Recursos

Um navio esculpido em silêncio

O autor conta uma bela história de devoção e detalhe para celebrar a Solenidade de S. José.

Santiago Populín Tais-19 de Março de 2023-Tempo de leitura: 3 acta
san jose barca

- Pai, podes contar-me uma história? Mas uma longa, amanhã é o dia 19 de Março e não há escola.

Rindo, o seu pai respondeu:

- Conhece bem estas datas, não é, Juanito... Bem, vejamos, deixe-me pensar numa enquanto veste o seu pijama.

- Papá, não contes à mamã, mas eu gosto mais das tuas histórias, as dela são um pouco chatas, não têm castelos, não têm batalhas, não têm monstros, e não têm vilão para capturar....

Com uma risada manhosa, o seu pai respondeu:

- Já tenho um, mas desta vez não se trata de castelos, batalhas, monstros ou um vilão para apanhar. Hoje, vou dizer-vos um especial.

- Então, do que se trata?

- Há muitos, muitos anos atrás, vivia numa aldeia humilde um rapaz de cerca de doze anos de idade, muito virtuoso, com um grande coração. Todas as manhãs ajudava o seu pai na sua oficina de carpintaria e às tardes gostava de brincar com os seus amigos. Mas este rapaz tinha uma habilidade muito especial: cada pedaço de madeira ou tronco que encontrava, ele talhava-o e transformava-o em algo útil; por exemplo, um brinquedo, uma colher, ou qualquer outra ferramenta doméstica.

Uma tarde, enquanto caminhava pelo pomar, deparou-se com um grande tronco de oliveira que talvez tivesse caído de uma árvore de um lenhador. Ficou encantado, pois há muito tempo que procurava um daquele tamanho, para poder fazer para si próprio uma pequena bota para guardar as suas ferramentas. Como era um tronco muito pesado, ele foi para casa a toda a velocidade para procurar o carrinho de mão.

Quando regressou, encontrou o tronco intacto e respirou profundamente com grande alívio. A caminho de casa, passou pelo mercado da aldeia para comprar algo que o seu pai lhe tinha encomendado, e enquanto esperava para ser servido, ouviu atrás de si alguns jovens pais lamentando que não tinham dinheiro suficiente para comprar um barco de brincar para o seu jovem filho.

Ele reconheceu essas vozes, ele sabia quem eram. Eram uma família muito pobre que vivia perto do rio, não muito longe da sua casa. A caminho de casa, ele teve uma ideia. Em vez de usar o tronco para fazer a sua bota, pensou em esculpir um barco para dar ao rapaz.

Entrou em sua casa, cumprimentou os seus pais e jantou com eles. Quando os seus pais se foram deitar, foi calmamente para a oficina do seu pai. Lá, ao lado do tronco, todas as suas ferramentas estavam à sua espera, sob o abrigo de uma tocha brilhante. Durante toda a noite ele esculpiu o tronco, e fez um belo barco.

Quando o teve pronto, lixou-o e, antes de o galo se apaixonar, tirou um pedaço de pano do bolso e usou-o para fazer a vela. O céu estava a clarear, e antes das galinhas começarem a agitar-se pelos seus grãos de milho, ele apagou a tocha, pegou no barco e regressou ao seu quarto sem deixar rasto.

Quando sO sol nasceu e enquanto a sua mãe preparava o pequeno-almoço, ele pegou no barco e partiu à pressa. Quando chegou a casa do rapaz, olhou pela janela e não viu qualquer movimento.

Aliviado de ter chegado a tempo, deixou o barco à porta e correu sem ser visto.

À tarde, a sua mãe pediu-lhe que fosse ao rio para encher os jarros de água. Cansado de não ter dormido toda a noite, desceu lentamente até ao rio. Ao mergulhar o cântaro no rio, ficou surpreendido com a queda de um pequeno barco nas suas mãos.

Reconheceu-o - era o que tinha feito toda a noite - tomou-o nas suas mãos, olhou para cima e viu um rapazinho com um grande sorriso a correr na sua direcção para o recuperar.

Ele entregou-lho, e o rapaz disse: "Muito obrigado por pará-lo, pensei que nunca o iria apanhar. Vemo-nos mais tarde.

Ao regressar a casa, com jarras cheias de água e um sorriso no rosto, lembrou-se de palavras que o seu pai lhe tinha dito meses antes: "Filho, nunca te esqueças que há mais alegria em dar do que em receber.

Juanito, esta história está terminada.

Juanito bocejou, como um leão adormecido, e com as mãos a esfregar os olhos, perguntou ao seu pai:

- Pai, qual era o nome daquele rapaz? Ele fez algo de bom e sem que ninguém soubesse que era ele?

O seu pai, sorrindo e olhando para ele com afecto, respondeu:

- O nome dessa criança era Joseph.

O autorSantiago Populín Tais

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.