Vaticano

"O trabalho é essencial na vida humana e é o caminho para a santificação".

O Papa Francisco reflectiu sobre a obra de São José e como Jesus aprendeu o mesmo ofício com o seu pai. Disse que o trabalho não é "apenas para ganhar um modo de vida adequado", mas é sobretudo "um caminho de santificação".

David Fernández Alonso-12 de Janeiro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
audiência papa francisco trabalho san jose

Foto: ©2021 Catholic News Service / U.S. Conference of Catholic Bishops.

"Os evangelistas Mateus e Marcos definem José como um "carpinteiro" ou "marceneiro". Ouvimos recentemente que o povo de Nazaré, ao ouvir Jesus falar, se perguntou: "Não é este o filho do carpinteiro? Mc 6,3). Jesus praticou o ofício do seu pai". Foi assim que o Santo Padre Francisco iniciou a sua catequese na quarta-feira 12 de Janeiro na Sala Paulo VI.

O Papa reflectiu sobre o ofício de José: "O termo grego tektonusado para indicar o trabalho de Joseph, tem sido traduzido de várias maneiras. Os Padres Latinos da Igreja tornaram-no "carpinteiro". Mas tenhamos em mente que na Palestina do tempo de Jesus a madeira era utilizada não só para fazer arados e vários tipos de mobiliário, mas também para construir casas, que tinham janelas de madeira e telhados de terraço feitos de vigas ligadas entre si com ramos e terra.

"Portanto, "carpinteiro" ou "marceneiro" era uma qualificação genérica, indicando tanto os artífices da madeira como os trabalhadores envolvidos em actividades relacionadas com a construção. Foi um comércio bastante duro, tendo de trabalhar com materiais pesados como madeira, pedra e ferro. Do ponto de vista económico, não garantiu grandes ganhos, como se pode deduzir do facto de Maria e José, quando apresentaram Jesus no Templo, oferecerem apenas um par de rolas ou pombos (cfr. Lc 2,24), como prescreve a Lei para os pobres (cfr. Lv 12,8)".

Papa Francisco durante a audiência geral na Sala Paulo VI no Vaticano, 12 de Janeiro de 2022. (fotografia CNS/Paul Haring)

Em relação a Jesus na adolescência, o Papa diz que "aprendeu este ofício com o seu pai". É por isso que, quando adulto começou a pregar, os seus espantados compatriotas se perguntavam: "Onde é que este homem foi buscar esta sabedoria e estes milagres?Mt 13,54), e foram escandalizados por causa dele (cf. v. 57)".

"Esta informação biográfica sobre José e Jesus" fez o Papa pensar, disse, "em todos os trabalhadores do mundo, especialmente os que trabalham arduamente nas minas e em certas fábricas; os que são explorados através do trabalho não declarado; as vítimas do trabalho; as crianças que são forçadas a trabalhar e os que procuram algo útil para trocar... Mas também penso naqueles que estão sem trabalho; aqueles cuja dignidade é justamente ferida porque não conseguem encontrar um emprego. Muitos jovens, muitos pais e muitas mães vivem o drama de não ter um emprego que lhes permita viver serenamente. E muitas vezes a busca torna-se tão dramática que os leva ao ponto de perder toda a esperança e desejo de vida. Nestes tempos de pandemia, muitas pessoas perderam os seus empregos e algumas, esmagadas por um fardo insuportável, chegaram ao ponto de tirar as suas próprias vidas. Hoje gostaria de me lembrar de cada um deles e das suas famílias.

O trabalho, salientou o Santo Padre, "é uma componente essencial na vida humana, e também no caminho da santificação". É também um lugar onde nos experimentamos, nos sentimos úteis e aprendemos a grande lição da concretude, que ajuda a garantir que a vida espiritual não se transforma em espiritualismo. Mas infelizmente o trabalho é frequentemente refém da injustiça social e, em vez de ser um meio de humanização, torna-se uma periferia existencial. Pergunto-me frequentemente a mim próprio: em que espírito nos dedicamos ao nosso trabalho diário, como é que enfrentamos o cansaço, será que vemos a nossa actividade ligada apenas ao nosso destino ou também ao destino dos outros? Na verdade, o trabalho é uma forma de expressar a nossa personalidade, que é por natureza relacional".

"É belo", concluiu Francisco, "pensar que o próprio Jesus trabalhou e que aprendeu esta arte com São José". Hoje temos de nos perguntar o que podemos fazer para recuperar o valor do trabalho; e que contribuição, como Igreja, podemos dar para que ele possa ser resgatado da lógica do mero lucro e possa ser vivido como um direito e dever fundamental da pessoa, que expressa e aumenta a sua dignidade".

O Papa quis rezar com os presentes a oração que S. Paulo VI elevou a S. José a 1 de Maio de 1969:

"Oh, São José,
santo padroeiro da Igreja,
você que, juntamente com o Verbo encarnado
trabalhou todos os dias para ganhar o seu pão,
encontrando n'Ele a força para viver e trabalhar;
vós que sentiste a inquietação de amanhã,
a amargura da pobreza, a precariedade do trabalho;
você que hoje mostra o exemplo da sua figura,
humilde perante os homens,
mas muito grande perante Deus,
protege os trabalhadores na sua dura existência quotidiana,
defendê-los do desânimo,
da revolta negacionista,
e da tentação do hedonismo;
e salvaguarda a paz do mundo,
aquela paz que, por si só, pode garantir o desenvolvimento dos povos. Ámen
"

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.