Leituras dominicais

Paciência no escuro. 3º Domingo do Advento (A)

Joseph Evans comenta as leituras para o Terceiro Domingo do Advento e Luis Herrera oferece uma breve homilia em vídeo.

Joseph Evans-9 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 2 acta

Enquanto João estava acorrentado no calabouço escuro e húmido de Herodes, a profecia de Isaías que ouvimos nas leituras deste domingo deve ter sido difícil de acreditar para ele: "O deserto e o deserto regozijar-se-ão, a estepe ficará alegre e florescerá ... com alegria e cânticos de júbilo. Contemplarão a glória do Senhor, a majestade do nosso Deus".. Ali, nessas profundezas miseráveis, havia poucos sinais evidentes da glória e majestade de Deus. Será que João pensaria nestas outras palavras enquanto o soldado entrava para cortar a sua cabeça? "Dizei aos que estão perturbados: 'Sede fortes, não tenhais medo, eis o vosso Deus! A vingança está a chegar, a retribuição de Deus. Ele vem pessoalmente e vai salvar-te".? Não houve uma salvação óbvia.

Sejamos realistas: o Advento canta muitas vezes uma alegria que não vemos. "Entrarão em Sião com cânticos de alegria; alegria eterna à sua cabeça; seguindo-os, partirão a alegria e o contentamento, a tristeza e o pesar".

Mas antes da sua morte, João tinha conseguido enviar mensageiros a Jesus para lhe perguntar: "És tu aquele que virá, ou devemos esperar por outro?"Será que João procurava o seu próprio ganho, será que começava a ter dúvidas, ou foi por causa dos seus discípulos, para os apontar a Jesus quando ele, João, sabia que o seu tempo na terra se estava a esgotar? Saberemos no céu; mas Jesus apontou para os milagres que estava a realizar, todos eles sinais que cumpriam as profecias do Antigo Testamento do Messias como aquele que iria dar vista aos cegos, fazer andar os coxos e os surdos ouvir, dar vida aos mortos e pregar aos pobres. Nosso Senhor louvou então João Baptista pela sua austeridade de vida: ele tinha escolhido a pobreza na alimentação, vestuário e habitação. Esta fidelidade tinha-o tornado o maior de todos os profetas.

E eis o seguinte: o Advento ainda não é a plena revelação de Deus. É a preparação para ele. Tem um elemento de escuridão, mesmo de um calabouço. Para triunfar na terra - e para se preparar para o seu triunfo final e definitivo - Deus precisa de homens e mulheres fiéis que estejam dispostos a perder até mesmo as suas vidas. São pessoas do Advento, os outros Johns, que estão dispostos a sacrificar conforto, liberdade, luz e vida para preparar o caminho para Deus. Eles tornam-se o caminho de Deus, a sua auto-estrada, para ele viajar. Mas ser uma auto-estrada não é confortável: significa ser pisado e exposto aos elementos. Deus acabará por triunfar, mas apenas através do sacrifício e sofrimento de almas fiéis, principalmente do próprio Cristo e, n'Ele, dos seus mártires. Isto requer muita paciência, como James explica na segunda leitura. Porque João, nas suas correntes e na sua escuridão, renunciou ao movimento, à luz e finalmente à sua vida, outros vieram para caminhar, ver e viver.

A homilia sobre as leituras do Domingo III do Advento

O sacerdote Luis Herrera Campo oferece a sua nanomiliauma breve reflexão de um minuto para estas leituras.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.