Espanha

Bispo Jesús Vidal: "Para o sacerdócio é necessário agarrar a graça".

Omnes-4 de Abril de 2018-Tempo de leitura: 10 acta

O número de seminaristas principais aumentou em Espanha em 9 % neste ano académico 2017-2018, de acordo com dados publicados por ocasião do Dia do Seminário. Há 1.263 aspirantes ao sacerdócio, e 189 deles estão em Madrid. Falámos com o reitor do Seminário de Madrid, e desde 17 de Fevereiro o bispo auxiliar de Madrid.

TEXTO - Alfonso Riobó

Jesús Vidal, natural do bairro da Ciudad Lineal de Madrid, é licenciado em Economia e Estudos Empresariais, e gosta de ler e de passeios nas montanhas. A sua ordenação episcopal teve lugar em Fevereiro, mas ele ainda é reitor do Seminário de Madrid. Esta conversa centra-se, acima de tudo, na questão das vocações sacerdotais e da sua promoção e formação.

Antes de mais, parabéns pela sua ordenação episcopal, o que significa para si esta responsabilidade?

-Para mim significa uma chamada dentro da chamada, como disse aos seminaristas quando lhes disse que o Papa me tinha nomeado bispo auxiliar para Madrid. E também um aprofundamento da história de amor que é a história vocacional que Deus está a fazer comigo. É assim que eu o definiria, em substância: um apelo dentro do apelo, para continuar a dar-me e a desdobrar o trabalho que Deus está a fazer comigo.

Nesta "história vocacional", houve um momento particular em que tomou consciência da sua vocação cristã? E quando descobriu a chamada para o sacerdócio?

-A consciência do apelo cristão veio sobretudo no processo de formação para a Confirmação, quando comecei a entrar na vida cristã. A própria confirmação foi um momento muito bonito, o que me ajudou muito; fui confirmado pelo que é agora o bispo de Granada. Depois continuei a colaborar na paróquia como catequista, participando nos grupos da Cáritas... Como era uma pequena paróquia, com poucos jovens, permitiu-me colaborar em vários lugares e em diferentes áreas. Foi aí, na comunhão da vida quotidiana da Igreja, que a relação com Jesus Cristo se tornou mais vívida. E foi precisamente nesse momento que os primeiros sinais de uma vocação começaram a aparecer no meu coração. Demorei algum tempo a reconhecê-lo, e só aos 21 anos é que cedi a esta chamada em que o Senhor insistia.

¿Teve a ajuda de um padre para o acompanhar?

-Para mim, precisamente por causa da minha própria resistência, tive medo de falar sobre estes sinais e as dicas de Deus que ouvi. É por isso que devo falar mais da presença de um padre do que de um acompanhamento; ou pelo menos de um acompanhamento que respeitasse muito a minha liberdade, de um seguimento distante. Tenho a certeza que o padre viu em mim os traços de uma vocação e acompanhou-me à distância: convidou-me a acompanhá-lo a algum lado, tornei-me próximo dele. Mas, além disso, para mim o acompanhamento de leigos na descoberta de uma vocação sacerdotal foi muito importante. Eram leigos que viviam uma fé muito profunda, e que me encorajaram a viver a minha relação com Jesus Cristo com essa profundidade, e depois descobri que o Senhor me chamava para outra coisa.

Pouco antes da vossa ordenação episcopal, o Papa recebeu-vos e aos outros dois novos bispos auxiliares de Madrid. Deu-lhes alguma indicação?

-O que ele fez foi agradecer-nos por termos aceite esta missão que nos estava a confiar, e acrescentou a indicação de que devíamos ajudar o Arcebispo, Dom Carlos Osoro: que devíamos estar unidos a ele e fazer viver a comunhão com ele; foi por isso que ele nos nomeou, para ajudar o Cardeal na evangelização de Madrid.

O Papa concentra-se nas periferias, não apenas nas materiais, o apelo à evangelização. Em Madrid, onde está esta necessidade prioritária?

