Educação

Ensinar o novo tema da fraternidade

O último "pedido de oração" do Santo Padre dedicado aos educadores, aqueles que todos os dias têm nas suas mãos a possibilidade de realizar "um acto de amor que ilumina o caminho" dos mais jovens e que, com o seu conhecimento, empenho e alegria em comunicá-lo, podem ser verdadeiros "criadores de comunidade", testemunhas credíveis.

Giovanni Tridente-23 de Janeiro de 2023-Tempo de leitura: 2 acta
educação

Foto: Sala de aula no Texas ©CNS foto/James Ramos, Texas Catholic Herald

O tema da educação - e dos educadores - e a sua contribuição para a melhoria da sociedade tem vindo a ganhar destaque nas últimas semanas, graças à intenção de oração que o Papa Francisco confiou a toda a Igreja para o mês de Janeiro, através do A Rede Global de Oração do Papa.

Com esta iniciativa, através de um vídeo mensal - "O vídeo do Papa" - o Pontífice lança uma mensagem concreta sobre uma das realidades que nos nossos dias necessitam do acompanhamento e da proximidade de todos os fiéis, que por isso são chamados a rezar com esta intenção específica ao longo de todo o mês civil em que o vídeo é lançado.

Um novo tema

Aos educadores, o Papa dirigiu-se a uma proposta original: "acrescentar um novo tema ao ensino da fraternidade", conseguindo combinar e harmonizar bem "as três línguas: a da cabeça, a do coração e a das mãos" a fim de ser escutado muito mais atentamente pelas gerações mais jovens.

Uma referência que ele já tinha feito no ano passado, quando se dirigiu a uma delegação do Projecto Global Researchers Advancing Catholic Education explicou que a harmonia educativa começa por "pensar o que sinto e faço", "sentir o que penso e faço", "fazer o que sinto e penso".

A fraternidade é, de facto, um tema central deste pontificado, que obviamente tem em conta a urgência de reorientar o nosso mundo ensombrado por conflitos de todo o tipo, a começar pelos que levamos dentro de nós e que externalizamos mesmo com as pessoas mais próximas de nós, para guerras armadas como a que se tem vindo a verificar desde há um ano em Ucrânia.

Visão profética

Claramente, o Papa Francisco há muito que via o futuro - talvez profeticamente - e não é por acaso que há três anos atrás já decidiu escrever e entregar a toda a Igreja Fratelli Tuttia sua terceira encíclica. Um texto que, por sua vez, tinha como premissa fundamental o Documento sobre a Fraternidade Humana para a Paz Mundial e a Coexistência Comumassinado um ano antes, a 4 de Fevereiro de 2019, em Abu Dhabi, com o Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb.

Desta vez o apelo é aos educadores - daqueles que dedicam a sua profissão ao contacto directo com as gerações futuras, mas também àqueles que educam como pais, avós ou irmãos - a unirem os seus esforços para restaurar a paz no mundo, começando com uma justa compreensão da coexistência humana "que supera mal-entendidos e evita conflitos", como o próprio Papa Francisco escreve na encíclica.

100 milhões de educadores formais

De acordo com os próprios dados da Rede Mundial de Oração, existem quase 100 milhões de "educadores formais" a ensinar em escolas primárias e secundárias e colégios em todo o mundo, mas é um papel que está obviamente também presente em muitas outras áreas da vida quotidiana. Pense em líderes religiosos, pastores, catequistas, líderes comunitários, pais, voluntários em organizações sem fins lucrativos, treinadores desportivos, consultores empresariais....

Claro que a educação deve também ser acompanhada de uma grande capacidade de ouvir e animada pela cultura do encontro, porque no final devemos tornar-nos capazes de "acolher os outros como eles são, não como eu quero que eles sejam, mas como eles são, e sem julgar ou condenar ninguém", como disse Francisco em 2021 numa audiência com representantes de várias religiões recebidas no Vaticano.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.