Mundo

George dos HabsburgosLer mais : "Penso que o meu avô intercede pelo regresso da paz na Europa".

Há cem anos atrás, o último imperador da Áustria-Hungria, grande promotor da paz na Europa durante a Primeira Guerra Mundial, morreu no exílio e foi beatificado por São João Paulo II. O seu neto, Georges de Habsbourg-Lorraine, embaixador húngaro em Paris, explica a Omnes a figura do seu avô no contexto de uma nova guerra na Europa.

Bernard Larraín-2 de Abril de 2022-Tempo de leitura: 6 acta
George Habsburg

Texto da entrevista em inglês

Texto da entrevista em alemão

A 1 de Abril de 1922, há cem anos, Carlos de Habsburgo, o último imperador da Áustria e rei da Hungria, morreu na ilha da Madeira (Portugal) com trinta e quatro anos de idade. Carlos I da Áustria (Carlos IV da Hungria) tinha estado em solo português durante alguns meses, onde, exilado durante a Primeira Guerra Mundial, tinha sido recebido em Novembro de 1921 com a sua família. Poucos meses após a sua chegada, a saúde do Imperador deteriorou-se até que a pneumonia terminou a sua vida. A sua esposa, a imperatriz Zita, que esperava o seu oitavo filho, cuidou dele até ao fim da sua vida. O seu corpo repousa na Igreja de Nossa Senhora do Monte no Funchal, Madeira, muito longe da Cripta dos Capuchinhos em Viena, onde os membros desta dinastia que governou a Europa durante séculos estão enterrados.

O seu nome alcançou um prestígio especial no mundo católico quando foi declarado Beato a 3 de Outubro de 2004 durante uma cerimónia presidida pelo Papa João Paulo II em Roma. O Imperador Carlos foi reconhecido como um modelo cristão pelas suas virtudes e pelas suas acções em favor da paz, apoiando os esforços do Papa Bento XV durante a Primeira Guerra Mundial. A Igreja também viu nele um modelo de bom governante cristão, comprometido com o bem comum e os ensinamentos da doutrina social cristã: Carlos cuidou dos seus súbditos mais pobres e mais negligenciados, reduziu os luxos judiciais e estabeleceu o primeiro Ministério do Desenvolvimento Social do mundo. Não foi por nada que ele foi conhecido como "o imperador do povo". 

Georges de Habsbourg-Lorraine, neto do Imperador Carlos, é o embaixador da Hungria em França desde Dezembro de 2020. Este cidadão austríaco (onde o seu nome oficial alemão é Georg Habsburg-Lothringen) e húngaro (em húngaro é chamado Habsburg-Lotaringiai György), teria recebido o título de Alteza Imperial e Arquiduque Real da Áustria, Príncipe da Hungria, Boémia e Croácia, se o Império ainda existisse. O embaixador recebe-nos numa sala da embaixada da Hungria em Paris. 

Um século após a morte do imperador, o seu avô Carlos, Europa Central, está de novo em guerra. O que pensa deste acontecimento? 

- Há dois elementos que me parecem primordiais para compreender o governo do meu avô. Carlos era, antes de mais nada, um soldado. Devemos recordar que ele nunca pensou que seria imperador, porque a linha de sucessão estava longe dele. Ele conhecia muito bem a guerra e as suas consequências. Este é um elemento importante a considerar nos seus esforços pela paz: ele sabia o que era a guerra, por isso queria a paz. 

Outro elemento que gosto de destacar é o facto de ele ser muito jovem quando se tornou imperador: tinha 29 anos de idade. Quando ele assumiu o poder, é preciso considerar que ele estava a suceder ao seu tio-avô Franz Joseph I da Áustria, que esteve no poder durante não menos de 68 anos, com tudo o que isso implicava: era todo um sistema que ele herdou. Os generais de Franz Joseph queriam a guerra, porque tinham confiança no poder e na grandeza do exército imperial. Charles teve então uma grande oposição a este sistema. O império era imenso e Carlos rapidamente percebeu que a integridade do império estava em perigo através da guerra, e foi exactamente isso que aconteceu. 

Apesar desta oposição no seio do aparelho estatal, o meu avô conseguiu algumas reformas, especialmente de natureza social. Devido à sua adesão à doutrina social cristã, tinha compreendido muito bem que certas transformações sociais eram necessárias, bem como um novo estilo de governo que tinha de ser adoptado. Isto levou-o a viajar muito dentro do Império, o que não era tão fácil na altura, para conhecer a realidade do povo, os seus problemas e as suas aspirações. Assim, concebeu o primeiro Ministério do Desenvolvimento Social do mundo e também fez aprovar legislação protectora para os inquilinos que era muito apropriada em tempo de guerra quando muitas pessoas ficaram sem dinheiro para pagar as suas rendas. 

Devido à sua adesão à doutrina social cristã, o meu avô Imperador Carlos I da Áustria tinha compreendido muito bem que certas transformações sociais eram necessárias, bem como um novo estilo de governo que tinha de ser adoptado.

George dos HabsburgosEmbaixador da Hungria em Paris

A figura do seu avô ainda é relevante nestes tempos de guerra? 

