Vaticano

O Papa Francisco e os ministérios leigos

O Papa Francisco convidou as Conferências Episcopais a partilhar as suas experiências de como os ministérios leigos se têm desenvolvido nos últimos 50 anos.

Ricardo Bazán-30 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
catequistas

Foto: Instituição dos primeiros-ministros da catequese pelo Papa ©CNS foto/Remo Casilli, Reuters

A 24 de Agosto, o Papa Francisco publicou uma carta a toda a Igreja por ocasião do 50º aniversário do motu proprio de São Paulo VI, Ministeria quaedamem que o papa instituiu o ministérios leigos. Neste caso, Francisco convida-nos a reflectir sobre os ministérios, ou seja, certas funções que alguns dos fiéis desempenham na Igreja.

Nessa ocasião, o Papa Montini pôs fim a um período na Igreja em que a entrada no estado clerical se fazia por tonsura, acto que consistia em cortar um pouco do cabelo do candidato a ordens sagradas, que eram divididas em ordens menores e ordens maiores. Desde a entrada em vigor de Ministeria quaedamEm 1 de Janeiro de 1973, os ministérios de leitor e acólito podiam ser conferidos não só aos candidatos ao sacerdócio, mas também aos fiéis leigos.

Ministérios acessíveis aos leigos

Francisco introduziu algumas mudanças de acordo com as linhas dos ministérios instituídos por Paulo VI. Por um lado, em 10 de Janeiro de 2021, foi publicado o motu proprio Spiritus Domini, que permitiu a atribuição do lectorado e do acólito às mulheres. Por outro lado, em 10 de Maio do mesmo ano, foi publicado o motu proprio Antiquum ministeriumque criou o ministério do catequista. Portanto, o pontífice aponta, é uma questão de aprofundar a doutrina dos ministérios e não uma ruptura, porque já desde o início da Igreja encontramos vários ministérios, dons do Espírito Santo para a edificação da Igreja. Estes ministérios são assim orientados para o bem comum da Igreja e para a construção da comunidade.

Nesta carta, Francisco adverte que os ministérios não podem estar sujeitos a ideologias ou adaptações arbitrárias, mas são fruto de discernimento na Igreja, seguindo o exemplo dos apóstolos que acharam necessário substituir Judas para que o Colégio Apostólico estivesse completo.

Assim, os pastores da Igreja devem discernir o que a comunidade necessita num dado momento, guiados pelo Espírito Santo, e devem fazer adaptações destinadas a cumprir a missão que Cristo confiou aos apóstolos, uma missão sobrenatural, que visa a santificação.

Portanto, não é uma questão de criar ministérios para que todos na Igreja tenham algo a fazer durante a Missa, mas de servir, que é o que a palavra ministério significa, e de contribuir para a construção da Igreja, cada um de acordo com o seu estado.

Aqui somos confrontados com um perigo latente na Igreja, a clericalização dos leigos, ou seja, a atribuição de certas funções aos leigos, algumas delas próprias do estado clerical, como se os leigos não tivessem uma função própria. Assim, a definição do Código de Direito Canónico é muito pobre na definição dos leigos, ao assinalar que os leigos são aqueles que não são clérigos nem consagrados (cfr. 207 § 1).

Por outro lado, a Constituição dogmática Lumen Gentium apresenta o que os leigos realmente são: "Cabe aos leigos, pela sua própria vocação, procurar obter o reino de Deus, gerindo os assuntos temporais e ordenando-os segundo Deus. Vivem no mundo, ou seja, em todos e cada um dos deveres e ocupações do mundo, e nas condições ordinárias da vida familiar e social, com as quais a sua existência está como que entrelaçada. Aí são chamados por Deus, para que, no exercício da sua própria profissão guiados pelo espírito do Evangelho, possam contribuir para a santificação do mundo a partir de dentro, à maneira de fermento". (Lumen Gentium, n. 31).

Com estas ideias em mente, o Papa Francisco convida as Conferências Episcopais a partilhar as suas experiências de como estes ministérios instituídos por Paulo VI ao longo dos últimos 50 anos, bem como o recente ministério do catequista, bem como ministérios extraordinários, por exemplo, o ministro extraordinário da Comunhão, e aqueles de facto, quando uma paróquia organiza para alguns dos fiéis as leituras da Missa ou ajuda na celebração da Eucaristia, sem terem sido oficialmente instituídos como conferencistas ou acólitos, têm sido realizados.

Resta saber quando e como este diálogo ou troca de experiências terá lugar, esperemos que segundo as duas linhas indicadas pelo Papa na sua carta, o bem comum e a construção da comunidade, ou seja, a Igreja de Cristo.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.