Mundo

Perseguições na Índia: "Assustar os cristãos e outras comunidades para reforçar o apoio aos partidos nacionalistas hindus".

A opressão dos cristãos na Índia aumenta, "não só de ano para ano, mas de mês para mês". Isto foi o que ele disse a 29 de Novembro Notícias do Vaticanoo portal de notícias do Vaticano.

Leticia Sánchez de León-11 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 5 acta
christians india

Um homem segura uma vela durante um serviço de oração pelo Jesuíta Stan Swamy ©CNS foto/Francis Mascarenhas, Reuters

Como noticiado pelo Vatican News em Novembro passado, o United Christian Forum (UCF) publicou o seu relatório anual sobre a perseguição religiosa na Índia. Nele, referia-se a um aumento de incidentes relacionados com a liberdade religiosa e culto na Índia, de 505 em 2021 para 511 até agora em 2022.

O número de ataques contra a minoria cristã no país não só não diminuiu, como continua a aumentar.

A origem dos conflitosos

A fim de compreender estes conflitos, é necessário considerar o processo de HindutizaçãoO relatório explica como o país tem vivido no século passado, especialmente a nível social e político. Um relatório do Real Insituto Elcano explica como, desde 1923, quando o trabalho Hindutva (Hinduísmo), Savarkar começa a defender a teoria da equivalência de conceitos. pitribhumi (terra ancestral) e punyabhumi (terra sagrada), concluindo que apenas as religiões que surgem em solo indiano podem ser consideradas como religiões. nacional (Budismo, Jainismo, Sikhismo, Hinduísmo, etc.). Como consequência, os crentes que têm os seus lugares santos originais fora da Índia (muçulmanos, cristãos e outros) são estranhos à construção de uma única nação indiana com as suas próprias características e religião. Esta ideia é o pilar ideológico do nacionalismo hindu e orienta o seu discurso e as suas acções.

Esta escalada aumentou com a chegada ao poder do BJD, o partido nacionalista hindu, em 1996, caracterizado por uma tentativa de reivindicar o "hindu" como seu, procurando consolidar a identidade nacional e identificando tudo o que não é hindu como inimigo externo, geralmente encarnado na figura do muçulmano e também, cada vez mais, do cristão.

As chamadas "Leis da Liberdade Religiosa".

Desde então, e especialmente desde os anos 70, as chamadas "Leis da Liberdade Religiosa" têm sido aprovadas em vários estados indianos, que regulam e, sobretudo, restringem a conversão de uma religião para outra. Vários estados do norte, oeste e leste da Índia, tais como Uttar Pradesh, Himachal Pradesh, Gujarat, Chhattisgarh, Odisha, Madhya Pradesh, Arunachal Pradesh, Uttarakhand e Jharkhand, têm tais leis em vigor.

Karnataka, no sudoeste da Índia, tornou-se o último estado a promulgar a sua própria lei em Maio deste ano. A lei estabelece que "nenhuma pessoa deve converter ou tentar converter, directa ou indirectamente, outra pessoa de uma religião para outra por falsas declarações, força, influência indevida, coerção, aliciamento, sedução ou quaisquer meios fraudulentos, ou por casamento; nenhuma pessoa deve encorajar ou organizar conversões religiosas de outras pessoas". Assim diz o projecto de lei do estado de Karnataka - "Em caso de violação, está prevista uma pena de prisão de três a cinco anos e uma multa de INR 25.000 ($307), enquanto a pena de prisão é aumentada para 10 anos e a multa para INR 50.000 ($614) para os que convertem menores, mulheres e pessoas das comunidades (...) considerados grupos marginalizados e vulneráveis". Estas são penalidades muito elevadas considerando que o salário líquido mensal é de 44900 rupias, cerca de 551,53 dólares e a grande desigualdade entre as castas.

Onde quer que a lei anti-conversão tenha sido aprovada, ela forneceu uma justificação para a perseguição de minorias religiosas e outros grupos marginalizados", diz Ram Puniyani, director do NSF (Fórum Nacional de Solidariedade) e defensor dos direitos humanos na Índia, num artigo publicado no website da Fides sobre a situação dos cristãos na Índia. "Os ataques às minorias aumentaram significativamente nos últimos anos desde que esta lei foi utilizada como arma contra cristãos e muçulmanos, especialmente Adivasis, Dalits e mulheres", conclui Punyani.

