Família

Pepe Serret. A memória inspiradora de um grande amigo

Três décadas após a sua morte, a figura de Pepe Serret continua a inspirar muitas pessoas como exemplo de um marido, um homem de família e um bom cristão.

Joan Xandri-21 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
Pepe Serret

Foto: Pepe Serret

O afecto que advém de lidar com aqueles que nos rodeiam dá origem a este sentimento de amizade que aumenta ainda mais, se possível, quando estamos separados deles. Quando, há 30 anos atrás, o nosso querido amigo Pepe Serret nos deixou inesperadamente para o Céu, foi um golpe duro, não havia volta a dar, não podia ser "desfeito" ou alterado; era um facto que tinha de ser aceite, aceite e "aproveitado ao máximo". 

Após alguns meses, surgiu a ideia de recolher as suas memórias, as suas experiências, o que nos tinha deixado, de certa forma, como uma herança. Foi assim que nasceu o livro: Pepe Serret. Memórias dos seus amigos. Em tempo recorde, uma centena de pessoas - que se consideravam todas como um dos seus melhores amigos - escreveram o que significava conhecê-lo, o que lhes era grato, e o que tinham recebido.  

Pepe era um homem que sabia amar e fazer-se amar. Um bom homem, na língua que todos compreendemos.  

O contacto com as pessoas revelou o carácter vital de Pepe. Quem o conheceu sabe o quanto ele amava a vida e todas as suas expressões. A sua alegria e optimismo, a sua alegria e a felicidade que sempre irradiou do seu sorriso generoso e malicioso, a sua simplicidade e generosidade. Tudo isto foi o fruto da sua fé na Providência, e do seu sentimento de estar sempre nas mãos de Deus.  

Se podemos falar de um grande amigo, é pela simples razão de que, na sua grandeza de espírito, estava sempre pronto a dar uma mão, sem reservas de qualquer tipo, sem parar para pensar em razões de conveniência ou interesse: sem esperar nada em troca, que é - penso eu - uma das facetas que retratam um verdadeiro amigo. Ele viveu intensamente os problemas dos seus amigos. Estando ao seu lado, quaisquer problemas que alguém pudesse ter desaparecido, ou pelo menos foram simplificados.  

Outra grande característica era o seu grande amor pela sua família. Fiquei frequentemente impressionado, de uma forma especial, com a imensa ternura com que Pepe amava os seus filhos. Conhecia bem cada um deles: conhecia as suas alegrias e problemas; vivia as suas preocupações, as suas alegrias e tristezas; sofria se os via preocupados; rezava por eles; rezava com eles, ... E acima de tudo - isto era rapidamente palpável - amava-os com um coração sempre jovem e determinado.

O lema de família que ele incutiu nos seus filhos foi; temos de fazer pinya! Temos de ser como um ananás, temos de fazer um ananás... ensinando-os a viver em unidade, apoiando-se uns aos outros. 

A sua magnanimidade era impressionante: um bom profissional, um lutador incansável. Prudente, delicado e ao mesmo tempo audacioso, espirituoso, engraçado, com aquela descarada e encantadora falta de vergonha, que todos apreciámos, quando nos falou de Deus, sobre o significado transcendente das nossas vidas e colocou as coisas na sua devida perspectiva.   

Numa altura em que as pessoas são mais valorizadas por "ter" do que por "ser", emerge a personalidade de um homem que lutou para amar cada vez mais a Deus a cada dia. Ele era um homem de fé. De uma fé viva e ardente que o levou todos os dias a lutar para viver em fidelidade aos seus princípios nas condições normais da vida, para se dedicar generosamente à sua grande família, para melhorar dia após dia no seu trabalho profissional, tentando descobrir o valor transcendente que está encerrado nas pequenas coisas de cada dia, em suma, para querer sentir e comportar-se em cada momento como um filho de Deus.   

A sua vida inspiradora permanece não só para aqueles de nós que tiveram a sorte de o conhecer, mas também para as pessoas que procuram testemunhos da vida cristã no mundo de hoje. Pepe é um deles.  

O autorJoan Xandri

Amigo de Pepe Serret

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.