Espanha

Bispos espanhóis apelam à comunhão no processo sinodal

Perante as "resistências" detectadas no itinerário sinodal, a que a equipa da Conferência Episcopal Espanhola (CEE) chamou "polarizações", o Cardeal Juan José Omella, presidente da Conferência Episcopal, exortou a "não ter medo" deste processo de escuta e a ser "cum Petro e sub Petro, o escolhido pelo Senhor".

Francisco Otamendi-28 de Janeiro de 2023-Tempo de leitura: 4 acta
sínodo

Foto:

Na apresentação do texto de síntese com as contribuições que as dioceses, congregações religiosas, movimentos e diferentes grupos enviaram à equipa sinodal da Conferência Episcopal, e pouco antes de o seu conteúdo ser tornado público, o Cardeal Omella chegou ao ponto de falar de "há mares e rios que querem afogar o processo empreendido na Igreja universal", a pedido do Papa.

No entanto, acrescentou, "o Espírito exorta-nos a caminhar juntos, sem perder amor, comunhão e esperança", "unidos a Cristo, cum Petro e sub Petro, com Pedro, que é o escolhido pelo Senhor", "Pedro resistiu a Cristo, mas Cristo escolheu-o".

Desta forma, o Cardeal Arcebispo de Barcelona e presidente da CEE apelou a um "crescente anseio de comunhão e rejeição da divisão", e detectou que "talvez tenhamos negligenciado a oração, será que acreditamos na oração?", perguntou ele. "Sem uma vida de oração nada podemos fazer", e recordou que "só depois de Pentecostes é que os discípulos 'cor unum e anima una'".

"Recuperar a irmandade cristã".              

O Arcebispo Luis Marín, Sub-Secretário do Ministério dos Negócios Estrangeiros, falou depois. Secretaria Geral do Sínodode modo a em linhaVicente Jiménez Zamora, o bispo coordenador da equipa sinodal. Ambos se referiram também aos obstáculos ao processo sinodal, na presença do vice-presidente da CEE e arcebispo de Madrid, Cardeal Carlos Osoro, do secretário-geral da Conferência Episcopal, Monsenhor Francisco César García Magán, e de mais de uma centena de pessoas que participaram na reunião.

Monsenhor Luis Marín recordou que "a dimensão sinodal da Igreja tem estado presente desde as suas origens. "A espiritualidade e o clima de oração", "recuperando o sentido de fraternidade cristã", valorizando "a riqueza da variedade de vocações e sensibilidades", são algumas das outras características do processo sinodal. "Sejamos corajosos, generosos", encorajou, e "caminhemos juntos com humildade, disponibilidade e esperança".

O bispo coordenador e arcebispo emérito de Saragoça, D. Vicente Jiménez Zamora, centrou as suas palavras em "memória" e "compromisso", e assinalou que o processo sinodal "Está a ser uma graça de Deus", o que "é um marco na Igreja".

Jiménez Zamora acompanhará o Cardeal Juan José Omella, em representação da CEE, à Assembleia Continental Europeia do processo sinodal, a realizar em Praga de 5 a 9 de Fevereiro, juntamente com o secretário da equipa sinodal, o padre Luis Manuel Romero; Sr. María José Tuñón, ACI, que esta manhã conduziu a oração introdutória, como responsável pela vida consagrada e membro da equipa sinodal, e Dolores García Pi, presidente do Fórum dos Leigos e também membro da mesma equipa sinodal da Conferência Episcopal.

O texto resume

A apresentação da síntese, que pode ser encontrada em aquiO texto final, com as contribuições para o documento, foi apresentado por três membros da equipa sinodal: Isaac Martín, Olalla Rodríguez e Dolores García Pi. Os três recordaram que não é um texto fechado e definitivo, porque o texto final será apresentado em Praga no início de Fevereiro, e as contribuições ainda podem ser enviadas.

Entre outros aspectos, podem ser resumidos os seguintes:

1.- Polarizações.

Eles detectam que "as mesmas polarizações existentes na sociedade estão em acção no seio da Igreja: a polarização entre diversidade e unidade e a necessidade de diálogo (entre nós, a nível ecuménico e com a sociedade); a polarização entre tradição e renovação (particularmente na liturgia e na linguagem); a polarização entre a Igreja piramidal e a Igreja sinodal (que se manifesta nas nossas estruturas).

Por outro lado, "a trinômia 'comunhão, participação e co-responsabilidade' aparece repetidamente nas contribuições, admitindo que há impedimentos ao seu crescimento, particularmente devido à resistência do clero e à passividade dos leigos. A tensão do clericalismo que leva a confundir o serviço com o poder é fortemente detectada. Sentimo-nos incomodados com as distâncias entre os membros do povo de Deus de diferentes vocações e com a solidão em que alguns deles vivem. Um primeiro passo para abordar esta questão é a formação em seminários e noviciados e a formação dos leigos.

Presente do Espírito Santo

2. imagens e algumas contribuições.

"A imagem bíblica da tenda parece-nos muito sugestiva e esclarecedora como símbolo do que somos chamados a ser: uma Igreja que sai, constituída por pessoas diversas e plurais que, a partir do desejo de serem cada dia mais acolhedoras, mas sem esquecer o fundamento da unidade, abrem as suas portas e tornam-se presentes, sob a orientação do Espírito Santo".

"O processo sinodal não deve ser visto como uma solução para os problemas da Igreja como um todo, mas como um dom do Espírito Santo que nos chama à escuta activa, ao diálogo profundo e ao discernimento comunitário através da metodologia da conversa espiritual.

"Também sentimos que, para caminharmos juntos, é necessária uma contínua conversão pessoal em cada um dos membros da Igreja, partindo da escuta da palavra de Deus, da oração e dos sacramentos, enfatizando a centralidade da Eucaristia. 

O processo sinodal está a ajudar a aumentar a consciência da dignidade comum de todos os baptizados e da necessidade de revitalizá-la, de crescer em co-responsabilidade e em sentido de pertença à Igreja. Tudo isto é mais fortemente percebido nos leigos, mas também aparece nos pastores e na vida consagrada".

3. Igreja em movimento. Ecumenismo, religiosidade popular, pastoral familiar.

"O convite para ser uma Igreja que sai, no contexto da secularização que estamos a viver na Europa e em Espanha, continua a ressoar com intensidade. Por esta razão, o desejo de uma Igreja missionária, de portas abertas, onde se ouve o grito dos mais pobres e mais vulneráveis, sem esquecer o grito da terra".

"Uma experiência inovadora tem sido o grande acordo sobre a importância do ecumenismo e do diálogo inter-religioso, que alarga o espaço da nossa tenda, a Igreja. Além disso, o valor da religiosidade popular e o papel fundamental que a pastoral familiar deve desempenhar são também intuídos", afirma o texto.

Aqui estão algumas das ideias da síntese da proposta da Igreja em Espanha para a assembleia continental em Praga (5-9 de Fevereiro). Os presidentes das 39 conferências episcopais da Europa reunir-se-ão de 10 a 12 do mesmo mês, informou Luis Manuel Romero, e a primeira sessão da Assembleia Sinodal terá lugar em Roma, de 4 a 29 de Outubro, em Roma.

O autorFrancisco Otamendi

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.