Experiências

Como alcançar a maturidade necessária para se casar

Muitos noivos interrogam-se: serei capaz de viver juntos e de me entregar a outra pessoa como marido e mulher e começar uma família? Estas linhas oferecem algumas orientações para acompanhar os noivos e ajudá-los a atingir uma maturidade que lhes permitirá construir o seu futuro casamento sobre bases sólidas.

Wenceslas Vial-5 de Maio de 2017-Tempo de leitura: 9 acta

Uma senhora idosa que assistia à Missa com os seus contemporâneos disse uma vez ao seu pároco: "Não nos fale tanto de divórcio, não estamos preparados para isso. Se tivermos um marido, não o vamos deixar agora. Se ao menos os recém-casados, jovens mulheres e homens, pudessem repetir uma afirmação semelhante: "Se vos prometi um amor para sempre, não vos deixarei agora". É o desejo profundo de alguém que se apaixona. Não conheci casais que se tenham prometido um "amo-te" temporário, um "amo-te" com condições: apenas enquanto fores jovem ou enquanto fores saudável, ou até perderes o teu atractivo.

Para sempre" é alcançado através do cortejo, que é um processo tão natural e antigo como a maturidade. Mas se o processo de maturidade tem como objectivo a harmonia da personalidade e portanto não termina, o namoro deve ter um fim com dois resultados possíveis: ou um adeus como bons amigos, ou um "para sempre"... Será um período de conhecimento mútuo e de compreensão atenta, uma etapa para decidir sobre o próximo passo, o presente de um para o outro. Como em qualquer acontecimento humano, factores psicológicos e espirituais também estão envolvidos neste caminho e podem determinar o seu sucesso ou fracasso.

Os noivos terão de discernir se estão em condições de partilhar um projecto de vida com a outra pessoa, se estão em condições de construir juntos uma família.

O objectivo destas linhas é acompanhar aqueles que estão no caminho do namoro nas suas questões decisivas: serei eu suficientemente maduro para dar o próximo passo? serei eu capaz de me entregar a um senhor? Começaremos por recordar alguns aspectos gerais da maturidade, por assim dizer, conhecer a pontuação em que se baseia o crescimento do amor, e reparar nas possíveis dificuldades.

Maturidade em geral

A maturidade não é um estado, mas sim um processo para toda a vida. Refere-se tanto à plenitude do ser como ao seu desenvolvimento e crescimento adequados. A pessoa madura é capaz de fazer de um projecto o seu. Ao contrário de um fruto, o ser humano está sempre a amadurecer e pode até regredir: ele pode voltar a ficar verde. Por esta razão, ele precisa não só de sol e tempo, mas também de alguém que o apoie e de educação numa casa que sirva de modelo.

As características da maturidade são ordem, coerência e o primado da inteligência e da vontade sobre o mundo afectivo, essa complexa teia de emoções, sentimentos, paixões e humores. A razão ilumina a interioridade e permite-nos intuir, por exemplo, que na relação interpessoal de um casal, há estações: nem tudo é primavera ou namoro, mas há outonos e invernos...

Os animais normalmente conseguem normalmente passar muito bem sem os seus pais, graças aos seus instintos naturais. Os jovens humanos não trabalham assim: precisamos da experiência dos mais velhos, para evitar os mesmos erros. A maturidade vai além de envelhecer: significa manter a ousadia, um sorriso, entusiasmo e vitalidade, apesar do declínio das energias físicas. Talvez Platão, que afirmou que são necessários 50 anos para fazer um homem, não estivesse muito longe da marca.

Mas não é preciso esperar que a senescência atinja um nível de maturidade adequado em várias áreas da vida, incluindo a da criação de uma família. Mulheres e homens amadurecem gradualmente, cada um à sua maneira e com a sua própria psicologia. Na adolescência, uma maior identidade é adquirida, e os anos seguintes são marcados por um aumento progressivo da intimidade. A identidade e intimidade são características muito importantes para futuras relações interpessoais. Espera-se dos jovens que adquiram a sua própria visão do mundo e de si próprios. A influência do grupo, os modelos que escolherem para si próprios e o controlo das forças instintivas que forem despertadas serão fundamentais. O adolescente forma um plano de vida pessoal.

Como crianças, também amadurecemos fora de nós próprios. É esta característica, ou autotranscendência, que terá a maior influência nas nossas relações com outras pessoas. Como é importante promovê-la desde os primeiros anos, quando rapazes e raparigas abandonam gradualmente o "meu, meu, meu" que caracteriza a infância. É assim que adquirem a capacidade de fidelidade e amor, necessária ao casamento, que abrirá o caminho para a integridade, cuidado e sabedoria. A psicologia confirma que "a maturidade aumenta à medida que a vida se separa do imediatismo do corpo e do egocentrismo". (G. Allport).