-A necessidade actual em Madrid é de que a Igreja esteja presente em todo o lado. Madrid é uma cidade tão grande e anónima que pode acontecer que uma pessoa não tenha um contacto real com a Igreja, ou com um padre. Podem ter contacto com cristãos que estão à sua volta, na universidade ou no trabalho, mas que muitas vezes vivem a sua fé de uma forma algo escondida: vão à Eucaristia dominical ou têm alguma relação com a paróquia, mas esta não é visível.

Por outro lado, a presença do bispo é uma presença visível da Igreja. Don Carlos disse com razão na sua homilia na nossa ordenação que espera que o ministério episcopal se espalhe pela diocese como visibilidade, juntamente com todo o corpo da Igreja: sacerdotes, consagrados e leigos. Desta forma, pode tornar-se uma visibilidade capilar da Igreja de Madrid.

Os seus dois anos como reitor do Seminário são, sem dúvida, uma experiência útil?

- penso que é uma experiência para todos: enquanto cada um lê a sua própria história vocacional, ele vê como Deus a tem tecido em conjunto. Creio verdadeiramente que sim, foi uma graça ter passado estes dois anos no Seminário. Serviu-me principalmente para aprofundar o mistério da vocação cristã e, em particular, a vocação sacerdotal, bem como para regressar às raízes da minha vocação como um serviço. Ao formar seminaristas neste serviço ao povo de Deus, revitalizei este apelo.

¿Qual é a situação actual do Seminário de Madrid?

-O Seminário de Madrid tem experimentado uma grande vitalidade durante os últimos 30 anos. Não houve mudanças abruptas, mas sim uma bela evolução, com os sinais dos tempos.

Está num momento muito bom. Há uma boa atmosfera; há confiança e desejo de santidade, de dar a própria vida, de ser sacerdotes santos para o mundo de hoje, e ao mesmo tempo sacerdotes próximos e simples, de acordo com o que os Papas nos pediram recentemente.

É um lugar onde ocorre uma boa formação, onde a relação entre seminaristas e formadores é cordial e positiva, e onde muitos jovens vêm, acompanhados por padres, para discernir se o que estão a perceber é um apelo ao sacerdócio.

Como está a evoluir o número de seminaristas?

-É preciso lembrar que os números de um único ano podem ser enganadores. É normal que, num Seminário, haja altos e baixos. Os anos em que muitos padres são ordenados, os números do Seminário descem, e os anos em que poucos padres são ordenados, os números sobem; além disso, os cursos são muito diferentes uns dos outros e não são muito homogéneos.

Em Madrid existem actualmente 125 seminaristas, contando todas as etapas, o que corresponde à mesma média dos últimos anos. Graças a Deus, nos últimos anos, temos tido muitos padres ordenados. No ano passado foram 13, e este ano foram 15.

O contexto social é muito variado e, no que diz respeito à idade, existem três grupos claros, cada um constituindo cerca de um terço do total: um grande grupo de seminaristas vindos directamente da escola secundária; um segundo grupo que estudou na Universidade e entrou no Seminário nos seus últimos anos de estudos ou após alguns anos de experiência profissional; e finalmente, um grupo um pouco mais pequeno mas também significativo de pessoas que têm mais experiência de trabalho.

À luz destas experiências, que característica da formação dos seminaristas deve merecer uma atenção especial?

-Hoje em dia, a educação humana é de grande importância, e esta é a mais recente Ratio Institutionis da Santa Sé. Hoje é necessário que o sacerdote seja um homem capaz, um homem livre, que possa agarrar a graça e colaborar com ela, para que Deus o possa formar.

A par desta dimensão humana, a "integralidade" é importante, ou seja, que todas as dimensões da formação - intelectual, espiritual, pastoral - estejam integradas na pessoa, de tal forma que ela seja uma pessoa equilibrada, capaz de entrar em relações vivas, relações de comunhão, através das quais Deus alcança as pessoas.

No processo de implementação do Rácio Em Espanha, o que deve ser destacado?

-Uma primeira observação é que estamos no caminho certo. Ao ler o Rácio podem ser encontradas semelhanças com o que já experimentamos nos Seminários; de facto, acredito que a maioria dos elementos já estão muito integrados nos nossos Seminários.

