Mundo

"O meu caminho para a Igreja Católica

Gero Pischke relata a sua conversão numa conversa com José M. García Pelegrín em Berlim, Alemanha.

Gero Pischke-2 de Janeiro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
conversão

Foto: Javier Allegue Barros / Unsplash

Nasci em 1961 e cresci perto de Hannover. Ali, a minha mãe juntou-se aos Adventistas do Sétimo Dia no início da década de 1960. Quando os meus pais se divorciaram, a minha mãe mudou-se para a Dinamarca com a minha irmã; eu e o meu pai fomos para Berlim; lembro-me que o ambiente na escola era brutal. Ninguém se preocupava comigo; talvez seja por isso que procurei uma espécie de pais adoptivos entre os adventistas. 

Recebi o baptismo de adulto no Outono de 1982. Cada sábado tínhamos uma hora de oração e uma hora de estudo bíblico, mais a leitura de escritos adventistas, Ellen Gould White e outros. Mais tarde, juntei-me a um subgrupo, a "Adventist Fellowship". Sabbath Rest", também chamado da "Mensagem para o nosso tempo". Mas cedo percebi que quase tudo girava em torno do dinheiro. Uma vez que - ao contrário das igrejas católica e evangélica - não cobram impostos eclesiásticos, têm de recolher donativos. 

Algo que sempre me causou um grande problema é que, com a regeneração que pregam, não consigo obter a libertação do pecado. É claro que Deus perdoa pecados, mas como posso ter a certeza? Eu também não tinha ninguém com quem pudesse falar sobre estas coisas. Além disso, eu estava sozinho, porque era o único membro da seita em Berlim. Muitas coisas foram-me proibidas, tais como ir ao cinema ou comer fora, álcool, fumar... e também fui instruído a limitar o mais possível o contacto com "pessoas do mundo". Num certo momento, de um segundo para o outro, eu rompi com eles. No início dediquei-me - como se costuma dizer - a desfrutar da vida, a fazer tudo o que tinha perdido durante décadas.

O Discurso de Bento XVI ao Bundestag em Setembro de 2011 causou uma profunda impressão em mim. A partir daí, tentei ler tudo o que ele disse. Embora durante alguns anos eu parecesse não ter feito qualquer progresso, senti cada vez mais simpatia pela Igreja Católica. Em 2014, estabeleci o meu próprio negócio com um sócio, em quem inicialmente tinha muita confiança. Mas alguns meses mais tarde, apercebi-me de que o produto que estávamos a vender não era bom, o que me levou quase à ruína. Assim, pus fim a esse trabalho de freelance.

No final de 2014 eu tinha atingido o fundo do poço. Já há algum tempo que participava nas reuniões de um "clube de fumadores"; mas por estar tão desmoralizado, enviei um e-mail para me desculpar de participar numa determinada ocasião; contudo, o organizador telefonou-me e encorajou-me a participar, porque também estávamos a falar de questões de algum significado. Assisti e assim conheci um membro da Igreja Católica que, tanto quanto pude perceber, se caracterizava por uma grande profundidade espiritual. Acabou por ser um membro da prelatura pessoal do Opus Dei. Logo me convidou para assistir a uma Santa Missa. Fui com alguma expectativa; na minha juventude, tinha sido levado a ver na Igreja Católica o "Anticristo".

Não compreendi muito do liturgiaMas eu fiquei impressionado desde o início. O que vi ajudou-me a concentrar: Cristo crucificado, as Estações da Cruz e a Santíssima Virgem Maria fizeram-me perceber que havia ali algo de especial, uma proximidade de Deus como nunca tinha experimentado antes. Pude testemunhar a administração da Sagrada Comunhão: de joelhos e na minha boca - que gesto de humildade! Decidi comprar um livro de catecismo. Li-o e passei-o com a ajuda dos dois sacerdotes do centro do Opus Dei durante dois anos. Através de conversas, participação na Santa Missa e reza do Rosário, conheci a fé católica.

Um passo enorme foi conhecer o sacramento da confissão e, portanto, a certeza do perdão, bem como poder receber o corpo de Cristo de um sacerdote ordenado. Tantas coisas pesavam na minha mente e no meu coração que senti a vontade de me tornar católico. Assim, recebi os sacramentos do Baptismo e da Confirmação em Maio de 2019; desde então tenho continuado a desenvolver-me espiritualmente. Pouco antes disso, já tinha renunciado a alguns pecados que estavam profundamente enraizados em mim há décadas e que não voltei a cometer.

Senti a bênção de Deus, uma graça sem precedentes. "Onde está a tua vitória, a morte, onde está o teu aguilhão? Também rezei muito para obter uma perspectiva profissional, e as minhas orações foram respondidas: lentamente as coisas começaram a melhorar depois de ter mudado o foco da minha actividade como freelancer no final de 2014. Estou tão feliz e contente que não me importo de forma alguma com as acusações que certos meios de comunicação social fazem sobre a Igreja Católica. Há pecados por toda a parte, e já ouvi falar de coisas piores cometidas por outros, mas o único que está a ser perseguido é a Igreja Católica. Dói-me, mas não me faz sentir inseguro por ter tomado a decisão certa.

O autorGero Pischke

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.
Banner publicitário
Banner publicitário