Evangelização

As pessoas com deficiência e a participação na vida da Igreja

Embora o trabalho da Igreja com pessoas com deficiência não seja novo, as dificuldades encontradas por estes fiéis e as suas famílias continuam a ser numerosas. As barreiras físicas e os preconceitos ainda estão presentes quando se trata da experiência plena da fé e da participação destas pessoas na comunidade eclesial. 

Maria José Atienza-3 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta

Um dos verdadeiros assuntos inacabados da Igreja é, sem dúvida, a integração pastoral das mulheres e raparigas. pessoas com deficiência. Embora estejam a ser tomadas medidas, em comunidades específicas e quase sempre encorajadas pela presença de pessoas com várias deficiências, físicas ou intelectuais, a realidade é que o cuidado destas pessoas, especialmente no campo das deficiências intelectuais, é ainda escasso e subdesenvolvido.

Há alguns meses, como parte do itinerário sinodal, o Dicastério para os Leigos, a Família e a VidaEm acordo com a Secretaria Geral do Sínodo, convidou cerca de trinta pessoas com deficiência dos cinco continentes a contribuir com as suas diversas experiências para o Sínodo. Das suas contribuições e reflexões nasceu o documento A Igreja é a nossa casa. Este documento explicitou a necessidade de "para se distanciar de certas ideias que têm marcado a abordagem da Igreja a esta questão. O primeiro é o daqueles que o viram como resultado da culpa; o segundo é o daqueles que pensavam que os deficientes eram de alguma forma purificados pelo sofrimento que viviam e, portanto, de alguma forma mais próximos do Senhor".

Isto foi agravado pelo facto de o interesse pastoral se ter centrado na "principalmente nas famílias ou nas instituições de cuidados que cuidavam deles". historicamente. 

A Igreja é a nossa casa apela corajosamente para uma mudança de mentalidade na Igreja: reconhecer, reconhecer verdadeiramente, que "O Senhor assumiu em si tudo, mas verdadeiramente tudo o que pertence à humanidade concreta e histórica, em todas as suas possíveis declinações, as de cada homem e de cada mulher, incluindo a deficiência".

Muitas pessoas com deficiência fazem parte das nossas comunidades. No caso das deficiências intelectuais, é ainda mais perceptível que a vida destas pessoas é respeitada em maior medida nas comunidades de fé. No entanto, há ainda um longo caminho a percorrer. 

A fé está no ar em casa

María Teresa e Ignacio sabem muito sobre como viver a fé ao lado das pessoas com deficiência. Têm sete filhos, um dos quais, Ignacio, tem uma deficiência intelectual ligeira e o mais novo, José María, nasceu com síndrome de Down. A sua experiência sublinha a ideia expressa no documento A Igreja é a nossa casa quando afirma que viver a fé ao lado das pessoas com deficiência "pode ajudar a superar a ideia de que é a nossa capacidade intelectual que gera amizade com Jesus". 

De facto, Maria Teresa salienta que "As pessoas com deficiência têm uma capacidade muito mais ampla e limpa de compreender a transcendência do que outras, incluindo os pais". No entanto, é necessária uma linguagem diferente e adaptada, que não está geralmente disponível. Na verdade, explica María Teresa, "Muitas pessoas estão a fazê-lo por conta própria". 

Esta mãe de duas crianças necessitadas sublinha que "Verificamos frequentemente que os jovens são tratados como crianças pequenas, e isso não é correcto. Cada um tem uma necessidade diferente de formação, uma expressão diferente da sua fé. Temos de os acompanhar para que cheguem ao mesmo ponto que os outros pelo caminho de que necessitam. Por exemplo, através de uma leitura fácil. Não se trata de desqualificar conceitos, mas de como eles são apresentados e não, porque são mais acessíveis, menos graves. Pode-se explicar a Trindade ou a conversão do pão e do vinho no Corpo e Sangue de Cristo de tal forma que eles possam compreendê-lo e não precisamos de fazer pequenos desenhos para uma criança de 24 anos, conclui com força. 

A sua declaração está ligada ao apelo destas pessoas para "superar qualquer atitude paternalista para com aqueles que experimentam uma condição incapacitante e superar a ideia de que devemos ser exclusivamente atendidos", O documento do Dicastério, que descreve como "Uma mudança de mentalidade é urgentemente necessária para ajudar a realizar o potencial de todos". 

Como se diz A Igreja é a nossa casa: "É necessária uma mudança de paradigma que parta de um aprofundamento teológico capaz de tornar explícita de forma clara e enérgica a dignidade da pessoa com deficiência como igual a qualquer outro ser humano, promovendo a sua plena participação na vida da Igreja". 

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.
Banner publicitário
Banner publicitário