Estados Unidos da América

Milhares de pessoas participam no 13º Congresso Católico Afro-Americano em Washington

O 13º Congresso Nacional Católico Afro-Americano realizou-se em National Harbor, Maryland, a sul de Washington D.C., de 21 a 23 de julho. Este congresso, organizado de cinco em cinco anos desde 1889, tem entre os seus objectivos a elaboração de um plano pastoral de evangelização para a comunidade afro-americana.

Gonzalo Meza-24 de julho de 2023-Tempo de leitura: 3 acta

Missa final do Congresso Eucarístico Nacional Africano em Maryland, 2023 ©OSV News photo/CNS file, Leslie E. Kossoff, Catholic Standard

O evento reuniu cerca de 3.000 pessoas, incluindo leigos, clérigos e organizações que representam as várias comunidades católicas afro-americanas do país. O evento incluiu apresentações, palestras, debates, bem como missas e momentos de oração. O tema da conferência foi inspirado em Habacuque 2:2-3: "Escrever a visão: um apelo profético à prosperidade". Como salientam os organizadores: "Sabemos que Deus está sempre a falar algures, por isso temos de ir a esse lugar e ouvir o que Deus nos chama a fazer para agirmos com justiça e segundo os caminhos do Senhor.

O Congresso teve início a 21 de julho com uma Missa na Basílica Nacional da Imaculada Conceição em Washington DC. Foi presidida pelo Cardeal Wilton Gregory, Arcebispo da capital. Concelebraram na liturgia, entre outros, o Cardeal Sean O'Malley, Arcebispo de Boston; Mons. Timothy P. Broglio, Arcebispo de Roma; e Mons. Giuseppe Kolkov, Arcebispo de Lisboa. Timothy P. Broglio, Arcebispo dos Serviços Militares dos Estados Unidos e Presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, bem como 130 sacerdotes e 60 diáconos permanentes de 80 dioceses de todo o país. Na sua homilia, o Cardeal Gregory referiu que Jesus nos oferece uma visão redentora da liberdade, a liberdade de Deus Pai, e chama todas as pessoas à santidade. "Jesus escolheu discípulos - homens e mulheres comuns - e confiou-lhes esta visão redentora que muda a vida. É um tesouro que devemos partilhar com todas as pessoas", afirmou. A este respeito, o cardeal aludiu a seis católicos afro-americanos cujas causas estão a ser consideradas para beatificação e canonização, incluindo a Venerável Madre Mary Elizabeth Lange, que em 1829 fundou a primeira congregação de mulheres afro-americanas em Baltimore, Maryland: os Servos Oblatos da Providência; e o Venerável Padre Augustus Tolton, o primeiro padre católico negro americano a ser beatificado e que participou no primeiro Congresso Afro-Americano em 1889.

A cerimónia de inauguração contou com a presença do Núncio Apostólico junto da Santa Sé, o Estados Unidos da Américadisse Mons. Christophe Pierre. Christophe Pierre, que leu uma mensagem do Papa Francisco. Na sua carta, o pontífice exortou os participantes no congresso a serem testemunhas da alegria do Evangelho e a construírem o reino de Deus como discípulos missionários de Jesus no mundo. O Arcebispo de Baltimore, D. William Lori, que foi um dos delegados no congresso, disse que o evento é de importância vital para a arquidiocese, pois permite que "a comunidade católica afro-americana se reúna para se encontrar e partilhar os seus dons, bem como para discutir as necessidades pastorais, planear a evangelização e até promover a transformação na vida da Igreja".

Este congresso teve uma sessão dedicada aos jovens, na qual participaram o Cardeal Gregory e o bispo emérito de Memphis, Tennessee, J. Terry Steib. Nas suas intervenções, os prelados responderam espontaneamente às questões colocadas pelos jovens, abordando assim a sua vocação sacerdotal e a questão do racismo. O Arcebispo de Washington convidou os jovens a descobrirem a sua vocação: "O que é que Deus quer que vocês façam? O que é que vos faria felizes na vida? E se um desses sonhos fosse dar a vossa vida ao serviço da Igreja...". O cardeal referiu também que experimentou o racismo na sua vida: "Sim, experimentei o racismo, mas também vi como as pessoas mudam. Os meus colegas de seminário eram todos brancos. Mas foi uma oportunidade para eles e para mim de nos conhecermos uns aos outros", acrescentando que estas experiências servem para ajudar as pessoas a saírem das suas zonas de conforto para se conhecerem e reconhecerem umas às outras.

O congresso terminou a 23 de julho com uma "Missa de Envio" presidida por D. John H. Ricard, bispo emérito da Diocese de Pensacola-Tallahassee. A missa foi presidida por D. John H. Ricard, bispo emérito da Diocese de Pensacola-Tallahassee e, desde 2019, superior geral da Sociedade de São José do Sagrado Coração, Josefinos. Na sua homilia, encorajou os congressistas a levarem o fogo do Espírito Santo às suas comunidades afro-americanas: "Acendam essa chama e abram-na. Não deixem que o fogo se apague", disse. Ricard referiu-se também ao legado deixado pelos seis afro-americanos cujas causas de beatificação e canonização estão em curso: "Este fim de semana estamos aqui a colher o que eles semearam. Para além disso, Mons. Ricard evocou também a memória dos afro-americanos. Ricard evocou também a memória do jornalista afro-americano Daniel Arthur Rudd, que foi um dos fundadores do Congresso dos Católicos Afro-Americanos, reunido pela primeira vez em Washington em 1889. Esse grupo fundador, disse Ricard, "teve a visão, a determinação e a vontade de se unir. Daniel Rudd acreditava que na Igreja Católica estava a plenitude da revelação e que nela se encontrava a resposta a todos os problemas que os afro-americanos enfrentavam na altura", afirmou.

Ao longo da sua história, o Congresso também se tem dedicado a abordar questões que afectam a comunidade afro-americana como um todo, incluindo a justiça racial, a desigualdade económica e as disparidades nos cuidados de saúde e na educação. Nesse sentido, o Congresso tem dado importantes contributos para a Igreja e para a sociedade, actuando como uma força unificadora na comunidade católica afro-americana.

O autorGonzalo Meza

Ciudad Juarez

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.