Recursos

Opus Dei celebra 40 anos como prelatura pessoal

O Papa Francisco recebeu em audiência o Prelado do Opus Dei, Fernando Ocáriz, no 40º aniversário da Constituição Apostólica "Ut sit", pela qual São João Paulo II erigiu o Opus Dei como prelatura pessoal (1982-2022). Oferecemos uma reflexão sobre os passos que São Josemaría deu para que a Obra pudesse alcançar a expressão jurídica apropriada.

Fernando Puig-28 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 4 acta
O Prelado do Opus Dei no México

Foto: O Prelado do Opus Dei reúne-se com membros da Prelatura e amigos no México a 12 de Novembro©Opus Dei

Josemaría Escrivá viu o nascimento do Opus Dei no coração da Igreja. Todo o seu percurso de vida de escuta do carisma fundador está alinhado em fidelidade à Igreja. Ele sabe que tem de ouvir as vozes no seu espírito; reflecte sobre o que vê acontecer naqueles que o seguem. É guiado pela forma como os pastores da Igreja observam e canalizam os impulsos espirituais e apostólicos que estão a ter lugar, para que possam ser plenamente eclesiais. O presente recebido é assim medido, de dentro para fora e de fora para dentro, sob o olhar de Deus.

Inwards, e como uma família

Nas fases iniciais, quase tudo acontece no interior, na sua alma e nas almas dos seus primeiros seguidores, mantendo a autoridade constituída na diocese de Madrid em segredo.

Pouco depois, a pedido do bispo, a sua incipiente fundação assumiu um perfil institucional que lhe deu alguma substância e consistência (Pia Unión, 1941).

Uma socialidade familiar é formada em torno de um pai que partilha com a sua família o desejo de servir a Igreja e a sua profunda experiência de paternidade divina.

Meses depois, reconhece a dimensão sacerdotal do dom recebido de uma nova forma, o que o leva a ver a necessidade do sacerdócio ministerial: não como externo e associado, mas como intrínseco ao trabalho apostólico dos leigos que trabalham no meio do mundo com os seus iguais, cumprindo a missão na Igreja.

O Bispo de Madrid, com o nihil obstat da Santa Sé, aprova (Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz e dos Fiéis Leigos, 1943): a ligação entre o sacerdócio comum e o sacerdócio ministerial está a tornar-se mais clara. O fundador irá reflecti-lo num selo: uma cruz inscrita no mundo.

Universal e secular

Houve uma expansão, em extensão e densidade, que atingiu muitos países. A intuição inicial sobre a universalidade do dom recebido foi confirmada, o que exigiu um regime presente no catolicismo e com sede em Roma. São Josemaria também percebeu que a secularidade do carisma tinha de ser confirmada como um traço original que não devia ser diluído. Ele procurou uma institucionalidade universal e secular. Conseguiu-o ao tornar-se parte das novas formas (Instituto Secular, 1947-50) que aguardavam mudanças normativas, trazidas por Pio XII.

A linha imutável da fundação continua: o fundador sabe que é tal e valoriza a luz que recebe pessoalmente; ao mesmo tempo, aprecia as necessidades daqueles que o seguem no Opus Dei, para continuar a acção incisiva no trabalho profissional e na família.

Um espírito leigo, secular e sacerdotal, em concerto institucional. Muitos pastores da Igreja observam nas suas dioceses esta obra original para o benefício dos seus fiéis.

Os novos tempos exigem estes impulsos e, de facto, outras realidades seculares nascem na Igreja.

Perfis espirituais e apostólicos claros

No entanto, faltava algo para delinear o fenómeno e reduzir algumas das interpretações empobrecedoras do carisma. Depois de alguma tentativa, seguiu-se o conselho da Santa Sé de esperar pela conclusão do Concílio Vaticano II. Em jogo estavam as necessidades do mundo secularizador e o desejo da Igreja de manter o ritmo. Escrivá viu que o Opus Dei seria capaz de servir melhor com a força emergente do Conselho.

Verdades e impulsos pastorais decisivos ressoam no salão conciliar: luz das nações, vocação baptismal, povo de Deus, apelo universal à santidade, realidades terrenas santificáveisO horizonte ilimitado de missão, comunhão e unidade da Igreja, o dom divino da liberdade, paz e trabalho para a sociedade, a libertação da humanidade do Filho de Deus feito homem, etc.

A morte de Josemaría Escrivá ocorreu quando ele estava a trabalhar num melhor estabelecimento institucional da Obra. Quando morreu, deixou claro os contornos espirituais e apostólicos do carisma; estimulando os seus filhos e adoptando as medidas necessárias, renovou o seu compromisso de não desapontar o apelo laico, secular, livremente respondido, que incluía os cuidados sacerdotais a partir do interior. Ele conclui a sua vida terrena na esperança de que, à luz do Concílio recentemente concluído, os pastores compreendam como facilitar o serviço da Obra à Igreja como um todo.

A prelatura pessoal

Os contornos firmes do espírito apostólico e das formas, captados no seu espírito fundador, ilustrados na vida dos seus seguidores e confrontados com a evolução da Igreja, convergem no aspecto institucional na figura da prelatura pessoal. João Paulo II teve a possível decisão seriamente estudada; Álvaro del Portillo, sucessor de São Josemaría, ofereceu a sua total cooperação e lealdade à Santa Sé.

A 28 de Novembro de 1982, foi publicada a Constituição Apostólica "Ut sit". O prelado e os fiéis da prelatura ouvem os pastores da Igreja dizer-lhes para serem fiéis ao fundador; cria-se assim uma articulação original dos elementos objectivos e pessoais do fenómeno pastoral, na chave da relação entre sacerdócio comum e sacerdócio ministerial, com um prelado que é pastor. É vivido em acção de graças no Opus Deique se encontra neste caminho favorável.

A história continua. A confluência na Prelatura dura há 40 anos, para continuar onde as necessidades da Igreja e do mundo chamam. Um grande teólogo costumava dizer que a seta vai mais longe quando o arqueiro aperta mais o cordel, colocando-o perto do coração. Para ir mais longe, é preciso aproximar-se do coração: ouvir o que inspira aquele que no seu coração ouviu a primeira voz de Deus; o que Deus diz àqueles que, em cada momento, são os depositários da luz e responsáveis pela missão recebida dentro da Igreja, o prelado como Pai e pastor próprio, e os fiéis com ele. E sempre a ouvir o coração dos pastores - com Pedro à cabeça - que, olhando para o todo, saberão olhar para a parte da Igreja ("partecica" como Josemaría Escrivá costumava dizer) para que possa ser ("ut sit") o que Deus quer que seja.

O autorFernando Puig

Professor Associado de Direito Canónico, Universidade Pontifícia da Santa Cruz (Roma)

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.