Sinais de maturidade dos noivos

Juntamente com estas notas gerais, os noivos, que devem ter superado a crise de identidade da adolescência, têm como objectivo descobrir se é possível um projecto comum. Para isso, é bom que o húmusA base ou terreno sobre o qual se quer construir é semelhante: a cultura, a língua e a religião dos dois parceiros são conducentes a uma boa relação. É importante que ambos os parceiros conheçam o seu passado, em particular as suas famílias de origem. A datação vem com uma história, na qual também podem existir feridas que são projectadas. Tem de se perguntar se os seus valores e ideais são os mesmos. Como Saint-Exupéry escreveu, "amar não é olhar um para o outro, mas sim olhar na mesma direcção".

Será o comunicação em diferença o que torna possível um conhecimento profundo e, com ele, a resposta a tantas perguntas. A maturidade reside em compreender as discrepâncias, em não tentar mudá-las a todo o custo ou em esperar que "mude quando nos casarmos". Uma relação superficial ou ofuscante não nos permite ver as falhas da outra pessoa. Este caminho de conhecimento mútuo é também hoje dificultado por aqueles que banalizam a sexualidade, ou negam todo o tipo de diferenças entre homens e mulheres: genéticas, fisiológicas, psicológicas, linguísticas, etc.

Para colher bons resultados do cortejo, é imperativo respeitando as etapas. O amor sabe esperar, procura a felicidade e o bem do outro, rejeita o utilização de qualquer pessoa. Ninguém pode ser considerado como um objecto descartável. Os casais maduros sabem que o amor não é apenas prazer físico, e estendem-se um ao outro na sua psicologia e espiritualidade. Assim, a eros dá lugar a um amor pleno, caracterizado pela capacidade de sacrifício e de doação de si próprio. Descobre-se um paradoxo: que amar implica sofrimento. A afectividade egocêntrica de "amo-te porque me fazes sentir bem" é superada.. Com apenas intimidade física e antecipada, nada disto é visível. "Queimar as etapas acaba por queimar o amor". (Bento XVI, Discurso11-IX-2011).

A pessoa madura vive a sua a sexualidade de uma forma humana. Transforma o instinto em tendência: reconhece um grande e elevado objectivo na capacidade reprodutiva, transforma actos em gestos cheios de significado. Não se detém na comunicação física, mas abre-se ao espírito. Para alcançar estas alturas de amor é necessária castidade, que é como uma vacina contra o egocentrismo. Quem é amado castamente sabe que está na presença de amor incondicional, e que não lhe fará mal. Só se este aspecto for bem vivido é que se conhece realmente a outra pessoa. Esta virtude protege a liberdade e a verdade e torna-se uma jóia que adorna a personalidade. Desta forma, a transição da paixão para a completa doação no casamento pode ser decidida.

Também pode acontecer que, após um período de conhecimento suficiente um do outro, em que abundam as conversas pacíficas, se descubra que há pouco em comum, poucos pontos de contacto nos quais se possa basear uma relação estável. Será então um sinal de maturidade interromper o processo, mesmo que persista uma certa atracção, uma vez que "nada é mais volátil, precário e imprevisível do que o desejo". (Francisco, Amoris laetitia, 209).

Perceber notas desafinadas

A idealização do outro é um perigo que quebra a harmonia da relação e pode ser apanhado do exterior do casal, como uma nota desafinada. Pode ser o resultado de múltiplos factores, tais como a cumplicidade no vício, que cega e não permite ver os defeitos. Quando se olha para a realidade do ponto de vista do prazer, as deficiências da personalidade permanecem num plano inalcançável. Pelo contrário, o realismo leva a amar a outra pessoa com os seus defeitos, e não só apesar deles... Não se trata de procurar uma pessoa perfeita e saber se me sinto atraído por ela, mas de compreender que este ideal não existe e de se perguntar calmamente: serei sempre capaz de falar com esta pessoa?

Em qualquer nota de maturidade pode falta de tensão saudável. Os sinais desta tensão são amor verdadeiro, capaz de sacrifício. Aqueles que estão ancorados apenas no prazer, numa sexualidade descontrolada, podem encontrar um equilíbrio, uma aparência instável e auto-contida de segurança. "Não podemos tratar os laços da carne com ligeireza, sem abrir alguma ferida duradoura no espírito". (Francisco, audiência 27-V-2015). A psicologia mostra que uma relação sexual deixa sempre uma marca indelével. A iniciação prematura da actividade sexual pode levar à esterilidade do amor, e até extinguir o prazer procurado.

É como o solo explorado, que necessita de cada vez mais produtos químicos para se tornar novamente fértil. Falta tensão saudável, o aspecto torna-se nublado. E, paradoxalmente, são criadas novas tensões insalubres, tais como um falso sentido de fidelidade, reflectindo uma dependência bastante emocional, em relação à pessoa que tem sido cúmplice nas relações. Esta tensão exagerada prejudica as cordas da alma e paga em desilusão. Abre o caminho para uma série de relações superficiais, onde tudo é igual, na cultura do usar e deitar fora.

