Liberdade e Verdade em Menéndez Pelayo

Numa altura em que o silenciamento cultural e social ameaça minar, especialmente, os rudimentos da liberdade académica, surge como exemplo a figura do estudioso Marcelino Menéndez Pelayo.

30 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 4 acta
jose maria barrio verdad

"Logo no início da Restauração, em Fevereiro de 1875, foi publicado um decreto pelo Ministério das Obras Públicas proibindo o ensino de qualquer coisa contrária ao dogma católico, à moral sã, à monarquia constitucional e ao regime político. Vários professores universitários, tais como Giner de los Ríos, Azcárate e Salmerón foram primeiro suspensos e depois afastados das suas cátedras".

Em 1876, Giner de los Ríos e vários dos seus colegas fundaram a Institución Libre de Enseñanza, uma associação que, fora da educação pública, procurava renovar as gerações mais jovens com uma moral e ideias seculares inspiradas pelo maçon alemão idealista K. Ch.F. Krause (1781/1832), cuja filosofia tinha tentado harmonizar o panteísmo e o teísmo e, contra a exaltação hegeliana da ideia de Estado, tinha tentado harmonizar o panteísmo e o teísmo.Ch.F. Krause (1781/1832), cuja filosofia tinha procurado harmonizar panteísmo e teísmo e, contra a exaltação hegeliana da ideia de Estado, tinha defendido a superioridade ética das associações de finalidade geral, como a família ou a nação. Através da promoção de uma federação voluntária entre estas associações, a aproximação e a unidade entre os seres humanos poderia ser conseguida.

Um membro da Instituição, Gumersindo de Azcárate, num artigo publicado na "Revista de España", afirmou que, "dependendo de o Estado proteger ou negar a liberdade da ciência, a energia de um povo mostrará mais ou menos o seu génio peculiar... e pode até acontecer que a sua actividade seja quase completamente asfixiada, como aconteceu em Espanha durante três séculos".

Menéndez Pelayo, após ler o referido artigo e instruído por um dos seus professores e amigo, Gumersindo Laverde (18335/1890), publicou, no mesmo ano de 1876, a sua primeira obra, "La ciencia española", com a qual iniciou a sua aventura intelectual, convencido de que os espanhóis podiam renovar-se inspirando-se nos ideais éticos e culturais dos momentos mais altos da sua história; e já então subscreveu as palavras do estudioso beneditino B. J. Feijoo, que num dos seus discursos se tinha proclamado "um cidadão livre na República das Letras, nem escravo de Aristóteles nem aliado dos seus inimigos".J. Feijoo, que num dos seus discursos se tinha proclamado "um cidadão livre na República de Letras, nem escravo de Aristóteles nem aliado dos seus inimigos".

Em 1892 dirigiu um relatório ao Ministro das Obras Públicas no qual se queixava de que "estamos a assistir à saída da nossa Faculdade de Professores muito dignos..., representantes de doutrinas muito diferentes, mas igualmente dignos de respeito pela sua zelosa e desinteressada consagração ao culto da verdade...", "...ideal de vida... ...visando uma investigação científica que só pode ser realizada com garantias de independência semelhantes às de todas as grandes instituições científicas de outros países...; "...queremos abordar este ideal por todos os meios possíveis e reivindicar para o organismo universitário toda aquela liberdade de acção que, dentro da sua esfera peculiar, lhe corresponde".

Por seu lado, Cánovas del Castillo, um historiador, considerou que flagelos como o atraso e a falta de unidade política de Espanha eram atribuíveis ao legado da Inquisição e da Casa da Áustria. E na Assembleia Constituinte de 1868, Castelar gritou: "Não há nada mais terrível, mais abominável, do que aquele grande império espanhol que era um sudário que se estendia sobre o planeta... Acendemos as fogueiras da Inquisição; atiramos os nossos pensadores para dentro delas, queimámo-las e, depois, não sobrou nada da ciência em Espanha a não ser um amontoado de cinzas".

É verdade que a ciência espanhola tinha sido interrompida durante muito tempo, mas isso foi a partir de 1790, não coincidindo com a Inquisição, mas com a Corte Volteriana de Carlos IV, as Cortes de Cádiz, a desintegração de Mendizábal, a queima de conventos...

Neste contexto, em 1881, quando Don Marcelino ainda não tinha atingido a idade de 25 anos, foi realizada uma homenagem no Parque Retiro de Madrid pelo segundo centenário da morte de Calderón de la Barca. Peritos estrangeiros elogiaram o mérito do escritor, apesar da era retrógrada em que viveu. No final, Menéndez Pelayo explode... "Olha, Enrique", ele confessaria mais tarde ao seu irmão, "eles tinham-me feito trabalhar, tinham dito tantas barbaridades e eu não pude deixar de rebentar, e além disso, deram-nos tão mau champanhe para a sobremesa...".

Neste famoso brinde, o polígrafo cantábrico sublinha em primeiro lugar a ideia (ou melhor, o facto) de que foi a fé católica que nos moldou. Da sua perda ou, pelo menos, do seu desaparecimento, nasce a nossa decadência e a nossa eventual morte...

Em segundo lugar, a vindicação da monarquia tradicional, assumida e levada ao seu apogeu pela Casa da Áustria, que não era nem absoluta nem parlamentar, mas cristã, e que, portanto, podia ser o garante do município espanhol, onde a verdadeira liberdade podia florescer....

Em defesa destes princípios (fé católica, monarquia tradicional, liberdade municipal) Calderón escreveu. Os liberais, tanto absolutistas como revolucionários, levantaram-se contra eles, impondo a sua liberdade ideológica, que destruiu a verdadeira liberdade em nome de ideias abstractas e estatistas.

Termino com a transcrição do brinde porque penso que vale a pena fazê-lo: "...brindo ao que ninguém brindou até agora: às grandes ideias que foram a alma e a inspiração dos poemas de Calderon. Em primeiro lugar, à fé católica romana, apostólica, que em sete séculos de luta nos fez reconquistar a nossa pátria, e que no início da Renascença abriu aos castelhanos as selvas virgens da América, e aos portugueses os fabulosos santuários da Índia.... Brindo, em segundo lugar, à antiga e tradicional monarquia espanhola, cristã na essência e democrática na forma... Brindo à nação espanhola, o cavaleiro da raça latina, da qual foi o escudo e a barreira mais firme contra a barbárie germânica e o espírito de desintegração e heresia... Bebo ao município espanhol, filho glorioso do município romano e expressão da verdadeira e legítima e sacrossanta liberdade espanhola... Em suma, bebo a todas as ideias, a todos os sentimentos que Calderón trouxe à arte...; aqueles de nós que sentem e pensam como ele, os únicos que com razão e justiça, e com razão, podem exaltar a sua memória... e que de forma alguma podem os partidos mais ou menos liberais que, em nome da unidade centralista ao estilo francês, asfixiaram e destruíram a antiga liberdade municipal e foral da Península, assassinada primeiro pela Casa de Bourbon e depois pelos governos revolucionários deste século, contar como seus. E eu digo e declaro que não aderi ao centenário de uma celebração semi-pagã, informada por princípios... que teria pouco a agradar a um poeta tão cristão como Calderón, se ele tivesse levantado a cabeça...".

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.