ColaboradoresSantiago Leyra Curiá

Europa e Espanha em Menéndez Pelayo

A ideia de Espanha de Marcelino Menéndez Pelayo baseou-se num profundo amor pelo seu povo e na riqueza de pertencer a um mundo maior e aberto.

26 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 5 acta
Menendez Pelayo

"Quando publicou a sua "Epístola a Horácio" em 1877, o jovem Marcelino Menéndez Pelayo (1856/1912) ansiava pelos povos da Europa unidos pela arte e pelas palavras, trabalhando a beleza com mão e coração cristãos, como aqueles povos mediterrânicos que tinham promovido a cultura renascentista. Catorze anos mais tarde, viu na Renascença "o período mais brilhante do mundo moderno, por ter alcançado a fórmula estética definitiva, superior em alguns casos à da antiguidade, nas obras de artistas como Rafael, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Miguel de Cervantes, Fray Luis de León...". (discurso de admissão à Academia Real de Ciências Morais e Políticas)".

Em contraste com aqueles que viram concordância entre os postulados iniciais do Renascimento e do Protestantismo, ele afirmou que "A grande tempestade da Reforma nasceu nos claustros nominalistas da Alemanha, não nas escolas de humanidades da Itália.. E confessou que não conseguia aproximá-lo dos povos do Norte da Europa. "A Reforma, o filho ilegítimo do individualismo teutónico". que tinha significado o fim da unidade europeia (História do heterodoxo espanhol e A Ciência Espanhola).

Em qualquer caso, ele não deixou de admirar "Schiller's Maravillous Bell Song, a mais religiosa, a mais humana e a mais lírica das canções alemãs, e talvez a obra-prima da poesia lírica moderna". Também estremeceu quando leu a carta em que Schiller disse a Goethe que "O cristianismo é a manifestação da beleza moral, a encarnação do sagrado e sagrado na natureza humana, a única religião verdadeiramente estética". E, sobre o próprio Goethe, recordou que ele tinha sido o introdutor da expressão "literatura universal, que ele inventou e em virtude da qual devemos chamar-lhe um cidadão do mundo". Do mesmo modo, fez uma pausa sobre as obras das figuras mais representativas da era dourada da literatura alemã, tais como Winckelmann, Lessing, Herder, Fichte, the Humboldts e Hegel, "que ensina mesmo quando erra... cujo livro (em Estética) respira e instila um amor de beleza imaculada e espiritual". Como ele se maravilharia com a literatura da Inglaterra, "uma das aldeias mais poéticas do mundo". (História das ideias estéticas em Espanha, 1883/1891).

Como é que Menéndez Pelayo viu a Espanha naquela Europa? 

Ele considerou que o valenciano Juan Luis Vives tinha sido "o mais brilhante e equilibrado pensador da Renascença"., "o escritor mais completo e enciclopédico da época". E ele viu em Vives o mais empenhado na Europa do seu tempo, que "contemplou Cristo como o Mestre da paz, para aqueles que o escutam e para aqueles que não o escutam, pela sua acção no fundo das suas consciências".àquele que, movido por "pelo amor da concórdia de todos os povos da Europa", vendo-a tão dividida, dirigiu-se ao Imperador e aos reis Henrique VIII e Francisco I, recordando-lhes que a sua divisão facilitou a pirataria de Barbarossa e as rusgas turcas (Antologia dos poetas líricos castelhanos).

Ele coincidiu com outro espanhol, Jaume Balmes, o autor de "Protestantismo comparado com o catolicismo nas suas relações com a civilização europeia", onde o escritor catalão tinha discordado abertamente de Guizot, o autor do livro "História geral da civilização na Europa". Para Guizot, o catolicismo e o protestantismo estavam em pé de igualdade, uma vez que tinham desempenhado um papel semelhante na formação da Europa; do seu ponto de vista calvinista, Guizot acreditava que a Reforma Protestante tinha trazido à Europa um movimento expansivo de razão e liberdade humana.

