Cinema

"Livre". O filme que desvenda o tesouro da vida contemplativa

Sexta-feira 21 de Abril de 2023 chega às salas de cinema espanholas Grátis. Um filme documentário do mais alto nível de produção que mergulha, de uma forma sem precedentes, na vida dos mosteiros de clausura de Espanha.

Maria José Atienza-20 de Abril de 2023-Tempo de leitura: 4 acta
cobertura gratuita

Foto: Detalhe do cartaz de "Libres" ©Bosco films

O que faz uma freira de clausura fechada num mosteiro toda a sua vida? A vida contemplativa faz sentido neste mundo? São raras as pessoas que escolhem este tipo de vida? Fogem ou têm medo do mundo?

Estas são algumas das questões que aparecem na imaginação colectiva de hoje quando se fala da vida de clausura. No entanto, como aponta Santos Blanco, realizador desta longa-metragem, "livre, liberdade, é talvez a palavra que se repete com mais frequência no documentário".

Para Blanco, Grátis foi o seu primeiro filme. Blanco, proprietário da Produções Variopintotrabalhou principalmente no domínio da publicidade nos últimos 12 anos, embora tenha realizado alguns pequenos documentários: "Há sete anos, fizemos um pequeno documentário com uma ONG médica que ajudava em África e, há cerca de quatro anos, co-realizei, com um parceiro, um documentário sobre uma família nómada no México... Mas não tinha feito nenhum filme deste tipo, espiritual, cristão".

Eu não sabia nada sobre a vida contemplativa

"Foi uma surpresa como o projecto chegou até nós", descreve o director. Tudo começou durante o período mais duro do confinamento imposto por Covid. Naqueles dias, Borja Barraganum dos produtores chamado Santos. Barragán tinha recebido, na altura, um pedido de ajuda da Fundação Declausura porque existiam conventos e mosteiros que nem sequer tinham dinheiro suficiente para comer. "Não sabia nada sobre a vida de clausura, nada, e além disso, estávamos fechados...", recorda Santos, "nessa altura entrei em contacto com Lucía González-Barandiarán e concebemos uma campanha de comunicação para conseguir doações para os mosteiros. Foi um sucesso".

Uma vez regressado à vida normal, Santos Blanco, juntamente com a Fundação Declausura, levou a cabo duas campanhas de sensibilização para a vida de clausura e de ajuda à vida monástica. "Foi nessa altura que comecei a conhecer pessoalmente a vida dos monges e monjas de clausura e fiquei maravilhado", diz Santos Blanco.

"Nesses momentos encontrei esta frase do Papa Francisco: "Como um marinheiro em alto mar precisa de um farol para lhe mostrar o caminho para o porto, assim o mundo precisa de vós. Sede faróis, para quem está perto e sobretudo para quem está longe". Sede tochas que acompanham a viagem de homens e mulheres na noite escura do tempo. Vultum Dei Quaerere sobre a vida contemplativa das mulheres, n6) O Papa coloca-as ao nível de faróis, de pontos de referência! Nessa altura, a ideia de fazer um documentário começou e, a partir daí, os "deuses" começaram a acontecer. Falei com alguém sobre esta ideia e outras pessoas "apareceram", investidores, como Antonio de la Torre...".

Este filme foi um desafio? "Qualquer filme é sempre um desafio difícil. Há muito trabalho: fazer, lançar... Como um desafio profissional, uma longa-metragem é sempre um grande desafio. O facto de ser um filme com uma mensagem cristã não o tornou mais difícil", diz Santos Blanco, "de facto, para mim, quase foi uma vantagem, porque teve uma força motriz, para além do profissional, o que me encheu muito. Penso que me deu muito, por um lado, faz-se o que se gosta profissionalmente e, por outro lado, sabe-se que se está a fazer algo mais do que puro entretenimento".

De Duc in altum a Grátis

O filme, que abre amanhã em Espanha, nasceu com um título muito diferente.Duc In altum. De facto, como recorda o realizador e argumentista do filme, Javier Lorenzo, "toda a rodagem foi chamada assim, no sentido de ir 'ao fundo', porque, como o filme reclamação do filme, Grátis é uma viagem para o homem interior".

Lucía González-Barandiarán, da Bosco Films, que é bem versada na distribuição de filmes cristãos, viu que o título tinha pouco "gancho", mas não conseguiam ter outra ideia. No entanto, quase no final da montagem do filme, aperceberam-se que libres, libertad era "sem dúvida, a palavra que aparece com mais frequência ao longo do documentário e, quando se vê, percebe-se porquê", sublinha o realizador, "sem querer estragá-lo, porque cada um tem de encontrar a sua própria resposta quando vê o documentário, penso que esta é a chave".

Há muitas histórias que aparecem em GrátisSantos Blanco salienta que "muitos deles foram deixados de fora ou tive de cortar muito". No total, as entrevistas, realizadas em 12 mosteiros e conventos em Espanha, tanto masculinos como femininos, resultaram em mais de 20 horas de gravação. "Tivemos de manter 100 minutos, eu tive de cortar muito".

São histórias e reflexões variadas, mostrando a história pessoal de Deus com cada alma. "Alguns ligam-se mais com os jovens, outros com pessoas com mais experiência de vida, mas todos eles são muito especiais".

Grátis mostra quem são: pessoas anónimas, desconhecidas, que são, nas palavras de Santos Blanco, "um tesouro escondido". Um terço da vida claustral do mundo vive em Espanha, e isso é impressionante. Temos um tesouro".

Grátis

DirectorSantos Blanco
FotografiaCarlos de la Rosa
Música: Oscar M. Leanizbarrutia
ProduçãoLucía González-Barandiarán; Santos Blanco
Produção associada:Altum Faithful Investing, Antonio Torres, Mercedes Montoro, Methos Media, Advenire Films e ACdP
Género: Documentário

O apoio da Methos Media

Foram muitas as pessoas e instituições que tornaram este filme possível. Santos Blanco está convencido de que "sem a colaboração dos investidores, particulares e empresas, que investiram dinheiro, o filme não teria sido realizado".

Aqui, por exemplo, o papel de Methos MediaA empresa, especializada na promoção de entretenimento audiovisual familiar, tem sido "chave na obtenção de ajuda ao investimento, questões legais e fiscais e tem co-produzido este filme juntamente com Variopinto y Bosco Films".

O Fundação Declausura tem sido também uma força motriz fundamental por detrás do projecto e a "chave de entrada" para os mosteiros de clausura onde o filme foi filmado.

O realizador também não esquece as muitas pessoas que fizeram parte da equipa de filmagem: "desde os operadores de câmara e assistentes ao director de fotografia, Javier Lorenzo, claro, Javier Lorenzo como argumentista, o director de fotografia Carlos de la Rosa ou Óscar Martínez, compositor, que deram origem a um produto da mais alta qualidade".

Grátisem cinemas de toda a Espanha e a caminho de mais países.

O filme Grátis abre na sexta-feira 21 nas salas de cinema de toda a Espanha. As salas de cinema onde está disponível podem ser consultadas no website do filme. Pode também ser solicitado noutras cidades e ajudar na sua promoção.

Os criadores de Grátis Eles esperam dar o salto muito em breve e trazê-lo para os cinemas de outros países, especialmente da América Latina, nos próximos meses.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.
Banner publicitário
Banner publicitário