Mundo

Após uma ausência de 200 anos, os cistercienses regressam a Neuzelle

O Priorado de Neuzelle, perto da fronteira germano-polaca, é sobretudo um lugar de busca e encontro com Deus.

José M. García Pelegrín-7 de Dezembro de 2021-Tempo de leitura: 4 acta

O estabelecimento do Neuzelle Priory, cujo nome deriva da palavra latina "Nova cella", em Setembro de 2018 como mosteiro sob a abadia cisterciense de Heiligenkreuz (Santa Cruz) na Áustria, pode ser descrito como um acontecimento histórico: marca o regresso dos monges cistercienses a este lugar perto da fronteira germano-polaca após mais de 200 anos, uma vez que tiveram de o abandonar em 1817. A erecção canónica coincidiu com o 750º aniversário da primeira fundação de Neuzelle, a 12 de Outubro de 1268. 

No Congresso de Viena em 1815, que reorganizou a Europa após as Guerras Napoleónicas, foi decidido que parte do território de Lausitz (especificamente Niederlausitz, Baixa Lausitz), onde Neuzelle está localizada e que até então pertencia à Saxónia, passaria a fazer parte da Prússia. O rei prussiano Friedrich Wilhelm III secularizou (em Espanha, neste contexto, fala-se de "desvinculação") este mosteiro em 1817: a igreja paroquial católica foi convertida numa igreja evangélica; os monges cistercienses foram expulsos. 

Neuzelle, precisamente porque não fazia parte de Brandenburg-Prússia até então, tinha sobrevivido à Reforma Protestante nestes territórios, mas em 1817 a presença de quase 550 anos dos cistercienses em Brandenburg chegou ao fim. Em contraste com Neuzelle, dois mosteiros cistercienses para mulheres em Lausitz conseguiram permanecer ininterruptos desde a sua fundação na região de Lausitz, que continuou a fazer parte da Saxónia: St. Marienthal (Latim: Abbatia Vallis) - o mosteiro feminino mais antigo da ordem na Alemanha, fundado em 1234 - e St. Mariastern (Latim: Abbatia Stellae), que existe desde 1248.

Os inícios da própria história de Brandenburgo estão intimamente ligados à ordem cisterciense. Após séculos de luta entre os povos germânicos e eslavos, em 1157 foi criada a Marca de Brandeburgo, que - após a união com o principado da Prússia - iria tornar-se o núcleo do Reino da Prússia, uma das grandes potências europeias. Apenas alguns anos mais tarde, em 1180, foi fundado o primeiro dos 16 mosteiros cistercienses a ser construído em Brandeburgo até meados do século XIII: o mosteiro de Lehnin. 

Os mosteiros cistercienses não eram apenas centros de evangelização, de propagação do cristianismo, mas também centros de cultura, a começar pelo significado original do termo: Brandenburg era uma região muito pantanosa - o sufixo eslavo - em Lehnin, mas também em muitas outras como Chorin ou mesmo no próprio nome Berlim, refere-se precisamente à terra pantanosa - por isso o trabalho que os monges cistercienses aqui realizaram começou com a drenagem e a lavoura da terra, para a transformar em terra arável.  

No entanto, com a Reforma Protestante em Brandenburg, os Cistercienses foram forçados a abandonar estes mosteiros: Lehnin, sudoeste de Potsdam, e o seu mosteiro filial Himmelpfort em Uckermark, Chorin, Zinna, Dobrilugk... foram secularizados já em meados do século XVI. Os cistercienses só sobreviveram à Reforma em Neuzelle.

Actualmente, o município de Neuzelle - incluindo a cervejaria que leva o nome "Kloster-Bräu" (cervejaria do mosteiro) - tem 4.280 habitantes; está localizado a oito quilómetros a sul de Eisenhüttenstadt e não muito longe da foz do rio Neisse, no Oder, que forma a fronteira germano-polaca. Do ponto de vista da história da arte, a igreja tem uma característica especial: após ter sido danificada durante a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648), foi restaurada no estilo barroco típico do sul da Alemanha, o que é raro nestas paragens.

Após várias vicissitudes - mais recentemente fez parte de uma Fundação do Land de Brandeburgo desde 1996 - o Neuzelle Priory foi erigido canonicamente em Setembro de 2008. O documento canónico diz: "Hoje, 2 de Setembro de 2018, no 750º ano da primeira fundação do mosteiro, encontrámos um novo mosteiro e estabelecemo-lo como o mosteiro de Nossa Senhora de Neuzelle sob a abadia cisterciense de Nossa Senhora de Heiligenkreuz".

A abadia de Heiligenkreuz (Santa Cruz) está localizada na Baixa Áustria e existe sem interrupção desde a sua fundação em 1133; Neuzelle torna-se o terceiro priorado dependente de Heiligenkreuz, juntamente com Neukloster, também na Áustria, e Bochum-Stiepel, localizada na região do Ruhr.

Na diocese de Görlitz, onde Neuzelle está localizada, apenas 4% da população é católica, pelo que Neuzelle - que permaneceu um centro de peregrinação durante os anos de ausência dos cistercienses - é algo como um "oásis". O novo Prior de Neuzelle, Simeon Wester, comenta: "Acreditamos que num tempo de inquietação, num mundo inquieto, as pessoas precisam e procuram lugares onde reina o silêncio. Isto é o que queremos oferecer. A nossa experiência em Heiligenkreuz e no Priorado em Bochum-Stiepel, que foi fundado há trinta anos, mostra-nos que é atraente para muitas pessoas. Não somos nós, mas Cristo que os atrai para o mistério. Especialmente aqueles que estão longe encontram a força para procurar coerentemente o sentido da vida através do contacto com uma comunidade de oração. Isto é o que queremos fazer aqui.

O bispo da diocese, Dom Wolfgang Ipolt, também os encorajou a fazer o mesmo: "Com a vossa vida monástica, mostrem tanto aos cristãos como aos muitos que ainda não conhecem a Deus que a busca de Deus vale a pena, que ela pode fazer uma pessoa feliz e realizada. Acompanhar com alegria as pessoas que vêm a Neuzelle em busca de respostas para as suas vidas. Estou certo de que se vocês mesmos continuarem a procurar Deus, isto se espalhará e convidará outros. Deus e o povo de Deus não esperam mais nem menos de vós.

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.