Espanha

2021, o ano mais complicado da história de Manos Unidas

As consequências da pandemia, em particular a deterioração das condições de vida das comunidades a que serve Manos Unidas e o retrocesso dos avanços alcançados em diferentes domínios: soberania alimentar, direitos das mulheres e educação, marcaram estes meses de trabalho da ONGD, que viu, no entanto, crescer a solidariedade dos seus doadores.

Maria José Atienza-15 de Junho de 2022-Tempo de leitura: 4 acta
Mãos Unidas

Foto: ©Marta Isabel González

Mais de um milhão e meio de pessoas assistidas directamente, 474 novos projectos em 51 países aos quais foram atribuídos 33.449.399 euros de investimento são os números globais de um ano difícil em que, no entanto, como salientei Clara Pardo, presidente interina da Manos UnidasTambém tem havido felicidade". A apresentação do Relatório Anual 2021 desta ONGD católica foi também o último acto como presidente da Pardo, que será sucedido por Cecilia Pilar Gracia.

Marcado do princípio ao fim pela presença da pandemia de coronavírus, em 2021 Manos Unidas teve de se reinventar e pôr a sua criatividade a trabalhar para poder continuar a ajudar os mais pobres num ambiente completamente hostil. Tanto devido às restrições, à impossibilidade de viajar para ver os projectos como a outro factor, ainda mais grave: a rejeição do estranho e o esgotamento da solidariedade que os meses de confinamento deixaram, como Clara Pardo assinalou.

As consequências da pandemia entre os mais pobres têm sido terríveis e o seu impacto na economia destas comunidades, bem como na inversão dos progressos feitos na educação ou no campo dos direitos das mulheres, será muito difícil de ultrapassar.

Donativos crescentes para Manos Unidas

Contudo, como Clara Pardo queria sublinhar, "muitas pessoas ouviram o grito dos mais pobres". Apesar das complicações, este 2021 foi, para o presidente cessante da Manos Unidas, "também um momento de felicidade".

Esta solidariedade foi traduzida em mais de 50 milhões de euros recebidos por Mãos Unidass em 2021, que é 20,6 mais do que em 2020. 88,6% do total foi directamente para os fins de Manos Unidas. Além disso, 86% provém do sector privado: doações de parceiros e colaboradores, heranças e legados ou entidades religiosas. Quanto à ajuda pública recebida, foi de 6,8 milhões de euros, semelhante a 2020.

Um dos canais de doação é o dos legados ou heranças, que cresceu 140% em relação a 2020. Havia 154 testamentos em 47 delegações. Um ponto, Clara Pardo observou com emoção, é que "muitas destas pessoas nem sequer foram listadas como membros de Manos Unidas. Isto mostra a confiança que muitas pessoas têm na nossa ONGD".

Retrocesso em projectos e direitos

Entre as consequências que Covid teve nas populações mais vulneráveis da América, Ásia e África, tanto Clara Pardo como Mabel Ibáñez, coordenadora do departamento de Projectos Manos Unidas em África, destacaram a "deterioração das condições de vida das comunidades que servimos e um retrocesso nos progressos alcançados em diferentes campos".

Neste sentido, Mabel Ibáñez salientou que o trabalho de Manos Unidas em 2021 tem-se concentrado especialmente em "lidar com as consequências desta pobreza para os mais vulneráveis". Tudo abrandou e tem tido repercussões no desenvolvimento de muitos projectos".

De facto, a impossibilidade de viajar e de conhecer novos projectos possíveis levou a Manos Unidas a "trabalhar com organizações e parceiros com os quais já trabalhava. Foi apenas no último trimestre do ano que Manos Unidas se deslocou para retomar projectos no Uganda, Paraguai, Senegal, Equador, El Salvador e Camarões".

A pandemia também aumentou a desnutrição e as taxas de desnutrição, especialmente em África, o que levou a Manos Unidas a lançar projectos de capacitação alimentar em áreas da Nigéria e do Sul do Sudão.

Outro dos campos mais afectados pelos confinamentos, etc., tem sido a educação. Como Ibáñez sublinhou, "há países que passaram quase dois anos sem aulas devido à pandemia. Esta realidade levou ao abandono escolar de 24 milhões de crianças e a um aumento do trabalho infantil e do tráfico".

O aumento da violência e a violação dos direitos humanos neste tempo de pandemia, especialmente contra as mulheres, crianças e aqueles que lutam por direitos, tem sido outra das consequências da pandemia contra a qual a Manos Unidas tem vindo a criar projectos em diferentes países de África, América Latina e Ásia, onde se destaca o programa contra a violência contra as trabalhadoras domésticas, muitas delas raparigas, levado a cabo no norte da Índia.
Também, como Mabel Ibáñez salientou, os trabalhadores dos direitos humanos "chave para o desenvolvimento, por exemplo na Amazónia" são outro grupo afectado pela pandemia e, a seu favor, foram iniciados projectos em várias zonas do Peru, Colômbia, México e Madagáscar.

Ajuda humanitária e emergências

Como Mabel Ibáñez nos recordou, embora Manos Unidas seja uma organização não governamental de ajuda ao desenvolvimento, no ano passado colaborou em 55 projectos de emergência na Ásia (34), África (13) e América (8), aos quais foram atribuídos 1.607.331 euros.

Estes incluem projectos em áreas de conflito em curso como o Sul do Sudão, Burkina Faso e a área de Tigray na Etiópia, bem como ajuda às pessoas afectadas pelo terramoto no Haiti.

No total, foram assistidas 270.679 pessoas que, por várias razões, tinham perdido praticamente tudo. Para além disso, 7 projectos de ajuda humanitária ajudaram 7.686 pessoas.

Manos Unidas quis expressar a sua gratidão por este contágio de solidariedade, fazendo eco da sua campanha de 2021, que tornou estes projectos possíveis em tantas partes do mundo e ajudou a combater a pobreza e a desigualdade no mundo.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.