Um elemento que talvez deva ser destacado do Relação, e sobre a qual temos de continuar a aprofundar, é a preparação prévia ao Seminário. O documento encoraja-nos a fazer uma verdadeira preparação e a não ter pressa em ordenar sacerdotes. A própria idade de maturidade é mais velha, como é confirmado pelo facto de os jovens começarem geralmente o casamento e a vida profissional alguns anos mais tarde.

Não se deve ter pressa, mas também não se deve atrasar desnecessariamente a ordenação. O que temos de fazer é lançar as bases muito antes de entrar no Seminário, para que a formação dada no Seminário possa ser bem integrada em todas as dimensões da pessoa.

Outra característica que creio que precisa de ser mais desenvolvida é a dimensão comunitária da formação. Os seminários devem ser lugares suficientemente preparados para uma vida comunitária intensa entre os seminaristas, e suficientemente grandes para que a experiência comunitária seja uma boa experiência. Os sacerdotes terão então de ser homens de comunhão nas paróquias. Por conseguinte, acredito que estas duas características, integralidade e comunhão, são importantes.

As responsabilidades do padre são muito variadas, e a sua formação deve abranger muitos aspectos. O padre tem de ser capaz e saber tudo?

-Não. Não é necessário que o padre seja um "Super-Homem". Ele é um homem chamado por Jesus Cristo para ser o pai de uma família, a família eclesial.

Não é preciso saber tudo. No Seminário não se pode aprender tudo, e não se sai dele.  do Seminário sabendo tudo, tal como não se sai da universidade sabendo tudo o que se precisa para trabalhar, e é muito importante continuar com a formação contínua depois. Depois, nas diferentes missões em que a Igreja os confia, os padres podem descobrir as competências necessárias, cuidando deles, fomentando-os, fazendo-os crescer.

Além disso, a co-responsabilidade dos leigos é extremamente importante. Há muitos lugares na paróquia, na Igreja, na vida diocesana em que os leigos têm um papel fundamental, porque são chamados a fazê-lo. E a missão do sacerdote será ser a presença de Cristo e um lugar de comunhão para que o corpo da Igreja possa ser gerado, no qual os leigos possam desenvolver todas as suas capacidades.

Mesmo antes da questão explícita da vocação, há as famílias...

-O trabalho feito na família e na escola é muito importante. É necessário que os jovens tenham uma experiência de vida cristã quando entram no Seminário, uma experiência de seguimento de Jesus Cristo, para que esta possa ser integrada com toda a configuração para o ministério sacerdotal. É muito importante que tudo isto possa ter lugar na família e na escola.

Que conselho daria a alguém que descobrisse num filho ou neto um sinal de vocação sacerdotal?

-Eu diria três coisas. Em primeiro lugar, a primeira coisa para que as vocações surjam nas famílias é que as famílias tragam os seus filhos a Jesus Cristo. Que os colocam verdadeiramente perante Jesus Cristo, na confiança de que o que Ele quer para eles será o melhor. Em segundo lugar, que tentem estar próximos dos padres: que convidem os padres para as suas refeições, que tenham uma relação normal com eles e que os seus filhos percebam a figura do padre como próxima e acessível.

E, em terceiro lugar, que podem aproximar-se dos lugares da diocese que estão preparados para acompanhar estas vocações: o seminário menor, a escola para acólitos... Há momentos diferentes em que os jovens podem aproximar-se e descobrir que o que estão a perceber não é algo estranho, mas que outros jovens também o percebem.

E o seu conselho a um padre que viu sinais de vocação sacerdotal?

-Eu diria que é necessária muita paciência, ainda que os padres já o saibam. A paciência é necessária para o jovem avançar, para o acompanhar no diálogo com a sua própria vocação. Há que ter em conta que se trata de uma vocação algo contra-cultural e, portanto, o jovem que vive num contexto escolar ou universitário tem de aceitar o que esta mudança significará para ele.

Talvez me possa lembrar que eventos como as Jornadas Mundiais da Juventude são muito importantes, porque tendem a catalisar toda a experiência que o jovem acumulou. Ao mesmo tempo, porém, não são suficientes, porque o que foi vivido num evento deste tipo deve enraizar-se na vida cristã, entrar profundamente e preencher toda a vida. Caso contrário, poderia ser uma casa construída sobre areia, sobre uma experiência única, mas depois desmoronar-se em tempos de dificuldade.

