Vaticano

Como é que o Papa Francisco se está realmente a sair?

As dores de joelho do Pontífice, que impediram várias reuniões e celebrações, desencadearam rumores sobre a saúde do Papa que, após vários dias de reabilitação, está a fazer progressos na sua mobilidade e autonomia.

Giovanni Tridente-17 de Maio de 2022-Tempo de leitura: 2 acta
saúde do papa francisco

Tradução do artigo para italiano

Há dias, mesmo na imprensa internacional, circulam rumores sobre possíveis complicações para a saúde do Pontífice, ao ponto de também terem começado rumores sobre os principais candidatos a um possível próximo Conclave como sucessores do Papa Francisco.

Não é certamente agradável ver como o redemoinho do chamado toto-nomi, nas quais são apresentadas hipóteses, as estratégias são "estudadas", os "movimentos" são observados e cada afirmação dentro e fora dos muros do Vaticano é analisada com uma certa veia exegética.

É verdade que, desde o final do mês passado, o Papa teve de reduzir o ritmo do seu trabalho devido ao agravamento da dor no joelho direito, em que sofre de osteoartrose (gonartrose). Começámos a vê-lo numa cadeira de rodas e a coxear visivelmente mesmo em pequenos movimentos. Não presidiu a algumas celebrações e adiou algumas nomeações.

No entanto, há alguns dias atrás ele iniciou o seu período de reabilitação, cerca de duas horas por dia, e em comparação com o repouso absoluto prescrito pelos médicos há algumas semanas atrás, vemo-lo um pouco mais "autónomo". Em audiências privadas na Casa Santa Marta ele move-se mais facilmente com a ajuda de uma bengala.

A saúde do Papa Francisco

Nada de preocupante, na verdade; são apenas as dores e dores clássicas da idade. Francis tem 85 anos e sofria de ciática antes da sua eleição para o papado, por isso usa sapatos ortopédicos para ajudar a corrigir a sua postura da anca.

Há um ano, foi submetido a uma operação programada no Hospital Gemelli de Roma para resolver uma "estrictura diverticular sintomática do cólon". A recuperação correu muito bem, e o Papa nunca se afastou do encontro de grupos de fiéis, mesmo nas manhãs de sábado, na Sala Clementina. Desde então, fez também várias viagens ao estrangeiro, com mais planeadas para este Verão, incluindo ao Canadá e ao Sul do Sudão.

Há já algumas semanas que tem recebido constantemente diferentes grupos de fiéis, mesmo durante a própria manhã, como se quisesse compensar algumas das reuniões adiadas.

Permanece sentado na sua cadeira de rodas, da qual faz o seu discurso de despedida, mas não se afasta de beijar as mãos no final das audiências.

No domingo celebrou a Missa de canonização de 10 novos santos e, após o Regina Caeli, foi ele próprio saudar os cardeais presentes na Basílica de São Pedro. Depois fez uma visita guiada à Piazza e à Via della Conciliazione no Popemobile.

Embora um pouco dorido e a coxear do joelho, está a mostrar a sua habitual determinação. Ele próprio está convencido de que vai passar, vai levar algum tempo, mas vai passar.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.