ConvidadosJoseángel Dominguez

O ano zero não existe e a IA sabe-o.

Retirar o nome de Cristo das referências temporais é não só claramente inútil, mas também um sinal de erosão cultural.

31 de Maio de 2023-Tempo de leitura: 5 acta
Antes de Cristo

(Unsplash / Quem é o Denilo?)

Sem um segundo de hesitação, o aluno levantou a mão para perguntar. Parecia agitado, como se a minha explicação o tivesse deixado pouco à vontade. E com uma certa vibração na sua voz, desafiou-me com uma pergunta que eu não esperava:

-Professor", disse ele, mantendo sempre o seu respeito, "porque é que diz constantemente "antes de Cristo" e "depois de Cristo"; não seria melhor dizer "na era comum"?

Em minha defesa, direi que isto nunca me tinha acontecido antes. O espanhol não utiliza frequentemente este tipo de terminologia e eu não estava à espera que um estudante universitário se preocupasse com uma pergunta destas. Mas não desperdiço nenhuma oportunidade de entrar em conversa com alguém que mostra interesse. O desinteresse não sei como lidar com ele, mas a discussão sempre foi um dos meus passatempos. 

-O ano zero não existe", respondi, ainda a pensar na melhor forma de responder à pergunta do meu interlocutor, "E isso não faz muito sentido. Mas é uma coisa muito humana. Deixem-me explicar.

"As civilizações grega e romana estão na base da cultura moderna, mas tinham uma grande falha no seu sistema científico: não conheciam o número zero. O número zero é, em certa medida, arbitrário e o facto de não o conhecer não impediu Aristóteles na sua filosofia nem Virgílio na sua epopeia. Mas é verdade que este dispositivo tecnológico é um avanço incontestável para as culturas que o possuem. Nem Roma nem a Grécia conheciam o número zero, pelo que o seu desenvolvimento algébrico foi limitado.

Cristo, um ponto de referência?

Voltando à pergunta do meu aluno. A ideia de que a história tem um ponto de referência e que esse ponto no tempo é o nascimento de Jesus de Nazaré é arbitrária em muitos aspectos. Pior ainda: a demarcação desse ano exacto está errada e já o sabemos há muito tempo. Dionísio, o Exíguo, investiu muita energia na montagem da linha do tempo que o levou a concluir o ano exacto do nascimento de Cristo, mas sabemos agora que os seus cálculos estavam errados, ou pelo menos imprecisos, em cerca de 6 anos. Jesus de Nazaré nasceu no ano seis a.C.".

A conversa estava a ficar animada. O ano zero não existe e Jesus nasceu no ano seis a.C., mas eu insisto em usar a terminologia "antes de Cristo" para acontecimentos que ocorreram há mais de 2023 anos. Os meus colegas de língua inglesa tendem, cada vez mais, a usar a nomenclatura "comera mon" para se referir às datas antes e depois de Cristo. Por isso, é comum encontrar as siglas BCE ou CE (antes da Era Comum / Era Comum) em vez das tradicionais BC/AD (antes de Cristo / antes de Cristo / depois de Cristo). anno Domini). Era evidente que era esta a ideia subjacente à pergunta do meu aluno. 

Analisar o processo de transição que está a levar cada vez mais especialistas a utilizar era comum em vez do clássico "ano do Senhor", descobrimos que não se trata de um processo arbitrário. A tensão na voz do meu aluno foi causada, como ele próprio reconheceu mais tarde, por uma sensação de que usar "antes de Cristo" era inadequado num contexto científico. Além disso, esta referência cristocêntrica não é muito inclusiva: muitos dos estudantes, e a comunidade científica em geral, não reconhecem Jesus de Nazaré como o Salvador.

Secularização legítima

Não se trata de um processo arbitrário, mas também não é um processo novo. Há quase um quarto de século, o Secretário-Geral das Nações Unidas afirmou: "Há tanta interacção entre pessoas de diferentes religiões e culturas, diferentes civilizações, se quisermos, que é necessária uma forma partilhada de contar o tempo. E assim a Era Cristã tornou-se a Era Comum" ("Common Values for a Common Era", Kofi A. Anan, em "Civilization: The Magazine of the Library of Congress", 28 de Junho de 1999). O mundialmente respeitado Kofi Anan apela à "Era Comum", e enquadra a sua proposta num processo de universalização da cultura cristã.

