América Latina

A devoção mariana nos Estados Unidos, uma força para a família

Desde que a Virgem Maria apareceu à jovem Adele Brise no Wisconsin em 1959 e lhe pediu para ensinar a fé às crianças, a devoção a Nossa Senhora espalhou-se por todos os Estados Unidos. O desafio é sustentar a fé dos jovens e fortalecer as famílias.

Juan Vélez-5 de Dezembro de 2017-Tempo de leitura: 5 acta
Procissão de Nossa Senhora da Boa Ajuda na Baía Verde.

O amor e a devoção à Virgem Maria é uma parte integrante da nossa fé cristã. Esta história é uma tentativa de dar uma visão geral da devoção mariana nos Estados Unidos (EUA). Há dois anos, um padre amigo meu disse-me que ia em peregrinação a pé a um santuário mariano. Pensei que estava a falar do México, mas ele surpreendeu-me ao dizer-me que ele e vinte pessoas da sua paróquia estavam a caminhar 200 milhas até à pequena cidade de Champion, Wisconsin, no norte dos EUA, perto da cidade de Green Bay. Nessa região do país, estabelecida por emigrantes da Bélgica, a Virgem apareceu a uma jovem rapariga, Adele Brise, em Outubro de 1859. 

Na altura, a vasta região no noroeste do Wisconsin era escassamente povoada por camponeses, que apenas tinham um padre itinerante para os ministrar e ensinar. A mensagem de Nossa Senhora era muito simples: ensinar a fé às crianças. A bela Senhora apareceu à jovem rapariga e disse-lhe: "Eu sou a Rainha do Céu... Reunir as crianças neste país selvagem e ensinar-lhes o que precisam de saber para a sua salvação... EnsEnsine-os a usar o o catecismo, como fazer o sinal da cruz e como abordar os sacramentos. É isso que eu quero que faça. Vai e não tenhas medo. Eu ajudo-o. Adele começou a catequizar as crianças, indo de casa em casa ao longo da península da Baía Verde. Eventualmente, fundou uma comunidade religiosa dedicada a Nossa Senhora da Boa Ajuda, e fundou uma escola que contribuiu para a formação cristã das crianças e famílias da região. 

Em 2010, David Ricken, Bispo da Diocese de Green Bay, deu o reconhecimento oficial da Igreja a estas aparições de Nossa Senhora. Hoje, muitas pessoas vão a este santuário, o único nos EUA onde Nossa Senhora apareceu, para a honrar e pedir a sua ajuda.

A fé católica é cristocêntrica. A estreita relação entre Jesus e a sua Mãe, e a eficácia da devoção a ela, é verificada dia após dia pela adoração eucarística do seu Filho. Capelas com adoração eucarística têm aumentado nos EUA. A maioria das cidades, especialmente as de tamanho médio ou maior, têm várias paróquias com adoração perpétua a Jesus no Santíssimo Sacramento. Nestas capelas, a oração e meditação do rosário é uma parte central.

Casamento e a família

São João Paulo II repetiu muitas vezes que o homem é o caminho da Igreja. E é necessário conhecer Cristo para conhecer o homem, feito à imagem e semelhança de Deus, o Filho. Mais tarde, o Papa ensinou que a família é o caminho da Igreja. É na família que nasce a fé e se vive o amor. A família é a igreja doméstica.

Hoje mais do que nunca, o casamento e a família estão sob ataque na sociedade americana. Embora isto aconteça em muitos países, as consequências são fortemente sentidas aqui. Isto deve-se em grande parte a uma falta de fé e de vida cristã que leva ao egoísmo, à falta de respeito e à confiança mútua. A crise da família recorda-nos a necessidade urgente de Deus na vida pessoal e na sociedade. Esta renovação passa pela Sagrada Família. A relação com Jesus, Maria e José é o maravilhoso exemplo de amor, dedicação, respeito e trabalho no lar.

Jovens

No passado, a Legião de Maria tem sido muito popular nos EUA, mas hoje esta boa organização, que venera a nossa Mãe Celestial, necessita de jovens membros. Devem ser encontrados novos métodos para entusiasmar os jovens e despertar os seus ideais.

Um inquérito recente mostra que até há poucos anos, os jovens nos Estados Unidos abandonaram a sua fé logo aos 18 anos de idade, e agora isto acontece pouco depois dos 13 anos de idade. Há uma necessidade urgente de formar os jovens para amadurecerem e manterem viva a sua fé face ao mau exemplo que recebem dos amigos no ambiente escolar, e daqueles nos meios de comunicação social que promovem o materialismo destrutivo e o hedonismo. 

