Evangelização

João ChagasFuncionário da JMJ do Vaticano: "Os jovens estarão mais envolvidos do que nas edições anteriores".

Omnes entrevista o Padre João Chagas, coordenador do gabinete da juventude do Dicastério para os Leigos, Família e Vida e encarregado de coordenar os preparativos da Santa Sé para o Dia Mundial da Juventude deste Verão em Lisboa. 

Federico Piana-25 de Outubro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
Chagas JMJ

Foto: João Chagas

"WYD 2023 será provavelmente um sucesso". A previsão optimista para o Dia Mundial da Juventude, que terá lugar em Lisboa de 1 a 6 de Agosto do próximo ano, vem das palavras do Padre João Chagas, chefe do Gabinete da Juventude do Dicastério para os Leigos, Família e Vida. O clérigo, que em nome da agência do Vaticano está a ajudar o comité local na capital portuguesa a organizar o evento, explica que em todo o mundo, após o ressurgimento da pandemia, "há um desejo muito grande de recomeçar, de se encontrarem uns com os outros. Alguns delegados de várias conferências episcopais disseram-me que os jovens estão impacientes por poderem participar na próxima JMJ, apesar de terem passado mais de quatro anos desde a última reunião. Tudo isto é um bom presságio e, acrescenta o Padre Chagas, "tenho a certeza de que haverá uma afluência muito grande".

Que assistência está o Dicastério do Vaticano para os Leigos, Família e Vida a dar ao comité local para preparar a JMJ 2023?

O dicastério guarda a memória de todas as JMJ anteriores, somos um ponto de união e os garantes da fidelidade ao projecto original, que foi actualizado ao longo do caminho. Para este efeito, existe um memorando, um esboço operacional. Como diz o Papa Francisco: devemos recordar o passado para termos coragem no presente e esperança para o futuro. Somos a memória do passado e tentamos encorajar no presente caminhando em conjunto com o comité organizador local.

Na sua opinião, como é que a pandemia e a guerra na Ucrânia estão a afectar os preparativos para a JMJ 2023?

O primeiro efeito concreto é que esta JMJ foi movida por um ano: na realidade, deveria ter tido lugar em 2022. Em 2019 e 2021, as reuniões preparatórias entre o comité organizador local e o comité central em Roma não foram tão frequentes, mas agora tudo se está a intensificar. No entanto, a sua deslocação está a ajudar-nos muito na preparação.

Será que os jovens se envolverão na JMJ 2023 apesar do preocupante clima internacional?

Na minha opinião, os jovens estarão mais envolvidos do que nas edições anteriores. Quando existem dificuldades, os jovens trazem o melhor de si: resiliência, coragem para ultrapassar obstáculos. E isto acontece especialmente se se tiver a força da fé. Encontra-se uma confirmação na forma como os voluntários de Lisboa e Portugal estão a dar o seu melhor para organizar o evento num clima que permanece incerto. 

Pensa que a JMJ deste ano também atrairá o interesse de jovens que estão longe da fé?

Em Roma existe um centro de pastoral juvenil ligado ao nosso dicastério que mantém a cruz original da JMJ e lá encontro frequentemente muitos grupos de diferentes países nos quais há sempre jovens ateus ou crentes mas que não praticam. Devo dizer que do seu lado vejo muito interesse na JMJ e na Igreja. Uma vez, um destes jovens, depois de assistir a uma audiência papal, disse-me que estava muito impressionado com o facto de uma figura como o Papa poder ser um ponto extraordinário de união entre tantas pessoas de culturas e realidades diferentes. Podemos então dizer que a JMJ é também para todos, porque a experiência de fé que ali é vivida reflecte-se em tantos temas, partilhados também com aqueles que não acreditam.

Como serão envolvidos os jovens que não podem ir a Lisboa para não correr o risco de os excluir?

O Dicastério para os Leigos, Família e Vida e o Comité Organizador de Lisboa estão empenhados em tornar a JMJ 2023 o mais amiga dos media possível. Muitas conferências episcopais e dioceses de todo o mundo estão a preparar eventos ao mesmo tempo e em ligação com Lisboa, para que aqueles que não podem participar possam acompanhar não só os eventos com o Papa, mas também as muitas actividades culturais e espirituais que terão lugar durante esses dias.

O autorFederico Piana

 Jornalista. Trabalha para a Rádio Vaticano e colabora com L'Osservatore Romano.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.
Banner publicitário
Banner publicitário