Vaticano

Garantir a liberdade de religião em todas as suas manifestações e em toda a parte

A Pontifícia Universidade Gregoriana acolheu a Cimeira da Liberdade Religiosa de três dias, promovida anualmente pela Universidade Americana de Notre Dame sobre o tema do futuro da liberdade religiosa no mundo.

Antonino Piccione-22 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 6 acta
liberdade de religião

Foto. Massa de Cartão. A missa de Zen em Hong Kong. ©CNS

O tema central da cimeira é o Dignitatis HumanaeA declaração do Concílio Vaticano II expressando o apoio da Igreja Católica para a protecção da liberdade religiosa e estabelecendo as normas básicas para a relação da Igreja com os Estados.

A cimeira deste ano em Roma sublinha o alcance global da iniciativa, que em 2021 teve lugar na própria Universidade de Notre Dame.

"A liberdade religiosa é um direito humano fundamental e a sua protecção é uma questão global", disse G. Marcus Cole, reitor e professor de direito na Faculdade de Direito de Notre Dame, apresentando a iniciativa. "Cada pessoa no mundo tem o direito dado por Deus de viver a sua vida de acordo com as suas convicções, com orgulho e sem medo", acrescentou Cole.

Com base nestes princípios, Notre Dame promove e defende a liberdade religiosa para pessoas de todos os credos através de bolsas de estudo, eventos, e o trabalho da sua escola de direito. No seu cerne está a protecção do direito de culto, a defesa dos bens sagrados contra ameaças de destruição, a promoção da liberdade de escolha dos ministros da fé, e a prevenção da discriminação contra escolas e ensinamentos religiosos.

O objectivo da cimeira é estimular o debate entre estudiosos e líderes religiosos sobre o futuro da liberdade religiosa nos Estados Unidos e em todo o mundo. A cimeira está prevista para hoje entre dois dos principais filósofos e intelectuais contemporâneos do mundo: Cornel West do Seminário Teológico da União e Robert P. George da Universidade de Princeton.

Nomeadamente, o Prémio Notre Dame 2022 da Liberdade Religiosa foi entregue a Mary Ann Glendon, professora emerita de direito na Faculdade de Direito de Harvard e ex-embaixadora dos EUA junto da Santa Sé. Glendon foi honrada pela sua profunda e inovadora investigação jurídica e pelo seu serviço aos Estados Unidos e à Igreja Católica, com um impacto global na premissa da liberdade religiosa como um direito humano fundamental.
Steven Smith, Professor de Direito e Director Co-Executivo do Instituto de Direito e Religião da Faculdade de Direito da Universidade de San Diego, recebeu o Prémio da Iniciativa para a Liberdade Religiosa de 2022. 

Ataques à liberdade religiosa

A liberdade religiosa está a ser atacada em todo o mundo. "A violência elevou-se a níveis históricos na última década, afectando quase todos os grupos religiosos", disse Samah Norquist, um académico do Wilson Center em Washington. "Crentes de quase todas as religiões - cristãos, muçulmanos e judeus, budistas, yazidis, baha'is - têm enfrentado discriminação, assédio, repressão e, claro, perseguição por actores estatais e não estatais, bem como movimentos ideológicos", disse Norquist. Na mesma linha estava Nury Turkel, presidente da Comissão Americana para a Liberdade Religiosa Internacional, um órgão consultivo bipartidário e independente que monitoriza a liberdade religiosa no estrangeiro.

Turkel lançou o alarme sobre a deterioração da liberdade religiosa na China, onde o governo tem continuado a "prosseguir vigorosamente a sua política de 'sinicização da religião'" e tem exigido que os grupos religiosos e os seus aderentes apoiem o governo e a ideologia do Partido Comunista Chinês (PCC).

Embora a China reconheça o budismo, o catolicismo, o islamismo, o protestantismo e o taoísmo, os adeptos de religiões com alegada influência estrangeira - como o cristianismo, o islamismo e o budismo tibetano - e os de outros movimentos religiosos são especialmente vulneráveis à perseguição, disse Turkel, um advogado americano de etnia uigure.

Ao longo de 2021, as autoridades de Xinjiang continuaram a deter arbitrariamente Uighurs e outros muçulmanos turcos em campos de internamento e instalações semelhantes a prisões por vários motivos religiosos.

Mais de um milhão de Uighurs foram presos em campos de concentração por simplesmente adorarem Alá e não Xi Xinping. Foram sujeitos a numerosos abusos, incluindo tortura, violação, trabalhos forçados e homicídio. O "pior pesadelo" para o PCC, observou Turkel, são as comunidades que se preocupam com os direitos humanos e a dignidade humana. Uma população religiosa comprometida, argumentou Turkel, é também uma ameaça para o governo chinês, porque o seu regime autoritário é incompatível com a liberdade religiosa.

