Espanha

Caritas Ceuta: dignificando os necessitados

Em meados do 75º aniversário da Cáritas Española, passarão quase cinco anos desde o lançamento do Centro de Distribuição de Ajuda Básica Virgen de África, que é gerido pela diocese de Cáritas Ceuta para centenas de famílias. Manuel Gestal diz à Omnes.

Francisco Otamendi-11 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 5 acta

Foto: Manuel Getal, Director da Cáritas em Ceuta

"Os pontos-chave da acção da Cáritas são as pessoas.", Natalia Peiro disse à OmnesO que mudou e o que resta desde o seu nascimento, María José Atienza perguntou-lhe, numa entrevista por ocasião do seu 75º aniversário. E Natalia Peiro respondeu: "As raízes permanecem. Os nossos pés são fundados no Evangelho, na comunidade cristã. A Cáritas é uma expressão dessa comunidade cristã e isso continua a ser verdade em todos os países do mundo. Essa razão de ser que nos diz que a nossa tarefa é uma expressão da nossa fé permanece. E permanece, sempre, o serviço a todos, sem excepção, sem perguntar de onde vem ou como eles são".

Estas palavras podem ser aplicadas à carta à Cáritas diocesana de Ceuta, uma cidade autónoma espanhola de 83.000 habitantes, cujo enclave geográfico provou ao longo dos anos não ser o mais tranquilo do mundo. Para discutir os desafios enfrentados por esta Ceuta diocesana, a Omnes contactou Manuel Gestal, o seu director. 

Além disso, no final de Novembro, faz cinco anos que o Bispo Rafael Zornoza Boy, Bispo de Cádiz e Ceuta, abençoou as instalações do Centro de Distribuição de Ajuda Básica "Virgen de África", gerido pela Cáritas diocesana de Ceuta, que se tornou um ponto de referência no cuidado das famílias carenciadas e na gestão dos recursos.

"São cuidadas, são ouvidas".

"O centro de distribuição é uma forma de dignificar os necessitados. Não lhes é dado um saco, mas são atendidos, são ouvidos... Mesmo que venham por coisas materiais, levam consigo outra coisa e são tratados com a maior dignidade", salientou Manuel Gestal no sítio web do bispado de Cádiz e Ceuta antes da pandemia. 

Agora, há algumas semanas, o director da Cáritas Ceuta sublinhou à Omnes algumas das suas peculiaridades: "Este é um centro que a Cáritas diocesana pôs ao serviço das paróquias. O mais importante a salientar é que antes, as equipas da Cáritas nas paróquias eram autónomas, e cada uma delas, de acordo com as suas possibilidades, distribuía o dinheiro que tinha pelos seus utilizadores. Com o Centro de Distribuição, conseguimos acabar com os termos utilizadores paroquiais ricos e utilizadores paroquiais pobres. 

"Agora, qualquer utilizador, independentemente da paróquia de onde venha, recebe exactamente o mesmo. O que basicamente consideramos para ajuda é o número de membros da unidade familiar. E dependendo disso, um certo número de pontos é atribuído, e eles fazem uma compra, com pequenos limites, para que seja uma compra responsável. É isso que também pretendemos alcançar".

"O salário durará para toda a eternidade". 

Antes de comentar os desafios que o Centro de Distribuição e a própria Cáritas enfrentam na área, Manuel Gestal explica a sua trajectória ao longo dos anos. No próximo ano, em Julho de 2023, Gestal completará seis anos do seu segundo mandato como director da Cáritas diocesana de Ceuta. Mas ele tem estado ao leme desde 2009. No total, passou 14 anos a promover e a dirigir os cuidados dos mais necessitados na cidade autónoma. 

Transcrevemos brevemente esta parte do diálogo, porque é estimulante de pensamento: "Reformei-me no ano passado. Antes disso, eu tinha feito tudo ao mesmo tempo. O salário é bom", diz ele com bom humor, porque na realidade é um voluntário. "Espero consegui-lo quando chegar lá acima. O salário durará para toda a eternidade. É tudo muito gratificante. Sentir-se útil é importante. Pode dizer que o bispado tem muita confiança em si porque não o deixam ir, nós dizemos-lhe, e ele responde: "O meu objectivo é ter 70 anos de idade. Tenho 66 anos, por isso, ainda tenho quatro anos". 

