Teologia do século XX

O caso Hans Küng

As figuras de dois teólogos quase contemporâneos de língua alemã estarão ligadas na posteridade: o bávaro Joseph Ratzinger (1927-) e o suíço Hans Küng (1928-2021).

Juan Luis Lorda-24 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 8 acta
Küng

Joseph Ratzinger e Hans Küng coincidiram como peritos no Concílio Vaticano II (1962-1965) e como colegas na Universidade de Tübingen (1966-1968); seguiram então caminhos muito divergentes: Ratzinger em direcção ao papado e Küng em direcção a uma estrondosa dissidência. "Uma comparação das nossas respectivas trajectórias de vida [...] poderia oferecer análises altamente reveladoras sobre a evolução da teologia e da Igreja Católica e até da sociedade em geral".Küng escreve no preâmbulo ao seu segundo volume de memórias, Verdade comprometidaenquanto expressava o seu desapontamento por Ratzinger se ter tornado Papa.

Um carro e uma missão

É frequentemente recordado que, em Tübingen, Ratzinger andava de bicicleta e usava uma boina preta, enquanto Küng andava num Alfa Romeo vermelho e vestia um fato desportivo. Uma anedota não retrata uma pessoa. Mas a troca do seu velho Volkswagen Beetle, comum entre sacerdotes, por um Alfa Romeo "vermelho" (uma cor cintilante na altura) diz algo. Em profissões tão expostas ao público como padre e professor, estes detalhes são muito significativos. Este, pelo menos, aponta para duas coisas. A primeira é que, ao contrário de Ratzinger, Küng tinha decidido não passar despercebido. A segunda é a sua intenção de romper com clichés eclesiásticos e de se acomodar ao mundo moderno e democrático. 

Küng nunca simpatizou com a estética marxista e com as ideias que depois pressionavam na universidade e na Igreja. Mas ele amava o mundo e o mundo amava-o. Nenhum outro teólogo ou eclesiástico recebeu tanto apoio em círculos secularistas, e tantos doutoramentos. honoris causa. O seu brilhantismo foi recompensado, mas também, ou acima de tudo, as suas críticas à Igreja. O mundo ocidental moderno não adora a Igreja Católica. Ao perder as suas raízes cristãs, sente-se desconfortável com ele e quer que ele mude com ele ou desapareça. Küng estabeleceu para si próprio a tarefa de ultrapassar o inaceitável, a fim de alinhar o cristianismo com os tempos. 

Formação e ensino

Hans Küng nasceu em Sursee, uma pequena cidade no cantão suíço de Lucerna, onde o seu pai era sapateiro. 

Depois da escola secundária, entrou no Colégio Germanico em Roma (1947-1954), e estudou filosofia e teologia na Universidade Gregoriana, com trabalhos sobre Sartre e Barth: sete anos que recordaria com apreço. Completou-as no Institut Catholique de Paris (1955-1957), com uma tese sobre justificação em Barth, que foi supervisionada por Louis Bouyer e publicada com uma carta de elogio de Barth.

Em 1958, João XIII convocou o Concílio Vaticano II, que deveria começar em 1962. Küng tinha muitas ideias sobre o que precisava de ser melhorado. Entretanto, após um período em Münster, obteve a cadeira de Teologia Fundamental em Tübingen, onde permaneceu durante a maior parte da sua vida (1960-1996). 

O Conselho e o período pós-conciliar de Küng

Ele foi em frente escrevendo O Conselho e a unidade cristã (1960), o que lhe trouxe fama e crítica. Quando o Conselho começou (1962), ele já tinha dado palestras sobre o Conselho em toda a Europa, e publicado outro livro, Estruturas eclesiásticas (1962), com mais fama e mais críticas. Foi chamado como testemunha especializada por João XXIII e moveu-se entre os bispos e nos meios de comunicação social, tornando-se um dos rostos mais visíveis. 

Mas, talvez devido a esta relutância, não entrou para a comissão teológica central e não desempenhou um papel significativo na redacção. Isto foi uma enorme desilusão, o que o levou a insistir na reforma a partir do exterior. Assim começou uma abordagem cada vez mais crítica (e desdenhosa) da "estrutura", que duraria toda a sua vida. Ele tornar-se-ia o maior expoente do "espírito do Conselho" para impulsionar em paralelo a reforma que, na sua opinião, o verdadeiro Conselho não tinha conseguido articular. Foi imensamente influente devido ao seu talento para a narrativa de ideias, e porque a crítica era importante.

Após o Concílio, o trabalho de Küng desenvolveu-se em duas fases, uma interna, de reforma crítica da Igreja e da sua mensagem, e a segunda, externa, de diálogo inter-religioso com a subsequente proposta de uma ética mundial. Entre as duas fases está a retirada da venia como teólogo católico (1979). 

