Mundo

O Natal e outras devoções em África

Véspera de Natal, Dia de Natal, Quarta-feira de Cinzas e Quaresma são algumas das datas litúrgicas que os cristãos do continente africano mais cuidam.

Martyn Drakard-23 de Dezembro de 2021-Tempo de leitura: 3 acta

Foto: Laura Nyhuis / Unsplash

Entre os cristãos africanos, os principais festivais cristãos são celebrados em grande escala. No seu livro mais conhecido, Memórias de África, Karen Blixen descreve uma típica missa de véspera de Natal na missão francesa perto de Nairobi, acompanhada pelo tímido rapaz Kikuyu Kamante, que deu uma mão a tudo na sua quinta, mas que, enquanto recebia tratamento médico na missão presbiteriana escocesa, tinha sido avisada da estátua de uma mulher na missão católica, enquanto recebia tratamento médico na missão presbiteriana escocesa tinha sido avisado sobre a estátua de uma mulher na missão católica e tinha medo de assistir, mas foi conquistado pelo ambiente festivo, o presépio "fresco de Paris", as centenas de velas e a congregação alegremente vestida, e perdeu todo o seu medo.

A tradição da missa da meia-noite continua a prosperar aqui, embora algumas paróquias nas grandes cidades as tenham suspendido por medo da insegurança. São preparados com bastante antecedência e aguardados com grande expectativa. Uma natividade é um grande acontecimento em África, e a Natividade do Menino Jesus tem o seu sabor único, que nunca decepciona, e os fiéis querem estar lá à meia-noite para acolher novamente o 25º.
Mas o Natal é um dia de presentes, o dia do ano em que todos os membros da família se reúnem para celebrar, um dia de histórias e memórias.

Em África, "família" significa a família alargada, que normalmente é bastante grande. E "Natal" significa a semana que precede o Dia de Ano Novo, um tempo de descanso, de visitas de familiares, vizinhos, amigos, de generosidade e de hospitalidade aberta. É também uma época de lucros rápidos para meios de transporte privados, autocarros, táxis públicos que duplicam as suas tarifas, contando com o desespero dos habitantes da cidade para chegarem a casa a tempo das férias. É a única época do ano em que uma capital barulhenta e frenética como Nairobi experimenta paz e sossego.

A longa massa da Vigília Pascal é também amplamente observada, mas talvez a mais significativa seja a Paixão da Sexta-feira Santa. Kampala, a capital do Uganda, por exemplo, acolhe uma Estação Ecuménica da Cruz através do centro da cidade. Além disso, cada igreja católica tem as suas próprias Estações da Cruz, culminando em cerimónias de Sexta-feira Santa, e muitas tentam encaixar numa visualização de A Paixão de Cristo de Mel Gibson.

Nas aldeias, as Estações da Cruz ocupam uma grande parte do dia, e um homem (ou uma mulher, se não houver homem para se voluntariar) carrega uma pesada cruz durante vários quilómetros através da aldeia, através dos campos e sobre as cristas, como se dissesse: Jesus Cristo carregou a sua; o que eu sofro é pequeno em comparação. E isto, frequentemente no meio da estação das chuvas.

Mas talvez mais marcante de tudo é a seriedade dada à Quarta-feira de Cinzas, tal como é celebrada nas igrejas católicas. Não é uma festa de obrigação, e mesmo assim pode ser o dia do ano litúrgico que atrai mais pessoas, e não apenas católicos. Neste dia os párocos têm de organizar muitas mais missas. E qual é a atracção? As cinzas e o que parecem simbolizar: contrição, pecado, perdão, a natureza transitória desta vida e morte actual; e também a afirmação da identidade como católico. As pessoas são movidas pelas palavras: Homem, pó és tu, e ao pó voltarás. Tornou-se uma tradição tal que os empregadores não só permitem aos seus empregados tempo livre para assistir à missa, mas alguns até os lembram de assistir. Acontece também que, se os fiéis falham a missa propriamente dita, vão ao padre à noite pedir "cinzas".

Os africanos não se abstêm de jejuar durante a Quaresma, e não só de desistir de doces e chocolate durante este período. A receita da Igreja sobre a quantidade de alimentos que podem ser consumidos em dias de jejum faz pouco sentido aqui, tal como a abstenção de carne. Para a maioria dos fiéis, a carne já é um luxo. A maioria da população come quando tem fome, se pode, e há muito que está habituada a comer uma refeição por dia, simplesmente porque não pode pagar duas ou mais refeições. No entanto, quer o jejum seja por necessidade ou devoção, os fiéis levam-no a sério, e pode incluir não beber água durante muitas horas. A Quaresma aqui tem lugar durante a estação mais quente e seca do ano, imediatamente antes das chuvas em torno da Páscoa.

Finalmente, a morte é tratada com grande solenidade. É um sério dever social e comunitário assegurar que o falecido receba um "adeus digno" à vida após a morte. Quando as circunstâncias o permitem, a família e os amigos assistem ao velório. Por vezes os seus louvores são cantados no serviço fúnebre, literalmente em alguns lugares, e há danças; elogios e discursos elogiando a sua vida, a sua contribuição para a comunidade ou país, e as suas virtudes ocuparão grande parte do dia. Qualquer outra coisa é considerada desrespeitosa e vergonhosa.

A África pode estar atrasada e desactualizada em muitos aspectos, mas no essencial, pode ter acertado.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.