Pela sua parte, Menéndez Pelayo considerou que a Reforma, iniciada com as ideias de livre exame, servo arbitrio e fé sem obras, tinha significado um desvio do curso majestoso da civilização europeia: "... provou-o... começando por analisar a noção de individualismo e o sentimento de dignidade pessoal, que Guizot considerava característico dos bárbaros, como se não fosse um resultado legítimo do grande estabelecimento, transformação e dignificação da natureza humana, trazida pelo cristianismo...". (Duas palavras sobre o centenário de Balmes). 

Baseou-se no pressuposto de que "O ideal de uma nacionalidade perfeita e harmoniosa não é mais do que uma utopia... É necessário tomar as nacionalidades como os séculos as fizeram, com unidade em algumas coisas e variedade em muitas outras, e acima de tudo na língua". (Programa de Defesa da Literatura Espanhola). E de como o espírito espanhol, que tinha vindo a emergir ao longo da Reconquista, era "um em crença religiosa, dividido em tudo o resto, por raça, por língua, por costumes, por privilégios, por tudo o que pode dividir um povo". (Discurso de entrada na Academia Real Espanhola).

Nas suas obras sobre a história da cultura espanhola, não se limitou a escrever na língua comum espanhola, a língua castelhana, o que não deixou de considerar "o único entre os modernos que conseguiu expressar algo da ideia suprema". e em que foi escrito "o épico cómico da raça humana, o eterno breviário do riso e do bom senso".

Bem, considerando que a Espanha é uma nação rica e variada em línguas, veria no Ramón Llull de Mallorcan, "ao primeiro que tornou a linguagem vulgar útil para ideias puras e abstracções, àquele que separou a língua catalã da provençal, tornando-a grave, austera e religiosa". (Discurso de entrada para a RAE em 1881).

Tendo iniciado os seus estudos universitários em Barcelona, conhecia a língua catalã, na qual, anos mais tarde, proferiria um discurso à Rainha Regente Maria Cristina. E, na sua "Semblanza de Milá y Fontanals". lembrar-se-iam de que "Foram os poetas que, percebendo que ninguém pode alcançar a verdadeira poesia a não ser na sua própria língua, se voltaram para o seu cultivo artístico com objectivos e propósitos elevados".

Alfredo Brañas, em "Regionalismo", recorda como, na esfera literária, a Catalunha tinha alcançado a mais alta representação da literatura hispânica em 1887. Nesse ano, o poeta catalão Federico Soler tinha ganho o prémio da Real Academia Espanhola para o melhor trabalho dramático realizado nos teatros de Espanha. Brañas comenta que, antes de ser atribuído, enquanto alguns académicos eram da opinião de que o prémio só deveria ser atribuído a peças executadas nos teatros do Tribunal, outros, como Menéndez Pelayo, consideraram que deveria ser aberto a dramaturgos de todas as regiões espanholas.

No seu "Antología de poetas líricos castellanos" (Antologia de poetas líricos castelhanos), Menendez Pelayo dedicou páginas consideráveis à poesia galega medieval e, em dois relatórios e com bom senso, ele julgaria a "Dicionário Galego-Espanhol". por Marcial Valladares e o "Cancioneiro folclórico galego". por José Pérez Ballesteros. Na mesma antologia, eu elogiaria Valência porque "Ela foi predestinada a ser bilingue... pois nunca abandonou a sua língua materna". E, numa carta datada de 6 de Outubro de 1908, ele diria a Carmelo Echegaray: "a minha biblioteca que, graças a si, se está a tornar uma das mais ricas deste interessante ramo (livros bascos), tão difícil de recolher fora do País Basco...".

Numa outra carta, endereçada à revista "Cantabria" (28/11/1907), Menéndez Pelayo escreveria que "Não pode amar a sua nação que não ama o seu país natal e começa por afirmar este amor como a base de um patriotismo mais amplo. O regionalismo egoísta é odioso e estéril, mas o regionalismo benevolente e fraternal pode ser um grande elemento de progresso e talvez a única salvação de Espanha".

O autorSantiago Leyra Curiá

Membro correspondente da Academia Real de Jurisprudência e Legislação de Espanha.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.