A reforma de Küng

Como muitos outros depois, Küng assumiu o papel (um pouco barthiano) do profeta puro que corajosamente confronta a corrupção do impuro que se auto-servia. Mas enquanto Barth atacava o desvio dos teólogos liberais, Küng encarnava novamente a "gravamina nationis germanicae": as queixas históricas da nação alemã (e de toda a história) contra a autoridade de Roma. Küng duvida que Cristo quis fundar uma Igreja, e certamente não a existente. Adora as manifestações carismáticas da primeira época, mas vê o desenvolvimento da hierarquia como algo estranho e contrário à vontade de Cristo. Isto aparece no seu livro A Igreja (1967) e será desenvolvido mais tarde. Pode objectar-se que o desdobramento da estrutura foi tanto o trabalho do Espírito como qualquer outra coisa. Este foi o entendimento dos primeiros. Os erros históricos, a consequência de uma verdadeira "encarnação" do "Corpo de Cristo", não desmentiram isto. 

Em seguida, irá rever profundamente a figura de Cristo e despojá-la das adições "helénica" e "bizantina" expressas no Credo. Ele não gosta da "Trindade" e das suas "pessoas" e quer regressar ao Cristo dos Evangelhos, da comunidade "judaico-cristã", um homem justo, elevado ao nível da "Trindade". "à mão direita de Deus". (Actos 7, 56, Heb 10, 12), animado pelo Espírito, entendido como o poder de Deus. Ele também contesta a ideia de uma ressurreição no sentido literal. Deve-se dizer que esta comunidade "judaico-cristã", além de acreditar na ressurreição física de Cristo, também acreditava n'Ele como "imagem da substância divina". (Heb 1, 3), Palavra encarnada (Jn 1, 14), "da condição divina". (Phil 2, 6), "Imagem do Deus invisível ... em quem todas as coisas foram criadas ... e que existe antes de todas as coisas". (Col 1, 15-17). Mas isto vai para o caixote do lixo. Ele quer um Cristo credível para o mundo. No seu livro mais famoso e difundido, Ser cristão (1974), reconstrói o cristianismo a partir da reinterpretação de Cristo. E, com muito mais força, em Cristianismo, essência e história (1994).

Claro que, de passagem, esta renovação cristã assume todas as exigências típicas do mundo moderno face à Igreja: ordenação das mulheres, dúvidas sobre o ministério ordenado e o papel dos leigos, a abolição do celibato e a moralidade do casamento, e, finalmente, a possibilidade da eutanásia.

A "fundação" exegética

Küng afirma confiar na opinião de "a maioria dos exegetas". Mas o problema com a exegese "científica" é que dificilmente é "científica", porque a sua base é tão estreita. Quase não existem dados para reconstruir os factos para além dos textos do Novo Testamento. Portanto, depende da conjectura; e a conjectura depende dos próprios preconceitos de cada um. Se não se acredita que Cristo seja realmente o Filho de Deus ou que tenha ressuscitado dos mortos, é preciso explicar a si próprio como é que os primeiros crentes poderiam ter passado a acreditar nisso. Mas esta reconstrução inventada é apenas uma explicação de fé sem fé. Enquanto que a fé da Igreja, que é a base da teologia, partilha a fé dos primeiros, testemunhada nos textos.

Neste contexto, é possível compreender o esforço de Joseph Ratzinger no seu Jesus de NazaréEle é uma exegese crente (não reinventada) da figura de Cristo, uma obra de toda a sua vida.

Infalível

Tudo isto fez muito barulho na Igreja. Em várias ocasiões, a hierarquia alemã e romana pediu-lhe explicações que ele se recusou a dar. Em contraste com o descaramento insultuoso de Küng, as objecções da autoridade foram notoriamente tímidas. O antigo Santo Ofício, que se tinha tornado a Congregação para a Doutrina da Fé, foi dominado tanto pelos excessos do seu zelo em intervenções perante o Concílio, que não queria repetir, como pela previsível tempestade mediática que a mais pequena intervenção desencadearia. 

A palha que partiu as costas do camelo, ou para ser mais gráfico, o bolo que explodiu na frente das caras de todos, foi o livro de Küng, Infalível? Uma pergunta (1970). Foi uma provocadora revisão histórica do Concílio Vaticano I com um ataque directo à autoridade do Papa na Igreja. Muitos teólogos principais levantaram sérias objecções (Rahner, Congar, Von Balthasar, Ratzinger, Scheffczyk...). Mas Küng reafirmou a sua posição: Falível, um equilíbrio (1973). A anedota circulou na altura em que alguns cardeais tinham ido oferecer a Hans Küng para se tornar papa, mas ele pediu desculpa, argumentando que se aceitasse, deixaria de ser infalível. 