O objectivo é não permitir que os abusos da liberdade religiosa passem despercebidos, quer por acção governamental - como no caso da China - quer por inacção, como em países como a Nigéria, onde a perseguição religiosa continua a aumentar. 

A investigação demonstrou", concluiu o presidente da Comissão sobre Liberdade Religiosa Internacional dos EUA, "que os países que apoiam a liberdade religiosa têm instituições políticas mais vibrantes e democráticas, maior bem-estar económico e social, menor tensão e violência, e maior estabilidade. Nações que espezinham ou não protegem os direitos humanos fundamentais, incluindo a liberdade religiosa, fornecem terreno fértil para a pobreza e insegurança, guerra e terror, e movimentos e actividades violentos e radicais".

"Quais são as liberdades religiosas que nos preocupam?

Na abertura da cimeira, Dallin H. Oaks, Presidente do Quórum dos Doze Apóstolos, apelou a 
um esforço global e multiconfessional para defender e promover a liberdade religiosa em todas as nações do mundo.

Estas são as suas palavras: "Quais são as liberdades religiosas que nos preocupam? Para as comunidades religiosas, a Constituição dos EUA garante a liberdade de associação e o direito de reunião; o direito de determinar novos membros; o direito de eleger líderes e funcionários-chave, incluindo em organizações relacionadas; e o direito de funcionar como uma organização. Para os crentes individuais, os direitos essenciais incluem a expressão e o exercício da religião e a liberdade de discriminação religiosa. Em defesa destes direitos, devemos permanecer unidos. Católicos, evangélicos, judeus, muçulmanos, santos dos últimos dias e outras religiões devem fazer parte de uma coligação de religiões que resgata, protege e promove a liberdade religiosa em todo o mundo. Sabendo que a liberdade pode ser alcançada através do apoio à liberdade daqueles que consideramos nossos adversários. Assim, quando vemos que os nossos interesses estão ligados aos de todos os outros, então começa o verdadeiro trabalho da liberdade religiosa. Daí a necessidade de os crentes ouvirem os outros, de empatia e de resolverem os conflitos pacificamente. Não comprometendo princípios religiosos fundamentais, mas compreendendo o que é verdadeiramente essencial para o nosso livre exercício da religião.

"Desta forma", segundo Oaks, "aprendemos a viver em paz com algumas leis que não gostamos e com algumas pessoas cujos valores diferem dos nossos". A declaração Dignitatis humanae sobre a liberdade religiosa foi mencionada como um ponto central da segunda cimeira internacional promovida pela Universidade de Notre Dame. Vale a pena relembrar algumas passagens da mesma.

"O conteúdo de tal liberdade", afirma o documento, "é que os seres humanos devem ser imunes à coerção por indivíduos, grupos sociais e qualquer poder humano, de modo a que em matéria de religião ninguém seja obrigado a agir contra a sua consciência ou impedido, dentro dos limites devidos, de agir em conformidade com ela - em privado ou em público, individualmente ou em associação".

Declara ainda que o direito à liberdade religiosa se baseia de facto na própria dignidade da pessoa humana tal como revelada pela palavra de Deus e pela própria razão. Este direito da pessoa humana à liberdade religiosa deve ser reconhecido e consagrado como um direito civil na ordem jurídica da sociedade". 

Uma contribuição decisiva para a formulação do documento e para a definição da liberdade religiosa como imunidade tinha sido feita por Paulo VI que, no decurso de uma audiência pública em 28 de Junho de 1965, descrevendo a liberdade religiosa, tinha dito: "Vereis que uma grande parte desta doutrina capital se resume em duas famosas proposições: em matéria de fé que ninguém seja perturbado! Que ninguém seja constrangido" (nemo cogatur, nemo impediatur).

Falando na conferência internacional "A Liberdade Religiosa no Direito Internacional e o Conflito Global de Valores" (20 de Junho de 2014), o Papa Francisco observou: "A liberdade religiosa não é apenas liberdade de pensamento ou de culto privado. É a liberdade de viver de acordo com os princípios éticos resultantes da verdade encontrada, tanto em privado como em público. Este é um grande desafio no mundo globalizado, onde o pensamento fraco - que é como uma doença - também baixa o nível ético geral, e em nome de um falso conceito de tolerância acabamos por perseguir aqueles que defendem a verdade do homem e as suas consequências éticas".

Hoje em dia, à luz primeiro da pandemia e depois da guerra na Ucrânia, há um debate sobre a desglobalização ou a nova globalização. O desafio, contudo, permanece o mesmo: assegurar o respeito pelos direitos humanos fundamentais, incluindo a liberdade religiosa em todas as suas manifestações e em todo o lado.   

O autorAntonino Piccione

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.