Cultura

Líbano: um país à beira do abismo

Nos últimos anos, abalado pela crise económica, as explosões de 2020, o Líbano enfrenta um cenário difícil. As últimas eleições mostram um país que está a lutar para mudar mas que perdeu a confiança e onde o papel das comunidades cristãs continua a ser crucial para o seu destino.

Gerardo Ferrara-7 de Junho de 2022-Tempo de leitura: 6 acta
líbano

Foto: Charbel Karam / Unsplash

Tradução do artigo para inglês

A ocupação síria de Líbano só terminou em 2005, quando a ADF (Disbandment Force) teve de abandonar o país na sequência de protestos, conhecidos como a Revolução de Cedro, resultantes da brutal tentativa de assassinato do antigo Primeiro-Ministro Rafiq Hariri, pela qual Damasco, cujo regime era abertamente hostil a Hariri, foi culpado. Duas coligações políticas surgiram a partir destes protestos.

O primeiro, a Aliança de 14 de MarçoAs Falanges libanesas, um partido Maronita histórico agora presidido por um expoente da histórica família Gemayel, Sami (neto do famoso Bashir, filho de Amine e irmão de Pierre Amine, os dois primeiros presidentes da república, o último expoente da Aliança 14 de Março, todos assassinados em vários ataques); As Forças Libanesas, outro partido maronita (presidido pelo seu fundador e antigo miliciano Samir Geagea); O Futuro, um partido sunita, dissolvido pelo seu fundador Saad Hariri, filho de Rafiq, quando se demitiu em 2021 da presidência do governo e se retirou da cena política. Esta aliança é caracterizada pelas suas posições anti-sírias e anti-iranianas e pela sua proximidade com a Arábia Saudita e o Ocidente.

A segunda, a Aliança de 8 de MarçoO Movimento Patriótico Livre, o partido do actual e disputado presidente maronita da República, Michel Aoun; Amal (o movimento político xiita ligado ao Hezbollah) e outros, conhecidos pela sua hostilidade a Israel e pelas suas posições abertamente pró-sírias, ou melhor, pró-iranianas.

Desde então, apesar da instabilidade endémica na região e no próprio país (sendo um exemplo a segunda guerra do Líbano em 2006, com a invasão de Israel após o lançamento de mísseis do Hezbollah no seu território a partir do sul do país), o Líbano, com a sua reconstrução pós-guerra, parecia estar a recuperar lentamente.

A crise económica e as explosões de 2020

No entanto, uma nova e devastadora crise económica (descrita pelo Banco Mundial como "uma das três piores crises que o mundo conheceu desde meados do século XIX"), que levou a numerosos protestos em 2019 e à alternância de governos e presidentes a favor ou contra o Hezbollah, a emergência sanitária relacionada com a COVID19 e, finalmente, a notória e tremenda explosão que, a 4 de Agosto de 2020, destruiu o porto de Beirute e devastou os bairros circundantes (predominantemente cristãos), matando mais de 200 pessoas e deixando 300.000 sem abrigo, deixaram o país num estado de crise.300.000 sem-abrigo, trouxeram o país à beira do abismo.

Estima-se que mais de 160.000 pessoas tenham migrado do Líbano (somando à já grande diáspora libanesa no estrangeiro entre 4 e 8 milhões de pessoas, principalmente cristãos, embora algumas estimativas coloquem o número em quase 14 milhões, o dobro do número de libaneses que vivem no país), para não mencionar o facto de o país acolher centenas de milhares de refugiados sírios e palestinianos que, juntamente com o já enorme número de cidadãos libaneses que vivem abaixo do limiar da pobreza, estão a transformar a Terra dos Cedros num barril de pólvora.

Crises políticas e eleições

As questões acima referidas levaram à queda e alternância, entre 2018 e 2021, de vários governos: Saad Hariri, Hassan Diab, Hariri novamente, e finalmente Najib Mikati, e à ascensão de um movimento empenhado em alterar o equilíbrio parlamentar, combatendo a corrupção endémica (também ligada ao confessionismo e ao tribalismo) e fornecendo soluções concretas para a crise económica.

Contudo, este mesmo movimento não conseguiu federar-se sob uma única ala política e impor-se a nível nacional, embora, pela primeira vez na história do país, as recentes eleições legislativas de 15 de Maio de 2022 tenham mostrado a sombra de uma possível mudança.

A campanha eleitoral e o debate político, de facto, trouxeram para a ribalta quatro questões-chave nas quais a votação girou em torno: A interferência do Hezbollah e do Irão; a "neutralidade positiva" do país, como proposto e compreendido pelo patriarca maronita Bechara Boutros Raï; a crise bancária e financeira; a reforma judicial e a luta contra a corrupção, para lançar luz sobre as causas da deflagração do porto de Beirute de 4 de Agosto de 2020 (o Hezbollah, aliás, sempre se opôs a uma investigação formal e objectiva sobre estes trágicos acontecimentos).

