Cultura

Amor de acordo com Kierkegaard

Em "As Obras de Amor", Sören Kierkegaard insiste na concepção cristã do amor em oposição à concepção pagã. Afirma que, para o cristianismo, Deus é amor e sem amor tudo é banal.

Santiago Leyra Curiá-28 de Março de 2023-Tempo de leitura: 4 acta
Kierkegaard

Estátua de Kierkegaard (Wikimedia Commons / Arne List)

Em "As obras de amor"de 29-IX-1847, Sören Kierkegaard insiste na concepção cristã do amor, em oposição à concepção pagã. Afirma que, para o cristianismo, Deus é amor e sem amor tudo é banal. Deus é a fonte do amor na intimidade mais profunda e insondável da pessoa humana.

Apenas aquele que ama participa no amor e bebe da sua própria fonte e, assim, "o Outro absoluto" torna-se próximo porque em cada verdadeira relação amorosa Deus aparece: o verdadeiro amor não é uma relação entre uma pessoa e outra, mas sim uma relação pessoa-Deus-pessoa; Deus é "o Denominador Comum".

O livro do famoso autor dinamarquês está dividido numa primeira parte, que trata da origem do amor, e numa segunda parte, que trata das características do amor.

Começa com uma oração na qual, entre outras coisas, diz, entre outras coisas:

"Como se poderia falar correctamente do amor se Tu fosses esquecido, ó Deus, de quem todo o amor no céu e na terra procede, Tu que não negociaste nada, mas deste tudo por amor... Tu que revelaste o que é o amor"!

Na primeira parte ele diz que o amor brota do interior do homem da mesma forma que um lago é alimentado pela nascente escondida. Esta nascente é infinita porque é o próprio Deus.

O amor no mundo manifesta-se temporariamente, mas a sua fonte é eterna. Deus está continuamente a sustentar-nos com a sua acção amorosa. Se este amor fosse retirado por um único momento, tudo voltaria ao caos.

Na segunda parte, desenvolve a ideia de que guardar amorosamente a memória do falecido em memória é o acto de amor humano. "mais altruísta".O mais livre e o mais fiel de todos.

É por isso que Kierkegaard aconselha: "Assim, lembre-se de uma pessoa falecida e aprenderá a amar os vivos com um amor altruísta, livre e fiel". 

Eternidade e liberdade

As obras de amor manifestam o eternidade de Deus e são a prova da sua existência. Por amor, Deus cria, encarna-se e manifesta-se à Humanidade.

O nosso amor torna-nos como Ele e torna-nos participantes da Sua vida, pois é "a fonte de água que brota até à vida eterna".  

Deus deu-nos liberdade porque só o amor livre é amor verdadeiro. A Ele devemos uma correspondência absoluta de amor. Há apenas um ser que o homem pode amar mais do que a si próprio. Este ser não é outro senão Deus, a quem se deve amar não como a si mesmo, mas com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente.

Como a origem do amor está escondida "a vida secreta do amor é conhecida pelos seus frutos", pelas obras.

Só podemos falar de verdadeiras obras de amor quando é o amor de Deus que nos move a agir a partir das profundezas do nosso ser. Embora as boas obras nem sempre sejam um reflexo do amor, o amor manifesta-se em boas obras.

Para Kierkegaard, só podemos ser cristãos autênticos se nos tornarmos pessoas únicas e se estivermos dispostos a sofrer pela verdade.

Por outro lado, a mediocridade, a inteligência do mundo, "É eternamente excluída e abominada no céu, mais do que qualquer vício e crime, pois na sua essência pertence mais do que tudo a este mundo vil, e mais do que qualquer outra coisa está longe do céu e do eterno.

Existe um enorme fosso entre o eros grego e o ágape cristão que aparece com o Novo Testamento.

O primeiro é um amor de desejo que tende para a posse do amado; no ágape, o outro é amado como o outro, o amante rejubila com a existência do amado e quer o seu bem.

A pessoa próxima de quem amamos não é um ser abstracto, mas um ser concreto que as circunstâncias da vida colocaram perto de nós. Devemos amá-lo como a nós próprios.  

Amor cristão e amor pagão

O amor tem um duplo objectivo: o bem que é desejado e o sujeito para quem esse bem é desejado. 

É verdade, o amor cristão é respeitoso para com a pessoa amada, porque quer o que é bom para ela e tem um fundamento divino, nunca envelhece porque não é segundo a carne mas segundo o espírito, não é finito mas infinito.

Amar verdadeiramente é um dever, esse dever faz da auto-negação a forma essencial do cristianismo; amar é obedecer à lei divina que manda amar pelo amor de Deus, não pelo amor do dever, como em Kant.

O amor pagão é egoísta e possessivo, não brota da primavera eterna, não está ligado à eternidade, é o filho da temporalidade; é um amor rebelde contra o Amor, luta contra toda a dependência, não reconhece nem renúncia nem abnegação nem dever. É um amor ultrapassado.

Se uma pessoa deixa de amar, é um sinal claro de que nunca amou. A mediocridade e a inteligência mundana são eternamente excluídas do céu, pois pertencem essencialmente ao mundo que está desactualizado.

A pessoa humana alcança o seu eu ao realizar-se como única perante Deus. O desespero consiste em querer ser o que não se é e em não querer ser o que se é.

O homem estético ainda não é um indivíduo; o homem ético começa a exibir as características do indivíduo singular e começa a estar em posição de descobrir a verdade.

A primeira condição da religiosidade é ser um indivíduo singular porque é impossível construir ou ser construído em massa, ainda mais impossível do que estar apaixonado em massa. ("O meu ponto de vista sobre a minha actividade como escritor", 1848).

Se nos tornarmos pessoas únicas, dispostas a sofrer pela verdade, podemos aspirar a ser cristãos autênticos.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.