Recursos

Optimista ou esperançoso?

A esperança cristã não é o mesmo que optimismo. Don Celso Morga Iruzubieta, Arcebispo de Mérida-Badajoz escreve para Omnes sobre a diferença entre estes conceitos no Advento, a época da esperança cristã.

Celso Morga-10 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 2 acta
Esperança

Fé, esperança e caridade (Foto: Unsplash / Chris Liu)

Estamos na época litúrgica do Advento, a época da esperança cristã. A esperança cristã não é o mesmo que optimismo. O optimismo é um estado de espírito que nos dá uma perspectiva positiva sobre o futuro, sobre nós próprios, sobre o mundo à nossa volta, mas esse estado de espírito pode mudar ou desaparecer se as circunstâncias que constituem as nossas vidas mudarem ou variarem. Uma doença, um revés financeiro, um fracasso, uma desilusão no amor, tantas coisas podem destruir um estado de espírito optimista e fazê-la desaparecer, pelo menos temporariamente. 

A esperança cristã, por outro lado, não muda, não desaparece, não desilude, porque se baseia na fé em Deus e no amor de Jesus por nós, que perdura para sempre. A esperança cristã é um dom gentil e doce de Deus, uma virtude sobrenatural. A esperança é baseada na filiação divina. E em que esperamos? Porque o mundo nos oferece muitos bens desejáveis para os nossos desejos que nos proporcionam relativa felicidade, e a esperança cristã está também orientada para estes bens terrenos, mas os anseios dos cristãos vão infinitamente mais longe e, mesmo que estes bens terrenos desejáveis nos falhem, a esperança cristã não desaparece porque se baseia e está orientada para o próprio amor de Deus e para os bens eternos que Deus nos prometeu: para os desfrutar plenamente, com alegria sem fim. 

Este bem supremo permite-nos olhar o fracasso, a doença e mesmo a morte com as asas da esperança, o que encoraja os nossos corações a elevarem-se até Deus, nosso Pai. A cultura que respiramos hoje tende a rir-se da morte como o faz o Halloween, ou a escondê-la porque a teme, não vendo qualquer solução. 

A esperança cristã, por outro lado, faz-nos vê-la com tristeza, mas com o consolo da vida eterna futura e da ressurreição. Esta esperança faz-nos gritar ao Senhor: "Tu és a minha força" (Salmo 42,2), quando tudo corre mal. 

Nesta viagem de esperança, a Virgem Maria, que celebramos no dia 8 de Dezembro, acompanha-nos como nossa guia, professora e mãe. Imaculada. Entre os Santos Padres era comum referir-se a ela como "toda santa", "toda pura", "livre de qualquer mancha de pecado". Como afirma o Concílio Vaticano II: "Enriquecida desde o primeiro momento da sua concepção com uma santidade radiante que é absolutamente única, a Virgem de Nazaré é saudada pelo anjo da Anunciação, por ordem de Deus, como cheia de graça (cf. Lc 1,28)" (LG, 56). 

Encorajo-vos a viver esta esplêndida época litúrgica do Advento alimentando em vós essa maravilhosa virtude da esperança, olhando para Maria, através da qual a vida veio até nós. "A morte veio por Eva, a vida por Maria" (São Jerónimo, Epist. 22,21). Com a minha bênção.

O autorCelso Morga

Arcebispo de Mérida-Badajoz.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.