A prioridade do prazer obscurece o propósito mais profundo da sexualidade e do sexo. Leva a estar satisfeito com "sentir-se bem e nada mais", a viver desligado da ética necessária para construir a sua personalidade. A exaltação do prazer procura justificações para além do bem e do mal, tais como o slogan "o corpo é meu", reminiscente da infância. Isto conduz facilmente a uma rejeição da maternidade e paternidade. O espírito é incapaz de voar, porque perdeu as suas asas, falta-lhe a tensão do verdadeiro amor. A relação e a maturidade de cada pessoa não pode ser analisada apenas a título experimental. Nem pode ser medida por "degustação", como se faria com uma maçã: se depois da primeira dentada reparo que não está madura, deixo-a; se não gosto dela, deito-a fora e procuro outra. É preciso repetir: as pessoas não são utilizadas.

Atingir a harmonia

Para sempre" é possível e não pode ser improvisado. Estas palavras devem ser soadas em segundo plano. É importante lembrar que as mulheres e os homens são capazes de tomar decisões definitivas. Isto foi o que o Papa disse aos noivos: "Por favor, não nos devemos permitir ser ultrapassados pela 'cultura do provisório'. Esta cultura que hoje nos invade a todos, esta cultura do provisório, não funciona"! (Francisco, discurso 14-II-2014).

Para estar em posição de tomar decisões definitivas, é necessário aceitar a possibilidade de estar errado. Nietzsche observou que, ao contrário dos animais, os seres humanos possuem a capacidade de fazer promessas. Deve acrescentar-se que ele também é capaz de os manter. E sem fé num destino eterno, isto é mais difícil.

No namoro, a harmonia só pode ser alcançada através de uma interpretação que duas pessoas estão a tentar fazer para fazer bem. Será melhor se cada corda estiver afinada, tanto as de maturidade geral como as da mensagem cristã das bem-aventuranças. Estes são um programa centrado no amor, com sugestões práticas para distinguir os verdadeiros bens das ilusões, para soar a nota certa em cada momento.

Durante todo o concerto, não faltará fadiga. Há momentos mais difíceis e notas que são difíceis de alcançar. Como Thibon escreveu, "Os obstáculos são feitos para serem ultrapassados. O amor, colorido no início por uma perfeição ilusória, devido ao desejo e à imaginação, não pode durar sem vontade"..

Falando de namoro, São Josemaría disse isso, "Como qualquer escola de amor, ela deve ser inspirada não pelo desejo de posse, mas por um espírito de devoção, compreensão, respeito e doçura". Este é um processo que requer tempo e diálogo. Por vezes, existem muitos desafios internos e externos que dificultam as coisas. Não é possível alcançar a harmonia no meio de tanto ruído. É também necessário "desligar" de redes anónimas e promover diversão, interesses e amizades. fora de linha, para se conseguir ouvir.

Em resumo, as principais notas de harmonia no namoro são: considerar o amor como sacrifício, respeitar e amar o outro, passar do instinto à tendência, controlar as emoções com inteligência, saber esperar e estar aberto a um diálogo frutuoso. O processo não deve ser tão curto que impeça o conhecimento, nem tão longo que conduza à rotina. O amor, tal como a música, tem algo imaterial, que procura o bem da pessoa que amamos e dura ao longo do tempo.

O maestro

"A aliança de amor entre o homem e a mulher é aprendida e refinada. Deixem-me dizer que se trata de um pacto de artesãos. Transformar duas vidas numa única vida é quase um milagre, um milagre da liberdade e do coração, confiado à fé". (Francisco, audiência 27-V-2015). Para o conseguir, um cristão tem a assistência amorosa do Espírito Santo, que pode muito bem ser visto como o maestro de orquestra. Quando ele actua na alma, a harmonia é alcançada.

A maturação dos noivos é um longo processo, que começa na infância. Os cursos de preparação para o casamento não são suficientes, mas é necessária uma catequese extensa, especialmente na família de origem. É aí que se aprende que um bom plano de vida vale a pena e que se adquire responsabilidade. É aqui que se compreende a linguagem do corpo, a psique e o espírito. Se queremos que muitos jovens digam I "Amar-vos-ei para sempre e não vos deixarei", precisamos de realçar o valor da coerência e da identidade, fomentar o diálogo e o conhecimento mútuo, a verdadeira sabedoria da mente e do coração. Desta forma, poderão criar novas correntes, em vez de irem contra a maré, irão alegremente influenciar muitas outras.

Nesta aventura, contam com a ajuda da graça de Deus e a graça dos outros, também para renovar o amor todos os dias. Não somos peças inertes de ébano ou marfim num teclado de piano. A harmonia que se tenta alcançar será imperfeita, própria de seres livres e imperfeitos. No período experimental do cortejo, será útil perguntar a si próprio, e perguntar ao Senhor, se alguém está em condições de continuar em direcção a um projecto comum com outra pessoa. A canção escrita por Paul McCartney é um bom reflexo do desejo de esclarecer as nossas dúvidas:

O Ébano e o Marfim vivem juntos
em perfeita harmonia
Lado a lado
no meu teclado de piano,
oh Senhor, porque não?

O autorWenceslas Vial

Doutor e padre.

Leia mais
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.