Espanha

Educação diferenciada: uma escolha de liberdade totalmente constitucional

Omnes-3 de Maio de 2018-Tempo de leitura: < 1 minuto

O Tribunal Constitucional deixou claro numa decisão que a co-educação não deve ser a única opção oferecida pela administração. Ambos os modelos, co-educativos e diferenciados, têm o mesmo direito a um acordo educacional.

TEXTO - María Calvo Charro
Docente na Universidade Carlos III. Presidente em Espanha da EASSE (European Association Single Ssex Education).

Nos últimos anos, países como os Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Austrália experimentaram um ressurgimento da educação diferenciada por género com o apoio de políticos de tendências muito diferentes, educadores, pais, certos sectores feministas, assim como associações que defendem direitos e liberdades. Esta tendência, que afecta particularmente as escolas públicas, tem gerado um debate acalorado nos círculos académico, jurídico e político. A educação diferenciada por género é provavelmente uma das questões mais actuais na luta pela igualdade de oportunidades no campo da educação pública nestes países, como demonstra a extensa literatura académica, científica e informativa que está constantemente a vir à luz sobre o assunto.

A educação diferenciada de hoje tem como objectivo prioritário a igualdade de oportunidades. Uma escola que considera que as diferenças entre os sexos são sempre enriquecedoras e que o que deve ser eliminado são discriminações e estereótipos, ultrapassando desigualdades sociais e hierarquias culturais entre homens e mulheres. Neste sentido, a escola diferenciada é teleologicamente co-educativa: o seu objectivo é garantir uma possibilidade real de rapazes e raparigas alcançarem os mesmos objectivos e metas nas esferas profissional e pessoal, dando-lhes todas as ferramentas relevantes para escolherem livremente o seu próprio caminho.

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.