Estados Unidos da América

Renascimento eucarístico e sinodalidade: essencial para combater a divisão e a polarização

Na assembleia plenária dos bispos dos EUA em Baltimore, questões vitais como o plano pastoral para o reavivamento eucarístico ou o documento sobre o Mistério da Eucaristia estão a ser discutidas.

Gonzalo Meza-18 de Novembro de 2021-Tempo de leitura: 2 acta

Foto: ©2021 Catholic News Service / U.S. Conference of Catholic Bishops.

A sessão plenária da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB) foi aberta em Baltimore a 16 de Novembro. A reunião foi aberta com discursos de D. Christophe Pierre, Núncio Apostólico nos Estados Unidos, e de D. José H. Gómez, Presidente da USCCB. No seu discurso, D. Pierre abordou o tema da sinodalidade. O sínodo, disse, não é um parlamento sustentado por batalhas políticas para mudar as verdades cristãs. Também não é uma campanha para convencer ou para fazer programas.

A sinodalidade, salientou, tem a ver com caminharmos juntos: "Trata-se de nos ouvirmos humildemente uns aos outros e ao Espírito Santo e assim discernir a vontade de Deus. Nesse sentido, a sinodalidade, esclareceu o Núncio, é uma resposta aos desafios do nosso tempo, particularmente para aliviar a polarização na sociedade e na Igreja: "A Igreja é ferida não só pela crise de abuso e pelos efeitos da pandemia, mas também pela polarização. Uma Igreja dividida, disse D. Pierre, nunca será capaz de trazer outros à unidade que Cristo nos pede. Unidade que deve ser visível em cada igreja em particular com o bispo caminhando com o seu povo, em comunhão com o Papa, e decidindo sobre a unidade que Cristo nos pede. cum Petro e sub Petro.  

José Gomez, Presidente da USCCB, também reconheceu que existem muitas divisões na Igreja e na sociedade. Estas divisões, juntamente com a secularização, estão a fazer com que a sociedade americana perca "um sentido da sua história". Durante a maior parte da sua existência como nação, "a história que deu sentido às nossas vidas esteve enraizada na visão bíblica e na herança judaico-cristã". Esta história, disse D. Gomez, serviu de modelo para os documentos fundadores dos Estados Unidos e moldou as nossas leis e instituições, "foi a substância dos nossos ideais e acções".

Hoje esta narrativa está a desmoronar-se, advertiu ele. Perante isto, o prelado salientou que não precisamos de inventar outra história, mas de ouvir a verdadeira: que Cristo nos amou, deu a sua vida por nós, e com a sua morte e ressurreição dá esperança e sentido às nossas vidas. Citando o Arcebispo John Ireland - que liderou a Diocese de St. Paul, Minnesota de 1884 a 1918 - Gomez salientou que "o dever da hora" é proclamar essa história ao povo do nosso tempo. A Igreja existe para evangelizar e ser cristão significa ser um discípulo missionário, disse ele. Não é uma tarefa fácil, disse ele, porque já não temos a influência que a Igreja já teve na sociedade, nem os seus "números". "Contudo, isso nunca importou porque Cristo nos prometeu que se procurássemos primeiro o seu Reino, tudo nos seria dado", disse ele.  

É por isso que o plano pastoral para o renascimento eucarístico a ser discutido neste plenário e o documento sobre o Mistério da Eucaristia são vitais. Com estes instrumentos pastorais, disse Gómez, as pessoas podem ser aproximadas do Mistério da Fé. "Se queremos verdadeiramente acabar com a indiferença humana e a injustiça social, precisamos de reavivar a consciência sacramental. No sacramento da Eucaristia, as pessoas poderão descobrir o amor de Deus, um amor sem fim.  

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.