De acordo com várias associações que trabalham na Índia para promover e proteger os direitos humanos, a conversão de um dalit ("pária", considerada fora das quatro castas indianas) ao cristianismo ou ao islamismo, faz com que perca a protecção do Estado, mas não se se converter ao Sikhismo, ao Jainismo ou ao Budismo. Estas discriminações funcionam como um incentivo para os indivíduos permanecerem no - ou converterem-se ao - hinduísmo e violarem a liberdade de consciência.

Para além disso, a fundamentação desta lei é praticamente inexistente. Asma Jahangir, a Relatora Especial da ONU para a Liberdade de Religião ou Crença, observou no seu relatório sobre a Índia em 2011 que: "Mesmo nos Estados indianos que adoptaram leis sobre conversão religiosa, parece haver poucas, ou nenhumas, condenações por conversões através do uso da força, indução ou meios fraudulentos. Em Orissa, por exemplo, oficiais distritais e oficiais de primeiro nível do secretariado do Estado não puderam citar ou alegar uma única violação da Lei da Liberdade Religiosa de Orissa de 1967.

A perseguição dos cristãos está a aumentar

A perseguição data de 2008 no estado de Odisha (antiga Orissa na Índia Oriental), quando Swami Lakhmananda Saraswati, um líder local da Paróquia Hindu Vishwa (VHP), e quatro outros membros da VHP foram mortos. Embora um líder maoísta tivesse reivindicado a responsabilidade e líderes cristãos tivessem condenado as mortes, multidões organizadas atacaram posteriormente cristãos nas comunidades da Paróquia Hindu Vishwa (VHP) e quatro outros membros da VHP. dalit e tribais. No final de Setembro de 2008, mais de 40 pessoas tinham sido mortas em Odisha, mais de 4.000 casas cristãs destruídas e cerca de 50 igrejas demolidas. Cerca de 20.000 pessoas viviam em campos de ajuda e mais de 40.000 estavam escondidas em florestas e outros locais. A Relatora Especial da ONU disse em 2009 que estava profundamente alarmada com a situação humanitária nos campos de ajuda, onde alegadamente não havia acesso a alimentos, água potável, cuidados médicos, instalações sanitárias adequadas ou vestuário adequado.

O que aconteceu em Odisha foi um ponto de viragem para os cristãos na Índia: nunca antes os ataques aos cristãos por fundamentalistas hindus tinham sido tão intensos. Desde então, Odisha tem sido um símbolo da intolerância dos movimentos nacionalistas hindus, embora desde 2008 os ataques aos cristãos se tenham espalhado por outros estados, como o estado de Jharkhand (a norte de Orissa), agora o epicentro das tensões.

Segundo o coordenador da UCF A.C. Michael, a violência contra as minorias cristãs está a crescer diariamente e está a tornar-se uma tendência difícil de travar. Graças ao trabalho da UCF, é conhecido o que é o modus operandi dos perseguidores: os incidentes são frequentemente perpetrados por pequenos grupos de vigilantes cujos membros incluem hindus extremistas. Estes grupos fazem acusações de actividades de conversão forçada, e assim invadem lugares onde os cristãos se reúnem, com o objectivo de os assustar e até de atacar alguns deles em mais de uma ocasião.

O que é grave é que muitos destes ataques têm lugar sem quaisquer consequências legais e/ou políticas para os procuradores. A UCF explica que quando são registados casos contra perpetradores, não é tomada qualquer medida. E à medida que a polícia, a administração, os políticos e o governo mantêm um silêncio estudado quando são cometidos actos de violência contra minorias religiosas, os fanáticos religiosos ganham mais coragem e tornam-se autoridades extra-constitucionais para violar os seus direitos.

A voz do Papa Francisco

O Papa Francisco repetiu em numerosas ocasiões a necessidade de combater o fanatismo religioso, nomeadamente nas suas reuniões inter-religiosas no Cairo em 2017 e durante a sua recente visita ao Reino do Bahrein em Novembro de 2022.

Na sua visita ao Cairo, o Papa disse que "como líderes religiosos somos chamados a desmascarar a violência que se mascara de suposta sacralidade, (...). Somos obrigados a denunciar as violações da dignidade humana e dos direitos humanos, a expor tentativas de justificar todas as formas de ódio em nome das religiões e a condená-las como uma falsificação idolátrica de Deus.

O autorLeticia Sánchez de León

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.