Mundo

Os bispos do Peru apelam ao diálogo e ao fim da violência

Face à recente violência no Peru, em que 18 pessoas foram mortas e mais de 400 feridas, a Conferência Episcopal Peruana apelou à "construção de pontes de diálogo" e à "serenidade para todos os nossos compatriotas que protestam em várias partes do país".

Francisco Otamendi-17 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
protestos peru

Foto: Confrontos entre a polícia e os manifestantes no Peru © CNS/Alessandro Cinque, Reuters

Domingo 18 de Dezembro foi o dia escolhido pela Conferência Episcopal Peruana para "expressar paz, esperança e fraternidade no Peru, através do Dia de Oração pela Paz". Esta iniciativa, que cada bispo levará a cabo na sua jurisdição eclesiástica, foi promovida pelos bispos peruanos "perante a grave situação de dor e violência que o nosso povo peruano está a sofrer devido à actual crise política".

Para participar neste dia, as famílias são encorajadas a colocar um símbolo de paz nas suas casas e instituições (bandeira branca ou lenço branco) a partir deste momento.

Apelo à serenidade

O mensagem A declaração dos bispos peruanos, após vários dias de confrontos entre polícias e manifestantes que protestavam contra o Congresso da República e a favor de eleições antecipadas, foi lida pelo presidente da Conferência Episcopal Peruana (CEP), Monsenhor Miguel Cabrejos Vidarte, OFM, Arcebispo de Trujillo, que é também presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM).

Em primeiro lugar, a nota "lamenta profundamente a morte de duas pessoas em Andahuaylas, Apurímac". Continua a fazer "um apelo urgente à construção de pontes de diálogo, apelando à serenidade a todos os nossos compatriotas que protestam em várias partes do país, cujas reivindicações, quando justas, devem ser ouvidas, mas que exercem os seus direitos sem violência".

A nota é também dirigida "às Forças de Lei e Ordem, especialmente à Polícia Nacional Peruana, para actuar no quadro da Lei, assegurando a integridade do povo".

Os bispos apelam "à classe política, especialmente ao Executivo e aos membros do Congresso, para que se preocupem com a institucionalidade, a ordem democrática, o devido processo e o bem comum de todos os peruanos, especialmente os mais vulneráveis", e também "a todas as instituições do Peru, para garantir a estabilidade do país, porque não nos podemos dar ao luxo de um governo miserável no nosso país".

"O nosso querido país", continuam eles, "não deve continuar em ansiedade, medo e incerteza. Precisamos de diálogo sincero, de temperamentos calmos para proteger a nossa fraca democracia, preservar o quadro institucional e manter a fraternidade do nosso povo. A violência não é a solução para a crise ou para as diferenças. Acabou-se a violência, acabaram-se as mortes, o Peru deve ser a nossa prioridade", sublinham.

Finalmente, a hierarquia católica peruana invoca a Santíssima Virgem de Guadalupe para "nos guiar pelos caminhos da justiça e da paz".

Estado de Emergência

Como é sabido, o novo governo do Peru, chefiado pela advogada Dina Boluarte, tomou posse na semana passada, antes do Congresso completo, como a primeira mulher presidente na história do Peru, após a demissão do anterior presidente, Pedro Castillo, que horas antes tinha decidido dissolver o Parlamento para evitar a acusação por alegada corrupção.

Durante a cerimónia de tomada de posse, Dina Boluarte apelou ao diálogo para instalar um governo de unidade nacional, que já tomou posse, e pediu ao Ministério Público que investigasse os alegados actos de corrupção que têm atormentado a política peruana nos últimos anos.

Subsequentemente, o novo governo do Peru declarou uma emergência nacional de 30 dias em meio a protestos violentos após a expulsão de Pedro Castillo, suspendendo os direitos e liberdades públicas no país andino.

Precisamente no primeiro dia do estado de emergência ordenado pelo governo Dina Boluarte, foi registado o maior número de mortes.

Marchas, mortes e feridos

As marchas começaram na quarta-feira, 7 de Dezembro. Segundo o Gabinete do Provedor de Justiça, 12 pessoas morreram nas manifestações, e seis foram vítimas de acidentes de viação e eventos relacionados com os bloqueios de estradas. Até agora, Ayacucho é a região com o maior número de mortes, sete. É seguido por Apurimac (6), La Libertad (3), Arequipa (1) e Huancavelica (1).

O Gabinete do Provedor de Justiça informou que até agora 210 civis foram feridos e 216 membros da Polícia Nacional Peruana foram feridos. Os bloqueios, marchas e greves tiveram lugar nos departamentos de Ancash, Ayacucho, Cajamarca, Cusco, Moquegua, Puno e San Martin.

A mesma instituição de mediação solicitou em um comunicado O governo pediu em Lima a "cessação imediata dos actos de violência nos protestos sociais e pediu às Forças Armadas e à Polícia que actuassem em conformidade com a Constituição e a Lei".

"Defender a democracia

Há pouco mais de uma semana, o Conselho Permanente da Conferência Episcopal Peruana emitiu um comunicado em que descreveu como "inconstitucional e ilegal a decisão do Sr. Pedro Castillo Terrones de dissolver o Congresso da República e estabelecer um governo de emergência excepcional".

Afirmou também que "rejeita forte e absolutamente a ruptura da ordem constitucional". É o direito e o dever moral dos povos e dos cidadãos defender a democracia.

No mesmo comunicado, os bispos apelaram à "unidade nacional, mantendo a tranquilidade, e pondo fim a qualquer forma de violência e violação dos direitos fundamentais dos cidadãos".

O autorFrancisco Otamendi

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.