Cultura

Transmitir o legado da fé, o foco do 24º Congresso dos Católicos e da Vida Pública

Enquanto no ano passado, o congresso do CEU abordou o politicamente correcto, juntamente com a análise, por exemplo, da cultura do cancelamento e do movimento do despertar, com um eco notável na opinião pública, este ano olhará para o positivo com propostas sobre a fé e a transmissão de um legado, segundo o seu director, Rafael Sánchez Saus.

Francisco Otamendi-28 de Junho de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
OS CATÓLICOS NA VIDA PÚBLICA

Foto: Rafael Sánchez Saus ©CEU

O director do Congresso de Católicos e Vida PúblicaRafael Sánchez Saus, adiantou alguns detalhes da 24ª edição deste congresso a ter lugar nos dias 18, 19 e 20 de Novembro de 2022, no campus de Moncloa da Universidade CEU de San Pablo, sob o título "Propomos a fé". Transmitimos um legado".

Como sempre, o congresso também analisará os desenvolvimentos do nosso tempo, e analisará os Estados Unidos, por ocasião da recente decisão do Supremo TribunalA Constituição dos EUA não concede ou contém um "direito" ao aborto, e devolve a decisão ao "povo" e aos seus "representantes eleitos", ou seja, ao governo de cada estado. Este é um "triunfo" para o movimento pró-vida nos Estados Unidos, e será analisado, disse Rafael Sánchez Saus numa reunião informal com jornalistas.

O congresso também se debruçará sobre a Europa Oriental e o Guerra da Ucrâniae o que aí se passa, e destinará "todas as receitas do registo e das massas, como já foi feito em ocasiões anteriores, a campanhas destinadas à Ucrânia, e especificamente à Ajuda à Igreja que Sofre", acrescentou Sánchez Saus.

Resposta às ideologias

O director do Congresso salientou também que a reunião de Novembro resume a resposta que os católicos do nosso tempo poderiam dar ao mundo de hoje face às ideologias. "A fé que propomos é a fé em Jesus Cristo, Deus e homem, criador e redentor, e na Igreja Católica, Apostólica e Romana, que o deu a conhecer a nós".

Na sua opinião, "o legado que devemos transmitir é aquele que recebemos dos nossos pais e eles dos seus, o de uma civilização que foi fundada sobre princípios radicalmente novos na história da humanidade".

Neste sentido, Sánchez Saus assegurou que "temos o direito e o dever de receber, aumentar e projectar este imenso legado espiritual, moral e cultural, do qual somos herdeiros, sem diminuição ou redução".

Além disso, apelou a um legado que "deve certamente ser actualizado para responder com novas ideias e soluções aos problemas de hoje e do futuro imediato, muitos deles derivados da subversão antropológica que nos é imposta pelas ideologias e os seus poderosos terminais, da perda de sentido e do esvaziamento da vida em nome do hedonismo e do consumo".

O director do Congresso ainda não revelou os oradores para o próximo Congresso. reuniãoNo entanto, afirmou que haverá "uma fila de oradores internacionais de alto nível e um grupo de peritos em diferentes temas interdisciplinares, desde a educação e a família até à história, economia e direito, entre outros, que dirigirão seminários nos quais os participantes do congresso poderão estudar em profundidade a área do seu interesse, numa atmosfera de diálogo".

O congresso de Novembro centrar-se-á "numa experiência formativa e construtiva que deverá reforçar a nossa vontade plenamente apostólica de contribuir para a existência de um mundo mais cristão e, portanto, mais humano", sublinhou Rafael Sánchez Saus.

A ideologia acordou

Como será recordado, em Novembro do ano passado, o Congresso dos Católicos e da Vida Pública abordou o fenómeno do O politicamente correcto. Liberdades em riscocom a análise da cultura do cancelamento e do movimento despertado.

Entre outros pensadores e especialistas, o filósofo e professor emérito francês na Sorbonne participou na conferência, Rémi BraguePara ele, o que está em jogo na cultura do cancelamento é "a nossa relação com o passado", e devemos escolher "entre o perdão e a condenação".

Rémi Brague, que propôs "recuperar a nossa capacidade de perdoar", também deu uma entrevista à Omnes.

Na reunião de hoje, foram distribuídos os trabalhos do 23º Congresso do ano passado sobre o politicamente correcto, produzido pela CEU Ediciones. O Congresso Católicos e Vida Pública, organizado pela Associação Católica de Propagandistas e o seu parceiro, a Fundação Universitária São Paulo CEU, "tem como objectivo proporcionar um quadro de encontro e reflexão para todos os católicos e pessoas de boa vontade interessadas em assegurar que a luz do Evangelho ilumine todos os aspectos da vida, tanto na sua dimensão pessoal como social".

No último Congresso houve 1.063 participantes registados, um número nunca antes alcançado, quase 1.700 seguidores em linha, e uma presença em 115 meios de comunicação, 26 dos quais internacionais, disse Rafael Sánchez Saus, que destacou o crescimento do impacto dos meios de comunicação nos últimos anos.

O autorFrancisco Otamendi

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.