- Há algo que me impressiona particularmente na vida do meu avô que pode inspirar muitas pessoas em todo o mundo. É algo que ouvi no Vaticano, nos dias da sua beatificação. O Imperador Carlos não foi beatificado porque foi bem sucedido ou porque alcançou um grande feito, porque de facto, politicamente, não conseguiu alcançar a paz e terminou a sua vida no exílio. O que conta para a visão cristã da vida é a jornada diária, o que se faz ou tenta fazer todos os dias para fazer o bem, para trabalhar para o bem comum. E a este respeito, o meu avô foi exemplar. Esta é, para mim pessoalmente, a grande mensagem que ele nos deixa e que é muito relevante na sociedade actual, onde tendemos a dar demasiada importância aos resultados e não tanto ao esforço. 

De uma forma mais concreta e espiritual, penso que o meu avô está a interceder para que a paz regresse à Europa. Há muitas pessoas que lhe estão a rezar por esta intenção. Há várias relíquias dele. Na Hungria não creio que a sua figura seja tão bem conhecida. Curiosamente, fiquei impressionado com o facto de em França ele ser mais conhecido. Existe, por exemplo, uma escola com o seu nome na cidade de Angers. Parece-me que é a única escola no mundo que recebeu o nome de "Beato Carlos da Áustria". Outro exemplo: há alguns dias, num almoço oficial em Versalhes, um dos convidados observou que o seu filho recebeu o nome de Charles em homenagem ao meu avô: ficou muito impressionado quando descobriu quem eu era!

De uma forma mais concreta e espiritual, penso que o meu avô está a interceder para que a paz regresse à Europa. Há muitas pessoas que lhe estão a rezar por esta intenção.

George dos HabsburgosEmbaixador da Hungria em Paris

Tem sido dito que a Hungria optou por uma posição neutra nesta guerra. Qual é a posição do seu governo? 

- Parece-me que esta crítica não é muito bem fundamentada. O meu país é membro da União Europeia e da NATO e, como tal, seguimos as sanções e resoluções que foram adoptadas. Por outro lado, enviámos muita ajuda humanitária para a Ucrânia e já acolhemos cerca de 500.000 refugiados. Em Budapeste, as consequências da guerra já são visíveis com a presença destas pessoas deslocadas. Na minha própria casa em Budapeste, por exemplo, estamos a acolher duas famílias ucranianas. 

Por outro lado, decidimos não contribuir com armas para o conflito. Não queremos colocar os nossos cidadãos em risco. É de salientar que após a Primeira Guerra Mundial, com o deslocamento do Império Austro-Húngaro tornado oficial pelo Tratado de Trianon em 1920, mais de três milhões de húngaros deixaram de viver na Hungria. Actualmente existem cerca de 150.000 húngaros na Ucrânia que queremos proteger. Já lamentamos a morte de seis soldados ucranianos de origem húngara nesta guerra. 

Finalmente, em termos de dependência energética, a nossa situação não é exactamente a mesma que a dos outros membros da União Europeia. De facto, somos 80% dependentes da energia russa. Entrar num conflito com a Rússia seria um grave perigo para a nossa população. Quer queiramos quer não, esta dependência é real e é um legado da história soviética recente.

Hoje, em plena guerra na Europa Central, um Habsburgo é embaixador em Paris durante a Presidência francesa da União Europeia. Na sua carreira como diplomata, o seu avô tem sido um modelo a seguir?

- As coincidências históricas divertem-me muito. Por exemplo, há alguns dias apresentei as minhas credenciais ao Príncipe do Mónaco, porque para além de ser embaixador em França, sou também embaixador no Principado. E eu pensei: "as reviravoltas da história, um Hapsburg apresentando as suas credenciais ao Príncipe do Mónaco"! Para além das anedotas históricas, devo dizer que o meu avô é uma fonte constante de inspiração, mas tenho de admitir ao mesmo tempo que o meu pai tem tido uma influência muito maior na minha carreira. O meu pai, Otto dos Habsburgos, o filho mais velho do Imperador e líder da Casa dos Habsburgos, foi um político visionário e deputado europeu durante mais de 20 anos. Desempenhou um papel importante no processo de construção europeia e na inclusão, na União Europeia, das antigas nações que faziam parte do império.

Ele estava bem consciente da responsabilidade histórica da nossa família no século XXI, que tinha estado activa na política europeia durante quase mil anos, e ensinou-nos a viver na sociedade moderna, a estudar e a trabalhar como todos os outros. Estudei direito, história e ciência política na universidade na Áustria, Alemanha e Espanha. Neste último país, estive na Universidade Complutense em Madrid para estudar história contemporânea espanhola e cultura islâmica, que não foi ensinada em Munique. Comecei a trabalhar em empresas de comunicação audiovisual. Há trinta anos atrás, fixei residência na Hungria, onde tenho sido embaixador desde 1996. Em particular, o meu pai atribuía grande importância às línguas. Graças a ele, tal como ele, falo seis línguas (alemão, húngaro, francês, inglês, italiano e espanhol), o que tem sido obviamente muito útil para mim no meu trabalho como diplomata. 

Que actividades estão previstas para 1 de Abril de 2022, o 100º aniversário da morte do seu avô Charles? 

A principal actividade deste centenário será uma missa que terá lugar na igreja onde o meu avô está enterrado, na ilha da Madeira. Mais de uma centena de membros da família estarão presentes. No início não estava a planear participar porque temos eleições importantes na Hungria no domingo, 3 de Abril, e temos muito trabalho a fazer na embaixada em França para organizar as eleições. No entanto, o vice-primeiro-ministro da Hungria teve a amabilidade de me pedir que estivesse presente na Madeira para esta ocasião. Por isso, terei todo o prazer em poder participar neste grande evento. 

O autorBernard Larraín

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.