Ecologia integral

"Os cuidados paliativos devem ser um direito, não um privilégio".

A Europa terá de cuidar de quase 5 milhões de pacientes com sofrimento grave e doença grave até 2030, contra os 4,4 milhões actuais, enquanto 65 % da população ainda não tem acesso a cuidados paliativos. A Espanha está atrasada na educação e formação em cuidados paliativos, enquanto que a lei da eutanásia já se encontra no Senado.

Rafael Mineiro-5 de Fevereiro de 2021-Tempo de leitura: 4 acta
hospital_palliative_care

Foto: Olga Kononenko / Unsplash

As estimativas são reais e recentes. Mais de quatro milhões de pessoas na Europa precisam de cuidados paliativos todos os anos. Mas dentro de alguns anos eles serão quase cinco milhões de pacientes irão necessitar destes cuidados especializados face ao sofrimento grave devido à sua doença, de acordo com estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS).) em 2020.

38 por cento terão doenças oncológicas, cancro; 33 por cento, cardiovascular; 16 por cento, variantes de demência; 6 por cento, crónicas; e 7 por cento, outras.

Numa perspectiva global, David Clark, da Universidade de Glasgow, e outros professores e médicos, estudaram o estado dos cuidados paliativos em 198 países em 2019. Entre as suas conclusões, observaram que "Os cuidados paliativos ao mais alto nível de prestação estão disponíveis apenas para 14 % da população mundial e estão concentrados nos países europeus".

Facilitar o acesso aos cuidados paliativos

Os peritos acrescentaram as suas previsões de "um crescimento global de 87 % em severo sofrimento relacionado com a saúde, susceptível de intervenções de cuidados paliativos até 2060".. No entanto, na sua opinião, apesar desta necessidade crescente, "os cuidados paliativos não estão a atingir os níveis exigidos por pelo menos metade da população mundial". (Níveis de cartografia do desenvolvimento de cuidados paliativos em 198 países: A situação em 2017, publicado em Journal of Pain and Symptom Management (Diário da Dor e Gestão de Sintomas)).

Por exemplo, em Espanha, das mais de 220.000 pessoas que morreram nos últimos anos necessitadas de cuidados paliativos, estima-se que cerca de 80.000 morreram sem acesso a cuidados paliativos.de acordo com dados da Sociedade Espanhola de Cuidados Paliativos (Secpal). Além disso, é um serviço que será necessário a cerca de 50 % da população no final das suas vidas.

A realidade é que "Um maior acesso a cuidados paliativos poderia aliviar grandemente a dor de milhões de pessoas. O acesso aos cuidados paliativos deve ser um direito e não um privilégio de poucos."disse uma reportagem na revista O nosso tempo pouco antes do surto da pandemia, no início do ano passado.

"Hoje em dia, a eutanásia é exigida na sociedade, mesmo na lei, por muitas coisas que têm solução. A medicina também tem muitas coisas a dizer face ao sofrimento que, por vezes, pode ser intolerável. A medicina tem algo, e eu sei que é eficaz, porque já a vi em acção tantas vezes, garantiu Omnes o médico Carlos Centeno, director de Medicina Paliativa na Clínica Universidad de Navarra e da Equipa de investigação Atlantes do Instituto de Cultura e Sociedade (ICS) da mesma universidade, que esteve envolvida no relatório de Glasgow, em estudos recentes para a OMS, e também para o Vaticano.

Apoio da Santa Sé

A preocupação da Santa Sé em apoiar os cuidados paliativos, ou seja, cuidados abrangentes para pacientes com sofrimento grave numa doença grave, de forma interdisciplinar, de modo a manter o seu bem-estar e qualidade de vida, é notória. Em 2019, o Livro Branco para a Advocacia Global de Cuidados Paliativos, um Livro Branco no qual especialistas de todo o mundo, convocados pela Pontifícia Academia da Vida e coordenados por Atlantes, estudaram formas de promover os cuidados paliativos..

No final dos trabalhos, foi registado no documento que "a comunidade de cuidados paliativos reconhece o importante papel das religiões na promoção desta forma de cuidados para os doentes, dada a capacidade das religiões de alcançarem as periferias da humanidade, aqueles que, dentro de uma comunidade, são os mais necessitados". O Papa Francisco foi também citado, na sua descrição da cultura do "descarte". na Exortação Apostólica Evangelii gaudium53, e foi registado que "As fés religiosas apoiam os princípios dos cuidados paliativos para aliviar a dor e o sofrimento que se aproximam do fim natural da vida".

"A esperança é que todas as religiões apoiem activamente o movimento de cuidados paliativos", concluiu o documento, "oferecendo a sua valiosa contribuição de sabedoria para alcançar uma cultura de acompanhamento verdadeiramente inclusiva e respeitadora da dignidade de cada ser humano"..

A dignidade humana foi aludida há um mês e meio José María Torralbadirector do Instituto de Currículo Principal da Universidade de Navarranuma conferência em linha organizado sob o título Ciência e valores dos cuidados paliativos. O professor salientou que na actividade de cuidar de outra pessoa, a dignidade humana brilha de uma forma particular. "O problema, acrescentou ele, "É a mentalidade utilitária dominante, para a qual o cuidado é uma perda de tempo, porque a vida é vista em termos de desempenho e sucesso. A nossa sociedade precisa de recuperar a consciência de que somos seres fracos e necessitados de cuidados"..

Ele também se referiu à dignidade Tomás Chivato, Reitor da Faculdade de Medicina e professor na Universidade CEU de San Pablo. "A dignidade é intrínseca a todo o ser humano", "é preferível falar de uma vida digna e não de uma morte digna".diz ele. Na sua opinião, "Se uma pessoa sente que é um fardo ou que é inútil, pode sentir que a sua vida não tem sentido. Pelo contrário, quando alguém se sente amado, apreciado e acompanhado, não se sente 'indigno'"..

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.
Banner publicitário
Banner publicitário