Mundo

Pessoas "desaparecidas" do Canadá

A descoberta dos restos mortais de 215 crianças na província de British Columbia, Canadá, é um acontecimento dramático e um apelo "para caminharmos juntos em diálogo, respeito mútuo e reconhecimento dos direitos e valores culturais de todas as filhas e filhos do Canadá".

Fernando Emilio Mignone-8 de Junho de 2021-Tempo de leitura: 4 acta
crianças do canadá

Foto: ©2021 Catholic News Service / U.S. Conference of Catholic Bishops.

O Papa Francisco disse na oração do Angelus no domingo que está a seguir "com tristeza as notícias do Canadá sobre a descoberta chocante dos restos mortais de 215 crianças, alunos do Escola Residencial Indiana Kamloopsna província de British Columbia. Junto-me aos bispos canadianos e a toda a Igreja Católica no Canadá para expressar a minha proximidade ao povo canadiano que ficou traumatizado com esta notícia chocante. A triste descoberta aumenta a nossa consciência da dor e do sofrimento do passado. As autoridades políticas e religiosas do Canadá continuam a trabalhar com determinação para lançar luz sobre este triste acontecimento e a empenharem-se humildemente numa viagem de reconciliação e cura.

Estes tempos difíceis são um forte apelo a todos nós para nos afastarmos do modelo colonizador e também das colonizações ideológicas de hoje, e caminharmos juntos em diálogo, respeito mútuo e reconhecimento dos direitos e valores culturais de todas as crianças do Canadá.

Recomendamos ao Senhor as almas de todas as crianças que morreram nas escolas residenciais do Canadá e rezamos pelas famílias enlutadas e comunidades nativas canadianas. Rezemos em silêncio.

"A Igreja errou indiscutivelmente na implementação de uma política governamental colonialista que resultou na devastação de crianças, famílias e comunidades". Assim, a 2 de Junho, o Arcebispo Michael Miller de Vancouver, British Columbia, apresentou publicamente as suas desculpas. 

Na cidade de Kamloops, 350 km a noroeste de Vancouver, foram descobertos os restos mortais de cerca de 215 indígenas não marcados e "não enterrados", enterrados ao lado da antiga Escola Residencial Kamloops, uma instituição governamental canadiana fundada em 1890 e encerrada em 1978, e desde a sua fundação até 1969 dirigida pelos Missionários Oblatos de Maria Imaculada.

O Arcebispo Miller, cuja diocese incluía Kamloops até 1945, prometeu fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para tentar descobrir as identidades dos menores aí enterrados.

Os nativos locais descobriram o que dizem ser restos humanos usando um pequeno radar penetrante, tecnologia agora literalmente na ponta dos seus dedos. Muitos povos indígenas já sabiam ou suspeitavam que os jovens falecidos tinham sido enterrados não só lá mas também noutros 130 internatos do Canadá, agora fechados, muitas vezes sem avisar os familiares ou registar os casos.

O Bispo Kamloops Joseph Nguyen (que em jovem escapou do Vietname de barco e se refugiou no Canadá) disse: "Nenhuma palavra de tristeza poderia descrever esta descoberta horrível". O presidente da Conferência Episcopal e Arcebispo de Winnipeg Richard Gagnon expressou o seu grande pesar em nome dos bispos canadianos (mais de 80) e apelou para que a verdade viesse ao de cima. 

Já a 29 de Abril de 2009, o Papa Bento XVI tinha pedido pessoalmente desculpas a um grupo de chefes indígenas canadianos quando o visitaram em Roma, numa audiência privada no Vaticano, pelo tratamento "deplorável" que as alas indígenas receberam nos internatos geridos pelos católicos. (Havia 73 dos 130 institutos).

As crianças eram frequentemente separadas à força dos seus pais e levadas para estes internatos: por vezes não se viam durante anos (ou não se viam de todo); eram assimiladas à cultura dominante, perdendo assim as suas raízes; sofriam abusos psicológicos, físicos e até sexuais. 