O quadro que emerge à luz dos resultados finais, porém, é um quadro de um país que luta pela mudança e que perdeu a confiança. O abstencionismo dominava em todo o lado, mesmo nos feudos do Hezbollah: uma mensagem clara de desconfiança em relação à classe dominante.

Em qualquer caso, o presidente cessante, Michel Aoun, viu os seus próprios deputados eleitos serem reduzidos para metade (o seu partido é predominantemente maronita, mas aliado com Amal e Hezbollah), ultrapassado pelas Forças Libanesas de Geagea, a sua arqui-rival, que se tornou o principal partido cristão do Líbano. A propósito, uma derrota parcial, também para Amal e o próprio Hezbollah, uma vez que no sul do Líbano foram eleitos um bastião xiita histórico, um druso e um cristão de uma facção diferente.

O papel dos cristãos

O coração espiritual e cultural do Líbano, dissemos, é certamente cristão, especialmente se pensarmos nos principais centros espirituais do país, que são o vale Qadisha (o sagrado) no norte do país, o verdadeiro fulcro do cristianismo siríaco e a Igreja Maronita (do rito siro-antioceno).

A Igreja Maronita, em comunhão com Roma, toma o seu nome do seu fundador, São Maron, e tem a sua sede histórica no verde vale de Qadisha, repleto de antigos mosteiros, ambientados como pérolas na rocha e convertidos, com o passar do tempo, centros (um pouco como os mosteiros beneditinos na Europa) de conhecimento (a primeira tipografia no Líbano foi construída num deles), arte, cultura, vários ofícios (incluindo a agricultura, especialmente a agricultura em socalcos), sabedoria espiritual, e proximidade com o povo.

Prova disso é a grande devoção que todos os libaneses, cristãos e muçulmanos, sentem pelos santos locais (por exemplo, o famoso St Charbel Makhlouf, St Naamtallah Hardini, St Rafqah), cujos santuários são o destino de incessantes peregrinações inter-religiosas e inter-religiosas.

As recentes eleições também confirmaram que o papel das comunidades cristãs continua a ser crucial para o destino do país. De facto, também graças à contribuição dos cristãos e do Presidente Michel Aoun, a maioria que emergiu das eleições anteriores de 2018 tinha empurrado o país para a órbita xiita, sob a égide do Irão, neste caso, com a afirmação dos partidos cristãos referindo-se à Aliança de 14 de Março, o Líbano podia aproximar-se da Arábia Saudita, de Israel e, por extensão, do bloco ocidental. Tudo isto, porém, se for possível formar um governo, dada a incapacidade de criar uma maioria parlamentar adequada, com a perspectiva de mais paralisia política e a estagnação, se não mesmo de agravamento, da crise actual.

Entre outras coisas, a peculiaridade libanesa no mundo árabe-islâmico não é apenas a de ter institucionalizado a presença cristã a nível político, mas também a de ver, entre os próprios cristãos, a predominância de católicos, particularmente maronitas (as outras Igrejas católicas sui iuris presentes no país são a Igreja Melkite ou Greco-Católica, que representa pelo menos 12% da população, a Igreja Arménia-Católica e a Igreja Sírio-Católica. Os latinos também estão presentes, é claro, embora em menor número).

O escritor experimentou como é fascinante este ecumenismo popular: não é raro assistir a almoços de famílias numerosas, onde mães, pais, irmãos, irmãs, cunhados, primos, são uma expressão de todas as igrejas presentes no Líbano, sejam católicas, ortodoxas ou protestantes.

Assim, ao longo dos anos, o Patriarca Maronita tornou-se uma figura proeminente, não só como o representante ideal de todas as comunidades cristãs, mas também de toda a sociedade civil. A sua Igreja, de facto, além de ser a expressão de uma parte significativa da população libanesa, é também a mais activa na prestação de assistência não só aos cristãos, mas a toda a população.

Recentemente, por ocasião da festa de Saint Maron em 2022, o Patriarca recordou às autoridades civis do país que "os maronitas libaneses fizeram da liberdade a sua espiritualidade", bem como um "projecto social e político", e que este progresso se traduz não só em fé e progresso, mas também na promoção de valores como o amor, a dignidade e a força, em contraste com "o rancor, a inveja, o ódio, a vingança e o espírito de rendição".

O Cardeal Raï defendeu vigorosamente a pluralidade cultural e religiosa do Líbano, a democracia e a separação da religião do Estado, promovendo esse conceito que lhe é particularmente caro da "neutralidade positiva" do país, que preserva a sua alma e a sua identidade como terra de encontro entre civilizações, de facto distorcida por aqueles que o transformaram num "teatro de conflitos na região e numa plataforma de mísseis" (a referência ao Hezbollah é óbvia). Segundo Raï, que se tornou o verdadeiro pulso do país, é imperativo, "a fim de salvar a unidade do Líbano e demonstrar a sua neutralidade", respeitar o triângulo histórico que liga "o objectivo do Pacto de Coexistência, o propósito do papel dos cristãos e o propósito de lealdade ao próprio Líbano".

O autorGerardo Ferrara

Escritor, historiador e especialista em história, política e cultura do Médio Oriente.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.