o Santo Padre.

Pouco antes, Francisco tinha-lhes recordado: "Não vos esqueçais disto: a fé é transmitida em dialeto, pelas mães e avós. De facto, somos evangelizadores na medida em que conservamos no nosso coração a maravilha e a gratidão de termos sido evangelizados; aliás, de sermos evangelizados, porque na realidade é um dom sempre presente, que precisa de ser continuamente renovado na memória e na fé. Evangelizadores que são evangelizados e não funcionários".

Sinfonia e sinodalidade da Igreja

A partir desta reflexão, "gostaria simplesmente de tirar uma consequência para vós, meus irmãos cardeais, e para o vosso Colégio", continuou o Papa. "E gostaria de a exprimir com uma imagem, a da orquestra.

"O Colégio Cardinalício é chamado a ser como uma orquestra sinfónica, representando a sinfonia e a sinodalidade da Igreja. Digo "sinodalidade" não só porque estamos em vésperas da primeira Assembleia do Sínodo que tem precisamente este tema, mas porque me parece que a metáfora da orquestra pode iluminar bem o carácter sinodal da Igreja".

Escuta recíproca e fidelidade criativa

Uma sinfonia ganha vida a partir da sábia composição dos sons dos diferentes instrumentos, observou o Papa. "Cada um dá o seu contributo, por vezes sozinho, por vezes em conjunto com outro, por vezes com todo o conjunto. A diversidade é necessária, é indispensável. Mas cada som deve contribuir para o projeto comum". 

"E para isso, a escuta recíproca é fundamental. Cada músico deve ouvir os outros. Se cada um ouvir apenas a si próprio, por mais sublime que seja o seu som, não beneficiará a sinfonia; e seria o mesmo se uma secção da orquestra não ouvisse as outras, mas soasse como se estivesse sozinha, como se fosse o todo". 

"O maestro da orquestra está ao serviço desta espécie de milagre que cada execução de uma sinfonia representa. Ele deve ouvir mais do que todos os outros", acrescentou o Papa Francisco, "e ao mesmo tempo a sua tarefa é ajudar cada um e toda a orquestra a desenvolver ao máximo a sua fidelidade criativa, fidelidade à obra que está a ser executada, mas criativa, capaz de dar uma alma a essa partitura, de a fazer soar no aqui e agora de uma forma única".

Espírito Santo, mestre do caminhar juntos

O Santo Padre prosseguiu afirmando que "é bom para nós refletir sobre a imagem da orquestra, para aprendermos cada vez melhor a ser uma Igreja sinfónica e sinodal. Proponho-o em particular a vós, membros do Colégio Cardinalício, na confiança reconfortante de que temos o Espírito Santo como mestre - Ele é o protagonista -: o mestre interior de cada um de nós e o mestre do nosso caminho juntos".

"Ele cria a variedade e a unidade, Ele é a própria harmonia. São Basílio procura uma síntese quando diz: "Ipse harmonia est", Ele é a própria harmonia. Confiamo-nos à sua orientação suave e forte, e à proteção solícita da Virgem Maria", concluiu o Papa.

Os novos cardeais

Os 21 cardeais recém-criados que receberam esta manhã do Papa Francisco a imposição do biretta, a entrega do anel e a atribuição do título ou diaconia são 

- Robert Francis Prevost, O.S.A., Prefeito do Dicastério para os Bispos; 

- Claudio Gugerotti, Prefeito do Dicastério para as Igrejas Orientais; 

- Víctor Manuel Fernández, Prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé; 

- Emil Paul Tscherrig, Núncio Apostólico; 

- Christophe Louis Yves Georges Pierre, Núncio Apostólico; 

- S.B. Pierbattista Pizzaballa, O.F.M., Patriarca Latino de Jerusalém; 

- Stephen Brislin, Arcebispo da Cidade do Cabo (Kaapstad); 

- Ángel Sixto Rossi, S.I., Arcebispo de Córdoba (Argentina);

- Luis José Rueda Aparicio, Arcebispo de Bogotá; 

- Grzegorz Ryś, arcebispo de Łódź; 

- Stephen Ameyu Martin Mulla, Arcebispo de Juba; 

- José Cobo Cano, Arcebispo de Madrid; 

- Protase Rugambwa, Arcebispo Coadjutor de Tabora; 

- Sebastian Francis, Bispo de Penang; 

- Stephen Chow Sau-yan, S.I., Bispo de Hong Kong; 

- François-Xavier Bustillo, O.F.M. Conv., Bispo de Ajaccio; 

- Américo Manuel Alves Aguiar, Bispo Auxiliar de Lisboa; 

- Pe. Ángel Fernández Artime, S.D.B., Reitor-Mor dos Salesianos; 

- Agostino Marchetto, Núncio Apostólico; 

- Diego Rafael Padrón Sánchez, Arcebispo Emérito de Cumaná; 

- Luis Pascual Dri, O.F.M. Cap., confessor no Santuário de Nossa Senhora de Pompeia,

Buenos Aires (que não pôde estar presente na cerimónia).

No início da celebração, o primeiro dos novos cardeais, Robert Francis Prevost, O.S.A., Prefeito do Dicastério para os Bispos, dirigiu um discurso de homenagem e ação de graças ao Papa em nome de todos. 

O autorFrancisco Otamendi

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.