Há já três décadas que existem muitos e repetidos pedidos de perdão - também, claro, por parte das autoridades civis, a começar pelos primeiros-ministros do país - por tanta tragédia. E por uma causa: tantas nem sequer foram documentadas. Estima-se que 150.000 estudantes indígenas viviam nos internatos criados pelo governo federal em meados do século XIX, os últimos dos quais foram encerrados apenas no final do século XX. Muitas destas escolas encontravam-se em locais inóspitos e eram pouco subsidiadas; poderia haver escassez de alimentos e doenças contagiosas. Não se sabe ao certo quantas crianças morreram nestas instituições, ou de quê, mas estima-se que pelo menos 4.000 morreram. 

A descoberta em Kamloops está a sensibilizar os cidadãos canadianos. Serão feitas tentativas para documentar melhor o passado, inclusive com subsídios que o governo federal acaba de oferecer aos povos indígenas, para que possam saber mais sobre os seus pessoas desaparecidas.

Mas esta consciencialização neste país não é um desenvolvimento recente. Já em 1991, os bispos e superiores das ordens religiosas canadianas que participaram nas escolas residenciais declararam: "Lamentamos profundamente a dor, o sofrimento e a alienação que tantos (povos indígenas) viveram. Ouvimos... e queremos fazer parte do processo de cura". Nesse mesmo ano, os Oblatos de Maria Imaculada incluíram isto no seu longo arrependimento: "Pedimos perdão pelo papel que desempenhámos no imperialismo cultural, étnico, linguístico e religioso que fez parte da mentalidade com que o povo da Europa encontrou pela primeira vez os povos aborígenes e que tem sido constantemente escondida na forma como os povos nativos do Canadá têm sido tratados pelas autoridades civis e igrejas".

O processo de reconciliação nos últimos anos incluiu centenas de encontros entre cristãos e povos indígenas no Canadá para tentar curar as feridas (metade dos povos indígenas do Canadá podem ser católicos, e muitos outros são cristãos). De uma população de quase 40 milhões de habitantes, quase 2 milhões são indígenas). 

Raymond de Souza, um conhecido padre e jornalista, faz referência no Correio Nacional a João Paulo II, que no Touro Incarnationis mysterium (29 de Novembro de 1998) apelou para "a purificação da memóriaO Papa disse: "Não podemos deixar de reconhecer as faltas cometidas por aqueles que suportaram e continuam a suportar o nome de cristãos". Também à sua homilia em São Pedro, em 12 de Março de 2000: "Não podemos deixar de reconhecer a infidelidade ao Evangelho que alguns dos nossos irmãos e irmãs cometeram".

Neste cenário dramático, talvez valha a pena recordar que muitos canadianos rezam à padroeira do hemisfério ocidental, a Virgem indígena de Guadalupe. E a Santa Kateri (Catherine) Tekakwitha, que morreu em 1680 em Montreal com a idade de 24 anos; aqui [escrevo de Montreal] estão os seus restos mortais. A sua mãe Algonquin, uma cristã, foi raptada pelos iroqueses e casada com um chefe Mohawk. Aos 4 anos de idade, Kateri perdeu os seus pais numa epidemia de varíola que a deixou meio cega. Aos 11 anos foi apresentada à fé e aos 20 foi baptizada pelos missionários jesuítas. Sofreu grandes abusos pela sua fé e foi rejeitada pelos seus familiares, pelo que em 1677 fugiu a pé ao longo de 300 km para uma aldeia cristã. Ela era muito penitente e muito devota à Eucaristia. Ela foi canonizada em Outubro de 2012, no final do pontificado beneditino.

Nota do autor: A 14 de Maio de 1976, a minha irmã Monica de 24 anos foi raptada pelos militares em Buenos Aires. Nunca nos foi dito o que lhe aconteceu.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.