Noutros domínios, este processo de "abertura" aplicado à tradição cristã foi designado por inclusividade ou secularização legítima. Um expoente algo radical desta consideração é o aclamado historiador e investigador Yuval Noah Harari. Digo radical porque nos seus discursos não se abstém de classificar as religiões como uma invenção puramente humana e como um instrumento de controlo. O historiador israelita afirma: "Usamos a linguagem para criar mitologia e leis, para criar deuses e dinheiro, para criar arte e ciência (...). Os deuses não são uma realidade biológica ou física. Os deuses são algo que os humanos criaram através da linguagem, contando lendas e escrevendo escrituras" (Y. N. Harari, Discurso "AI and the Future of Humanity". Fórum Frontiers, Montreux, 29 de Abril de 2023. A transcrição e a tradução são minhas).

Apagar Cristo da cultura

A lógica deste processo de secularização é óbvia e pode ser resumida da seguinte forma: se nós, homens e mulheres, fomos os inventores das religiões, e se estas tradições não são físicas ou biológicas, tornam-se instrumentos de controlo e, portanto, devem ser erradicadas. Não só no geral, mas nas especificidades, nos traços culturais mais subtis... o que nos leva de novo ao "antes/depois de Cristo". Substituir essa expressão por outra menos marcada culturalmente.

O meu interlocutor estava a gostar da nossa conversa. Estávamos a compreender-nos mutuamente. Este estudante universitário considerava ser sua responsabilidade limpar o discurso público das marcas exclusivistas da linguagem culturalmente cristã: desta forma, pensava ele, o discurso torna-se mais inclusivo, respeitoso e menos cristocêntrico.

Inclusão

Este foi o momento em que levantei a questão que iria inverter o rumo da conversa: será verdadeiramente inclusivo substituir "a.C." por "d.C.", e qual é o objectivo? Se quisermos ver um exemplo claro de inclusão cultural no domínio dos calendários, o melhor exemplo que consigo encontrar é a semana nas culturas cristãs: são sete dias, como os dias da criação segundo a tradição judaica. Um dos dias é o Sabbath (para os Shabat judaico), o seguinte é o domingo (morre Dominicaepela ressurreição de Cristo, o Dominus), mas o dia anterior é sexta-feira, do latim morre Veneris (o dia de Vénus) para a deusa romana, e começamos a semana na segunda-feira, o dia da lua.

Em inglês é ainda mais interessante, pois os deuses nórdicos entram numa semana de origem judaica numa altura de claras marcas cristãs: Quinta-feiradia de Thor, y Sexta-feiradia de FreyaOs dois dias do ano, o domingo, o dia do sol (Domingo) e o Sabbath que tem a sua origem na tradição romana (SábadoDia de Saturno). 

Em contraste com este processo inclusivista e integrador que se cristaliza na semana do Ocidente, retirar o nome de Cristo das referências temporais não só é claramente inútil (o ano 1592 d.C. e o ano 1592 d.C. são a mesma data), como também apresenta um sinal de erosão cultural: retirar uma referência tradicional e cultural é pouco inclusivo, uma vez que, pelo menos, exclui aqueles que identificam as suas raízes com uma tradição e cultura específicas. A inclusão que elimina as diferenças não serve para nada.

Inteligência humana e IA

Ter consciência destes pormenores torna-nos muito humanos. Neste contexto, somos chamados a uma liderança mais humana em tempo de Inteligência Artificial (como diz Jesús Hijas nas suas obras). A omnipresente IA vence-nos no xadrez e, em breve, no mercado de acções. Vencer-nos-á sempre na velocidade de processamento, na precisão e no âmbito das tarefas que executa.

O ser humano, por outro lado, destaca-se pela empatia e pela consciência de si próprio. Estas são competências que precisam de ser desenvolvidas em particular. O caminho para o sucesso no ano 2023 d.C. e mais além é o trabalho conjunto da inteligência humana e da inteligência artificial, sem eliminar as suas diferenças, mas antes protegendo-as e desenvolvendo-as.

O autorJoseángel Dominguez

Cofundador, Diretor Executivo Fundação CRETIO

Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.
Banner publicitário
Banner publicitário