A retirada de o venia docendi (1979)

Após muita hesitação, foi decidido, sob João Paulo II, retirar o seu venia docendi que o qualificou para ensinar como teólogo católico (15-XII-1979). Era o mínimo. Ao contrário do que é frequentemente repetido, Ratzinger ainda não estava à frente da Congregação. Enquanto a hierarquia alemã o informava, de forma silenciosa, que talvez alguns aspectos não estivessem inteiramente de acordo com a doutrina, ele denunciava um abuso de poder corrupto, tolo, constante e inquisitorial por parte de uma hierarquia ilegítima sem qualquer fundamento no Evangelho. Foi sempre pródigo nas suas desqualificações "proféticas" dos seus adversários: em todas as suas obras, nas suas memórias e especialmente nas suas entrevistas. Os seus fãs e os meios de comunicação social gostaram dele, mas ele deixou os seus colegas académicos desconfortáveis.

O efeito dessa retirada foi simplesmente que a sua Universidade transferiu a sua cadeira da Faculdade de Teologia para a Faculdade de Filosofia, de modo que não foi necessária qualquer autorização; a imprensa secularista fez um escândalo, cheio de elogios e denigração da autoridade eclesiástica; o mundo regou-o com doutoramentos; e foi-lhe concedido um doutoramento em filosofia. honoris causae assim alcançou uma nova fama mundial. 

Novos interesses 

"A retirada da licença eclesiástica [...] foi para mim uma experiência profundamente deprimente. Mas ao mesmo tempo significou o início de uma nova etapa na minha vida. Pude tratar de toda uma série de assuntos [...]: mulheres e cristianismo, teologia e literatura, religião e música, religião e ciência da natureza, diálogo de religiões e culturas, contribuição das religiões para a paz mundial e necessidade de uma ética comum a toda a humanidade, uma ética mundial". (Humanidade viva(prefácio; este é o terceiro e último volume de memórias).

De facto, ele voltou a sua atenção para as religiões e escreveu espessos volumes de obras bastante interessantes, tais como Judaísmo, passado, presente e futuro (1991), O Islão. História, presença e futuro (2004), com a sua boa narrativa (embora com a barbela ocasional quando necessário). Ele também manteve uma defesa inteligente de Deus face ao mundo moderno e às ciências: O início de todas as coisas. Ciência e religião (2005).

A partir do diálogo inter-religioso, embarcou então num projecto de ética global, procurando mínimos éticos comuns. Ele criou o Fundação para a Ética Global (Stiftung Weltethos) que dirigiu muito activamente (1995-2013), envolvendo muitas celebridades e organizações internacionais. O projecto não é desprovido de interesse, como sublinhou Bento XVI na longa entrevista que realizaram em Castelgandolfo (24-IX-2005), onde, de comum acordo, se concentraram nisto e não em dificuldades doutrinárias. 

Começámos com Barth, e é difícil evitar perceber que passámos da fé cristã para a ética. Foi precisamente por isso que Barth criticou a teologia liberal protestante e Kierkegaard criticou a sociedade burguesa. Mas é inevitável se transformarmos Cristo sozinho num bom homem escolhido e exaltado por Deus. Sem dúvida Küng aprecia este Cristo "evangélico" e quer assumi-lo e propô-lo como modelo, mas se ele não é realmente o Filho de Deus, Deus não se abriu para nós e a "theo" -logia acabou. Dificilmente podemos falar de Deus, como é o caso do judaísmo e do islamismo. Küng gosta do último título de Deus no Islão: o desconhecido ou inominável. Pelo contrário: "Ninguém jamais viu Deus; o Filho unigénito, que está no seio do Pai, revelou-o a nós". (Jo 1:18). Assim podemos viver n'Ele. Mas Küng também não gostou do tema da habitação e da divinização: pareceu-lhe que nenhum homem moderno poderia desejar tal coisa....

Küng herege?

Para além do facto de que o assunto precisa de ser repensado, hoje em dia é praticamente impossível declarar alguém como herege. Küng não é: não houve nenhuma condenação formal ou expulsão, nem mesmo suspensão. um divinis. Küng tem frequentemente comparado o Magistério e a Cúria Romana à Gestapo, mas o facto é que hoje em dia a Igreja não tem poder. É muito mais uma vítima do que um carrasco; e talvez isso seja melhor, porque é mais parecido com Cristo. 

Evidentemente, Küng representa uma opção heterodoxa que foi generalizada na Igreja Católica no século XX. Ele próprio tinha a certeza de não dizer o que a Igreja diz sobre si própria e sobre Jesus Cristo (e sobre a moralidade) porque o achava pouco representativo. Assim, ganhou o apreço do mundo e o reconhecimento entusiástico do sector mais progressista da Igreja, dominante na altura, embora nas últimas décadas tenha declinado muito mais rapidamente do que a própria Igreja (não se pode ver através das suas fundações). No final, está a tornar-se claro que a teologia católica não pode seguir Küng e que (pobre) Ratzinger é um caminho melhor.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.