Com paciência, recomendo a confiança na Igreja, para que a semente da vocação que Jesus Cristo plantou a partir de dentro se apodere e abrace toda a vida do jovem. Desta forma, a vocação não será como um fato que se veste de fora mas onde não se sente confortável, mas como uma semente que é plantada por dentro e que cresce de dentro, como a árvore da parábola do Evangelho, para que no futuro muitos possam aninhar-se nela.

Portanto, os leigos e os padres partilham uma responsabilidade.

-Os leigos não são simplesmente um apoio para o padre, mas têm o seu próprio lugar na vida da Igreja. Quando São João Paulo II escreveu o Christifideles laici, refere-se à parábola da vinha e dos trabalhadores. Somos todos chamados a trabalhar na mesma vinha, de formas diferentes próprias do sacerdote, do consagrado e da pessoa leiga. Mas todos eles têm o seu próprio valor, que é o valor do baptismo.

Por conseguinte, os leigos têm de participar, em primeiro lugar, na realidade deste mundo. São eles, como o sal da terra, que têm de tornar presente o sabor do Evangelho nas empresas, na educação, nas escolas públicas, na política, na economia... Digo muitas vezes aos leigos que, por exemplo, trabalham numa empresa e não sabem o que lá podem fazer, que são a luz que o Senhor ali colocou e que têm de iluminar todos os que os rodeiam. Ao mesmo tempo, devem também colaborar na missão evangelizadora do corpo visível da Igreja.

Combinar e coordenar estes dois elementos é fundamental para que na vida dos leigos, através da vocação para o trabalho e da vocação para a família, se desenvolva a verdadeira vocação secular que eles têm.

Em Madrid, a presença da vida consagrada é relevante. Qual é hoje o seu espaço?

-O espaço para a vida consagrada é fundamental. Após o Concílio Vaticano II, a vida religiosa está numa viagem de reflexão e renovação. O seu lugar é tornar a vida de Cristo presente às pessoas através da profissão dos conselhos evangélicos e com um olhar escatológico, dirigido para o fim dos tempos, mostrando-nos o que é realmente o homem.

Portanto, em vez de falar de acções, deveríamos falar de essências: o que é a vida consagrada? E eu acredito que o seu papel é fundamental. Precisamos que esta forma de vida de Cristo seja visível no meio das pessoas. Todas as pessoas consagradas, quer estejam no claustro e na vida contemplativa ou no meio do mundo a cuidar dos pobres, tornam esta forma de vida de Cristo presente nas diferentes esferas da realidade.

O Sínodo da Juventude terá lugar em breve, o que espera e como se está a preparar para o Sínodo?

-Preparo-me rezando para que dê frutos, porque penso que é importante que ouçamos os jovens, não apenas para ver o que eles querem, mas para ouvir os seus desejos mais profundos. O Papa insiste na importância de ouvir os jovens, não com a intenção de encontrar soluções práticas, mas para ouvir o anseio de Verdade, de Beleza, de plenitude que está no coração dos jovens. Desta forma, seremos capazes de responder juntamente com eles, e eles encontrarão a promessa de plenitude que está em seguir Cristo.

Os novos bispos auxiliares de Madrid procurarão estar próximos dos padres, como já disseram. O que significa este desejo em termos concretos?

-O Cardeal Arcebispo definiu uma linha de acção fundamental para nós: visitas pastorais. Estamos a conceber um projecto para começar o mais cedo possível, o que nos permitirá abordar a comunidade cristã através deles, especialmente o padre, o nosso colaborador neste ministério, que são os que lá estão, servindo a comunidade cristã na fronteira. Queremos encorajá-los a reacender o espírito de dedicação, de seguimento e de configuração a Jesus Cristo.

E também toma a forma de uma disponibilidade absoluta do nosso horário. Temos de ser claros que, se um padre nos chama, a resposta tem de estar no topo da nossa agenda. n

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.