Ecologia integral

Dr Centeno: "A medicina paliativa melhora o bem-estar e alivia o sofrimento".

Rafael Mineiro-17 de Dezembro de 2020-Tempo de leitura: 4 acta

A escassa presença, hoje em dia, de médicos especializados em cuidados paliativos é impressionante. O Dr. Carlos Centeno, director de Medicina Paliativa da Clínica Universidad de Navarra, afirma: "Ao doente que pede ajuda, nós podemos dá-la. Ajudemos, aliviemos, o que nós, médicos, fizemos durante toda a nossa vida.

"Hoje em dia, a eutanásia é exigida na sociedade, mesmo na lei, por muitas coisas que têm solução. A medicina também tem muitas coisas a dizer face ao sofrimento que, por vezes, pode ser intolerável. A medicina tem algo, e eu sei que é eficaz, porque já a vi em acção tantas vezes.

É assim que o Dr. Carlos Centeno, Director de Medicina Paliativa na Clínica e da equipa de investigação Atlantes do Instituto de Cultura e Sociedade da Universidade de Navarra."Certamente alguns doentes podem pedir ajuda que nós não podemos dar. Isso pode acontecer. No nosso país, poderá acontecer num futuro próximo que um paciente nos peça ajuda para antecipar a morte, e um médico não pode fazer isso, é o que eu penso. Um médico está lá para servir a vida, e ele está lá para aliviar. O ethos da medicina é estar ao lado do paciente para o aliviar. Existimos porque há pessoas que sofrem"..

"A nossa sociedade, há milhares de anos, tem gerado uma profissão, ou várias profissões, de pessoas dedicadas a aliviar o sofrimento humano", acrescenta o palliativista. "Nós também gostamos de curar. Gostamos de curar quando podemos. Também aí nos sentimos como médicos. Mas onde realmente nos identificamos connosco próprios, onde vemos a nossa identidade, é quando aliviamos aqueles que não podemos curar.. No sofrimento, ainda estamos lá para acalmar".

O Dr. Centeno, com muitos anos de experiência em Medicina Paliativa, aborda as dificuldades. Especialmente de compreensão e uma boa compreensão do que são os Cuidados Paliativos.. "Há muitas coisas em que todos estamos de acordo. Mas pode haver coisas sobre as quais não há acordo, pontos de vista que dizem respeito a princípios ou à forma de compreender a sociedade, ou à forma de compreender a autonomia sem qualquer outra consideração; mas há muitos outros princípios sobre os quais estaremos de acordo. E, é claro, acordaremos em como agir, em como agir. Estejamos lá; não queremos confrontar ninguém, não queremos desafiar ninguém; não queremos contradizer aqueles que pensam de forma diferente de nós; não. Temos de ser médicos, nós podemos ajudar.

Cuidados abrangentes

Na quarta-feira passada, o especialista foi orador, juntamente com membros da sua equipa, num seminário organizado pelo Instituto de Currículo Principal da Universidade de Navarra, intitulado Ciência e valores dos cuidados paliativos, com mais de quinhentos participantes.

Num dos seus discursos, Carlos Centeno interpretou um vídeo de uma entrevista conduzida por Jordi Évole sobre laSexta Dr. Carlos Gómez Sancho, que comentou, entre outras coisas, que o número de pacientes que tinham pedido eutanásia era muito pequeno: três ou quatro em muitos milhares.

Quando lhes perguntaram que medicação para a dor estavam a tomar, disseram dois ou três Nolotil por dia. Assim que lhes foi dada alguma morfina, e tratado adequadamente, o desejo de morrer desapareceu, disse o médico.

Este ponto foi abordado pelo Dr. Ana Serranoque analisou os principais mitos dos cuidados paliativos, como tratamento destinado apenas a doentes moribundos, no último momento da sua vida. Na realidade, disse ele, eles fazem parte de todo o processo de tratamento dos pacientes, onde devem "A escolha da localização do paciente e a intervenção de todos os profissionais, mesmo em casa, não é a única forma de proporcionar cuidados paliativos. Ao contrário do mito, os cuidados paliativos não se trata de ser drogado com morfina até ao fim", salientou ele.

O avanço dos cuidados paliativos especializados, ou seja "tratar os doentes mais cedo", é outro aspecto em que Centeno insiste, com base em vários estudos sobre a qualidade de vida em diferentes grupos de doentes. Além disso, acrescenta, os pacientes com cuidados paliativos precoces vivem em média vários meses mais tempo. O seu resumo é "quanto mais cedo melhor".

O especialista recorda que mais de 20 ensaios clínicos analisam como os cuidados paliativos melhoram a qualidade de vida dos doentes e reduzem a ansiedade e a depressãomelhorando o seu estado de espírito. "A medicina paliativa não se concentra apenas no tratamento da doença, mas oferece cuidados holísticos, incluindo a família", assinala. 

Eutanásia e cuidados paliativos

O Dr. Centeno apela à compreensão para os doentes e os seus familiares que pedem ajuda para morrer. Ao mesmo tempo, ele explica que "Quando os ouvimos abertamente, o que eles pedem é a segurança da assistência, ajuda para se livrarem da dor, do medo ou da angústia, e não para prolongarem o seu sofrimento. E em tudo isto, podemos ajudar, afirma.

Na sua conversa, o médico-chefe descreveu a expressão como falsa. cuidados paliativos versus eutanásia".. Na sua opinião, "O que é opcional é eutanizar alguém; esta pessoa vai ser eutanizada, esta pessoa não é, isto é opcional. Alguns querem-no e outros não o querem. No entanto, a medicina paliativa não é opcional. A medicina paliativa é obrigatória..

Continuou a desenvolver o argumento: "A medicina paliativa é para todos, para todos aqueles que sofrem intensamente de uma doença grave. Trata-se de medicina avançada em fim de vida. O que não se pode fazer é não o aplicar. É por isso que os cuidados paliativos são para todos, não para alguns, e são obrigatórias. Não há ninguém, médico, enfermeiro, que se possa aproximar de alguém que está a sofrer no fim da vida e não fazer o que uma equipa de medicina paliativa faz, que é cuidar deles de uma forma holística, trabalhar em equipa com outros, aliviar os sintomas que estão a ter, proporcionar-lhes bem-estar e qualidade de vida"..

A conferência destacou o economia de custos dos cuidados paliativos nos cuidados de saúde, e a falta de investimento em medicina paliativa em Espanha. em comparação com os países europeus.

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.