Em relação à tarefa actualGestal explica que "existem sete Cáritas paroquiais em Ceuta, e atendemos cerca de 600 famílias por mês, com uma média de 4 a 5 pessoas por família, pelo que actualmente atendemos cerca de 2.500 pessoas. Temos um total de entre 40 e 50 voluntários. No Centro de Distribuição há 5 trabalhadores".

No entanto, passamos então aos desafios imediatos, que têm a ver com o país vizinho. "Em termos de necessidades, neste momento, estamos em alerta. A fronteira com Marrocos foi aberta, e iremos certamente subir. Oscila muito com os planos de emprego da cidade".

"Em 2020, quando a pandemia começou, vimos uma queda significativa", acrescenta, "porque muitas das pessoas que assistimos viviam entre Marrocos e Ceuta. Foram apanhados pelo encerramento da fronteira em Marrocos, e foi aí que ficaram. Na segunda-feira abriram a fronteira e certamente iremos reparar nisso. Mas depois, quando fecharam a fronteira no dia 20, notámos uma queda de mais de cem famílias, entre uma centena e duas centenas. Porque éramos cerca de 800 ou 900 famílias por mês. Durante a pandemia houve altos e baixos, mas hoje estamos a atender a cerca de 600 famílias, com uma tendência ascendente", diz ele.

Recepção em paróquias, base de dados

O primeiro passo continua a ser a recepção nas paróquias. "Eles são a nossa base, não podemos passar sem eles. As equipas da Cáritas nas paróquias ainda estão a funcionar e são responsáveis pelos processos, pela recepção. Dizem ao Centro quando é que as pessoas virão no mês seguinte. E eles dizem-nos: tenho sete inscrições, ou três cancelamentos. E estamos a fazer provisões para a compra, e para que as prateleiras fiquem cheias."explica Manuel Gestal.

"Os directores das paróquias vão ao Centro de Distribuição com a lista dos assistidos, os utentes, de acordo com o número que têm, e não devem acumular, porque o número de pessoas permitidas é de oito", acrescenta ele. "E o que eles tomam é controlado por nós. Em alguns lugares temos códigos de pontos e noutros temos códigos de cores, para ver quanto podem receber. No final, passam por uma caixa, como num supermercado normal; o caixa, que é uma pessoa contratada, verifica se os pontos coincidem com o que estão a tomar. Desta forma, qualquer utilizador de qualquer paróquia recebe e é controlado de acordo com o número de membros da unidade familiar".

Em paralelo, foi criada uma base de dados nacional, o que dá transparência a todo o processo. "Carregamos toda a ajuda que fornecemos para uma base de dados, acessível à cidade, ao Departamento de Assuntos Sociais da Cidade de Ceuta, e ao Departamento de Finanças. De tal forma que qualquer utilizador nosso, ou qualquer pessoa registada autorizada pela Administração, ou com o seu próprio certificado de acesso, porque estes são assuntos sensíveis e não podem ser acedidos por qualquer pessoa. É de salientar que qualquer utilizador, autorizado naturalmente, que tenha acesso à base de dados nacional das suas regiões, pode entrar no DNI de um dos nossos povos, e pode ter tudo o que recebeu ao longo dos últimos três anos, penso eu. Essa base de dados pertence ao Tesouro, e é transparente. 

"Quando um utilizador sai pela porta, entra nesta base de dados nacional, e as pessoas autorizadas podem ver, com esse cartão de identificação, as famílias que levaram, por exemplo, cem euros em alimentos da Ceuta diocesana de Ceuta. Isto acontece assim que saem pela porta, porque já está registado, antes de saírem".

Principais benfeitores

Para concluir, pareceu natural perguntar ao director da Ceuta diocesana Ceuta sobre os seus principais benfeitores, aqueles que mais contribuem. Esta foi a sua resposta: "A maioria é do Fundo FEGA (Fundo Europeu Agrícola de Garantia), o que vem da Europa; depois há o subsídio da Cidade Autónoma de Ceuta, quase 200.000 euros; o Banco Alimentar de Ceuta como tal, porque a sua missão é atender as entidades que se dedicam a ajudar os utilizadores finais.

O autorFrancisco Otamendi

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.