O P. Ezequiel Sanchez, director do santuário de Nossa Senhora de Guadalupe em Chicago, contou-me a sua experiência. Este ano, o santuário formou uma confraria para mães e filhas sob o nome de Filhas de Maria. Ali as jovens são tratadas com as suas famílias, e há algumas actividades para as filhas e outras para as mães. A confraria é constituída por 28 raparigas, com idades compreendidas entre os 13 e os 18 anos, e as suas mães. O P. Sánchez comenta que, neste trabalho de formação de jovens, é necessário ter em conta as necessidades dos jovens e as diferenças culturais entre os jovens imigrantes e os dos EUA. Os primeiros são sociais e os segundos são tranquilos. Neste santuário existe também uma catequese extensiva para crianças. Actualmente, cerca de quinhentas crianças assistem com os seus pais, e é salientada a necessidade de viverem a sua fé de forma coerente, para que os seus filhos a aprendam.

Cerca de um milhão de pessoas visitam anualmente o santuário de Nossa Senhora de Guadalupe. Este encontro com Deus através de Nossa Senhora leva a muitos desejos de conversão e de formação. Tal como nas paróquias, os casais estão preparados para o casamento sacramental e outros em situações em que existem impedimentos para validar o seu casamento. Trata-se, no entanto, de curar feridas nas famílias. Muitas vezes o foco está em tirar as pessoas do pecado, mas aqui vai além disso e ajuda a curar.

Louisiana, Califórnia...

A piedade popular é um elemento da vida cristã, que requer doutrina e vida sacramental, e no qual a prática das virtudes é indispensável. Para a Solenidade da Assunção da Virgem Maria, na Louisiana existe um "procissão O evento, que celebra a chegada dos católicos franceses à Louisiana, consiste em levar a Virgem num barco rodeado por outros barcos até ao porto de St Martinville. O evento, que celebra a chegada dos católicos franceses à Louisiana, consiste em transportar a Virgem num barco rodeado por outros barcos até ao porto de St. Martinville. Começa com a missa em francês, e continua com paragens em vários portos onde se recita o rosário e se faz a adoração eucarística. Muitos dos fiéis participam, e este ano o bispo local presidiu.

Em meados do século passado, o Pe. Patrick Peyton promoveu a reza do terço familiar a partir da Califórnia. O seu lema era simples: a família que reza o terço permanece unida. Ele organizou reuniões do rosário em todo o mundo, chamadas Cruzada do Rosário Familiar. Hoje, o nome mudou para Comícios do Rosário. Lembro-me de um comício que teve lugar em 2009, num estádio de futebol em Los Angeles. O comício consistiu em rezar o terço com meditações sobre cada mistério, números musicais e testemunhos de várias pessoas tais como o actor e produtor de cinema Eduardo Verástegui, ou um jovem sobrevivente dos massacres no Ruanda, Immaculée Ilibagiza.

O rosário está difundido

Hoje, graças à rádio e televisão, o rosário é ouvido e a vida de Nossa Senhora é meditada em todas as partes dos Estados Unidos. Na televisão, a EWTN estende a missa e o rosário a milhões de pessoas. A Rádio relevante transmite programas para uma audiência de 130 milhões em muitas cidades do país, e muitas estações de rádio mais pequenas promovem esta devoção a Nossa Senhora.

Em conclusão, falar da Virgem Maria é falar da fé católica e da Redenção. Trata-se de doutrina cristã e piedade popular. O amor dos fiéis pela Virgem Maria leva a um maior encontro com Jesus e a sua Igreja, que se manifesta nas conversões de indivíduos e famílias, na descoberta de diferentes caminhos vocacionais e num forte apoio aos movimentos pró-família e pró-vida.

Do que aqui foi dito pode deduzir-se que a devoção mariana nos EUA tem uma origem muito diversa, o que traz consigo o desafio de fomentar a unidade católica, respeitando os seus próprios costumes e devoções. Existem outros desafios à prática da devoção mariana, incluindo a tradução dessa piedade em frutos para a vida cristã na família, no local de trabalho e na sociedade em geral.  

No entanto, estes desafios não diminuem de forma alguma a importância vital do culto mariano passado e presente nos EUA que procurámos destacar aqui. Devemos finalmente acrescentar que o centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, bem como a piedade mariana dos Papas, fomentaram a devoção à Virgem Maria neste país e deram origem a um forte impulso evangelizador.

O autorJuan Vélez

Chicago (Estados Unidos)

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.